Pisa-n’água – (Phalaropus tricolor)

Pisa-n'água

O pisa-n’água Phalaropus tricolor é uma ave da família Scolopacidae. Ocorre desde os Estados Unidos até ao norte da Argentina.

Pisa-n'água {field 21}
  • Nome popular: Pisa-n’água
  • Nome inglês: Wilson’s Phalarope
  • Nome científico: Phalaropus tricolor
  • Família: Scolopacidae
  • Sub-família: Tringinae
  • Habitat: Espécie migratória. Vem do hemisfério norte pra passar o verão
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de pequenos insetos ou moluscos girando em círculos na água, pegando-os na superfície. Também corre e fuça na lama de cabeça baixa e traseiro erguido.
  • Reprodução: Reproduz-se colocando os ovos diretamente no solo ovos geralmente 3 ou 4 sempre perto da água.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Pisa-n'água {field 21}

Características:

Mede em média entre 18 e 23 cm de comprimento. Tem distinção na plumagem conforme a época do ano, apresentando padrão de descanso quando está no Brasil. Bico preto fino. Cinza claro por cima, faixa escura atrás do olho, branco na parte superior e inferior da face, e pernas amarelas. Na época de reprodução, a fêmea torna-se colorida com coroa cinza, máscara e faixa no pescoço pretas, lateral do papo castanha, dorso cinza com faixas castanhas, pernas pretas. O macho é mais apagado.

Pisa-n'água {field 21}

Comentários:

Espécie migratória. Normalmente, não pousa perto da água do mar, preferindo poças e lagoas costeiras que apresentam pouca quantidade de sal, já que apresentam a glândula de eliminação de sal pouco eficiente.

Pisa-n'água {field 21}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • CLEMENTS, J. F.; The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press, 2005.

Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *