Pelicano – (Pelecanus occidentalis)

O pelicano Pelecanus occidentalis é uma ave da família Pelecanidae. Conhecido também como pelicano-pequeno

Pelicano {field 25}
  • Nome popular: Pelicano
  • Nome inglês: Brown Pelican
  • Nome científico: Pelecanus occidentalis
  • Família: Pelecanidae
  • Habitat: Ocorre nas costas do Atlântico, Golfo do México e Pacífico nas Américas. Na costa atlântica, é encontrado desde a costa de Nova Jersey até a foz do rio Amazonas. Ao longo da costa do Pacífico, é encontrado desde a Colúmbia Britânica até o centro-sul do Chile, incluindo as Ilhas Galápagos.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de peixes. Detecta cardumes de peixes enquanto voa.
  • Reprodução: Os ninhos são geralmente construídos pela fêmea feito de juncos, folhas, seixos e gravetos, forrados de penas protegidas com uma borda de solo e detritos,. Geralmente põe dois a três, ou às vezes até quatro, ovos ovais em uma ninhada, e apenas uma ninhada é criada por ano. No período de 8 a 10 meses durante os quais são cuidados, os pelicanos filhotes são alimentados com comida regurgitada parcialmente digerida.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Pelicano {field 25}

Características:

Mede em média entre 10o a 15o cm e pesa de 2,7 a 10 kg. Apresenta envergadura de até 2,00 m. O macho é maior que a fêmea. Possui coberteiras de asa superiores curtas e marrons, que costumam ser mais escuras nas coberteiras maiores, e coberteiras inferiores cinza amarronzadas opacas com uma faixa esbranquiçada no centro. As íris são marrom-escuras e a pele do rosto é azulada. Possui um bico cinza que é amarelo-chifre a laranja perto da ponta, com uma bolsa cinza escura a cinza rosada. Adquire plumagem adulta aos 3 anos de idade, quando as penas do pescoço tornam-se mais pálidas, as partes superiores ficam listradas, as asas superiores maiores e as coberturas medianas tornam-se mais cinzentas e o ventre adquire manchas escuras.

Tem cinco subespécie reconhecidas:

  • Pelecanus occidentalis occidentalis: Ilhas do Caribe;
  • Pelecanus occidentalis carolinensis: Maryland, EUA até o norte do Brasil;
  • Pelecanus occidentalis californicus: Oregon, EUA até o Panamá;
  • Pelecanus occidentalis murphyi: Colômbia até norte do Peru;
  • Pelecanus occidentalis urinator: Ilhas Galápagos;
Pelicano {field 25}

Comentários:

Frequenta principalmente águas marinhas subtendais, estuarinas quentes e pelágicas marinhas. Também é encontrado em manguezais e prefere águas rasas, especialmente perto de baías salgadas e praias. Ele evita o mar aberto, raramente se aventurando a mais de 20 milhas da costa. Alguns pássaros imaturos podem se perder em lagos de água doce do interior. É comum em regiões costeiras populosas e é tolerado em vários graus por pescadores e velejadores. A maioria das populações são residentes e dispersivas (espécies que se deslocam de seu local de nascimento para seu local de reprodução, ou seu local de reprodução para outro local de reprodução). Alguma migração é por vezes observada, especialmente nas áreas ao norte de sua distribuição, mas estes movimentos costumam ser erráticos, dependendo das condições locais. Para o sul, eles são vagantes (encontrados fora de sua área normal) na Terra do Fogo. Eles foram registrados na costa leste do Brasil, em Alagoas. Raros vagantes foram encontrados longe da costa nos Andes colombianos. Eles foram gravados pela primeira vez em julho de 2009 no Vale Interandino, onde permaneceram por pelo menos 161 dias. Existem quatro registros no interior da Amazônia Legal ao longo do Rio Amazonas e seus afluentes.

Pelicano {field 25}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • CLEMENTS, J. F.; The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press, 2005.

Referências