Arapaçu-galinha-do-pará – (Dendrexetastes paraensis)

O arapaçu-galinha-do-pará Dendrexetastes paraensis é uma ave da família Dendrocolaptidae. Espécie endêmica. Ocorre, do leste do Rio Madeira até o Maranhão, passando pelo sudeste do Amazonas, norte do Mato Grosso e provavelmente deve ocorrer no norte de Tocantins.

Arapaçu-galinha-do-pará Foto – Guilherme Serpa
  • Nome popular: Arapaçu-galinha-do-pará
  • Nome inglês: Para Woodcreeper
  • Nome científico: Dendrexetastes paraensis
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre do leste do Rio Madeira até o Maranhão, passando pelo sudeste do Amazonas, norte do Mato Grosso e provavelmente deve ocorrer no norte de Tocantins.
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de artrópodes em geral, além de besouros, baratas e gafanhotos e, eventualmente, captura pequenos vertebrados como lagartixas.
  • Reprodução: Reproduz-se em ocos naturais ou telhados de palha durante a estação seca. Põe em média 2 ou 3 ovos brancos por ninhada.
  • Estado de conservação:

    Pouco preocupante

Arapaçu-galinha-do-pará Foto – Ricardo Gentil

Características:

Mede em média 24 cm de comprimento. Bastante parecido com o arapaçu-galinha-da-guianaDendrexetastes rufigula porém com menos rajados, bico maior e com tons menos enferrujados.

Arapaçu-galinha-do-pará Foto – Hilton Filho

Comentários:

Frequentam florestas de terra-firme ou alagadas em vários estágios de sucessão, preferindo, florestas em estágio sucessional mediano, próximas à água. Ocorre também em florestas sobre solos arenosos como campinaranas. Forrageia em material seco, como folhas mortas de palmeiras, no estrato superior da floresta. Aparentemente, o arapaçu-galinha é sensível a alterações ambientais, como a retirada seletiva de madeira.

Arapaçu-galinha-do-pará Foto – Ivan César

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências

Arapaçu-de-wagler – (Lepidocolaptes wagleri)

O arapaçu-de-wagler Lepidocolaptes wagleri é uma ave da família Dendrocolaptidae. Espécie endêmica. Ocorre nos estados de Minas Gerais, Bahia e Piaui.

Arapaçu-de-wagler Foto – Guilherme Serpa
  • Nome popular: Arapaçu-de-wagler
  • Nome inglês: Wagler’s Woodcreeper
  • Nome científico: Lepidocolaptes wagleri
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre nos estados de Minas Gerais, Bahia e Piaui. Ameaçado de extinção
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de insetos e outros pequenos artrópodes. Forrageia nos estratos médio e superior da floresta.
  • Reprodução: Reproduz-se…
  • Estado de conservação:

    Ameaçado

Arapaçu-de-wagler Foto – Guilherme Serpa

Características:

Mede em média 19 centímetros de comprimento. Tem coloração geral vermelho amarronzada, pescoço branco, peito e barriga escamados de branco e preto.

Arapaçu-de-wagler Foto Guilherme Serpa

Comentários:

Frequentam florestas secas e mata de galeria. Em geral, tende a ocupar floresta relativamente intacta, sendo moderadamente sensível ao desmatamento. Está ameaçado por perda e degradação de habitat.

Arapaçu-de-wagler Foto – Nina Wenoli

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências

Arapaçu-verde – (Sittasomus griseicapillus)

O arapaçu-verde, é uma ave da família Dendrocolaptidae. Também conhecido por arapaçu-de-cabeça-cinza e cutia-de-pau-pequena. Nativo da América do Sul, mede cerca de 15 cm de comprimento, com dorso e cabeça esverdeados, bico fino e curto.
Arapaçu-verde {field 5}
  • Nome popular: Arapaçu-verde
  • Nome inglês: Olivaceous Woodcreeper
  • Nome científico: Sittasomus griseicapillus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Habitat: Ocorre em todo o Brasil, em matas fechadas e bordas de floresta.
  • Alimentação: Apanham insetos sobre a casca e em pequenos buracos no tronco. Associam-se a outras aves seguindo formigas de correição, apanhando insetos espantados pela caçada das formigas.
  • Reprodução: Casais monogâmicos nidificam em cavidades nas árvores. A postura é de 2 a 3 ovos incubados em duas semanas. Os filhotes permanecem com os pais por alguns meses.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-verde {field 5}
Características:

Mede cerca de 15 cm de comprimento, tem o bico pequeno e reto, pouco notável e diferente dos demais arapaçus. O meio das costas e a cauda são marrom avermelhadas, com a cabeça e resto das costas cinza oliváceo. A barriga e peito são cinza escuros. Quando voam de um tronco a outro, sob boas condições de luz, aparece a faixa amarelada nas penas de vôo cruzando o meio das penas longas das asas.

Apresenta 15 subespécies reconhecidas:
  • Sittasomus griseicapillus griseicapillus (Vieillot, 1818) – ocorre no centro da América do Sul, no sudeste da Bolívia (ao sul da região de Santa Cruz até a região de Tarija), no sul e centro do Brasil (no sudoeste do estado de Mato Grosso e no estado do Mato Grosso do Sul); no norte e oeste do Paraguai, no centro e norte da Argentina (na região de Catamarca, Santiago del Estero e na região de Santa Fé).
  • Sittasomus griseicapillus sylviellus (Temminck, 1821) – ocorre no sudeste da América do Sul, no sul e sudeste do Brasil (até o sudeste de Goiás, em Minas Gerais e no estado do Espírito Santo), no sudeste do Paraguai, nordeste da Argentina (nas províncias de Misiones e Corrientes) e no nordeste do Uruguai.
  • Sittasomus griseicapillus reiseri (Hellmayr, 1917) – ocorre no nordeste do Brasil (do sul do estado do Maranhão, nos estados do Ceará e Pernambuco, até os estados de Tocantins e Bahia).
  • Sittasomus griseicapillus amazonus (Lafresnaye, 1850) – ocorre no oeste da Amazônia, em ambas as margens do rio Amazonas, do sudeste da Colômbia (ao sul da região de Meta, Vichada e Guainía) e sul da Venezuela (no oeste e sul da região de Amazonas), sul e leste do Equador, leste do Peru e norte e oeste do Brasil (ao leste dos rios Negro e Madeira, até o noroeste do estado do Mato Grosso). Esta espécie apresenta como característica marcante possuir a cabeça e grande parte do corpo de coloração cinza e não esverdeada.
  • Sittasomus griseicapillus olivaceus (Wied, 1831) – ocorre na região costeira do leste do Brasil (sudeste do estado da Bahia).
  • Sittasomus griseicapillus transitivus (Pinto & Camargo, 1948) – ocorre no sudeste da Amazônia brasileira, ao sul do rio Amazonas (provavelmente do rio Madeira) até o rio Tapajós, até o nordeste do estado do Mato Grosso.
  • Sittasomus griseicapillus sylvioides (Lafresnaye, 1850) – ocorre na América Central, no leste e sul do istmo de Tehuantepec até o sul do México (nos estados de Veracruz, Tabasco, Oaxaca e Chiapas), no noroeste da Colômbia (na região de Córdoba e na região de Bolívar).
  • Sittasomus griseicapillus jaliscensis (Nelson, 1900) – ocorre no México (na região de Nayarit, San Luis Potosí, Tamaulipas, até o Istmo de Tehuantepec).
  • Sittasomus griseicapillus gracileus (Bangs & J. L. Peters, 1928) – ocorre no sudeste do México (na península de Yucatán, Tabasco, Campeche e Quintana Roo) e na região adjacente do norte da Guatemala (Petén) e também no norte de Belize.
  • Sittasomus griseicapillus perijanus (Phelps, Sr. & Gilliard, 1940) – ocorre no nordeste da Colômbia (nas regiões de Magdalena e Guajira) e no extremo noroeste da Venezuela (nas regiões de Sierra de Perijá).
  • Sittasomus griseicapillus tachirensis (Phelps, Sr. & Phelps, Jr., 1956) – ocorre no norte da Colômbia (nas regiões de Bolívar e Santander) e no oeste da Venezuela.
  • Sittasomus griseicapillus griseus (Jardine, 1847) – ocorre no norte da Venezuela (nas regiões de Lara, Mérida, Barinas, Falcón, Sucre e Monagas); também ocorre na ilha de Tobago, no Caribe.
  • Sittasomus griseicapillus aequatorialis (Ridgway, 1891) – ocorre na costa do Pacifico da América do Sul, desde o oeste do Equador até o extremo noroeste do Peru na região de Tumbes.
  • Sittasomus griseicapillus axillaris (J. T. Zimmer, 1934) – ocorre no nordeste da Amazônia, ao norte do rio Amazonas, no sudeste da Venezuela, na Guiana, na Guiana Francesa e no norte do Brasil (na região do baixo Rio Negro, até o estado do Amapá); provavelmente ocorre no Suriname.
  • Sittasomus griseicapillus viridis (Carriker, 1935) – ocorre na Amazônia boliviana (na região de Beni, La Paz, Cochabamba e Santa Cruz).

(IOC World Bird List 2018; Aves Brasil CBRO 2015; Clements checklist, 2016).

Arapaçu-verde {field 5}
Comentários:

O menor arapaçu do interior das matas, cerradões e matas secas. Vivem sós ou em casais. Possuem um chamado longo, pios agudos acelerados no início e descendente no final, muito característico. Lembra, um pouco, o dueto do joão-de-barro na duração, aceleração e diminuição.

Arapaçu-verde {field 5}
Referências & Bibliografia:
  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • Wikiaves – disponível em: https://www.wikiaves.com.br/wiki/arapacu-verde Acesso em 08 Setembro de 2014.
  • Wikipédia – disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Arapa%C3%A7u-verde Acesso em 14 de Outubro de 2014.

Arapaçu-de-garganta-branca – (Xiphocolaptes albicollis)

O arapaçu-de-garganta-branca é uma ave da família Dendrocolaptidae. Conhecido também como trepadeira, pica-pau-cutiá e cochi-de-garganta-branca.
ALT {field 5}
  • Nome popular: Arapaçu-de-garganta-branca
  • Nome inglês: White-throated Woodcreeper
  • Nome científico: Xiphocolaptes albicollis
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Habitat: É o maior dendrocolaptídeo do sudeste do Brasil, ocorrendo desde a Bahia e Minas Gerais ao Rio Grande do Sul, além do Paraguai e Argentina.
  • Alimentação: Alimenta-se de grandes insetos, pequenos vertebrados, caramujos arborícolas e rouba ovos de aves que nidificam em cavidades nas árvores.
  • Reprodução: Reproduz-se em ocos naturais de arvores e em buracos feitos por pica-paus. Poe de 2 a 4 ovos brancos.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-de-garganta-branca {field 5}
Características:

Tamanho 29 cm. Bico negro brilhante, um tanto longo e curvo, apresenta gargante branca pura e ausência de estriação creme nas costas.

Possui três subespécies reconhecidas:
  • Xiphocolaptes albicollis albicollis (Vieillot, 1818) – ocorre do sudeste e sul do Brasil até o leste do Paraguai e no nordeste da Argentina;
  • Xiphocolaptes albicollis bahiae (Cory, 1919) – ocorre no leste do estado da Bahia no Brasil;
  • Xiphocolaptes albicollis villanovae (Lima, 1920) – conhecido apenas na região da localidade tipo de Vila Nova no sudoeste do estado da Bahia, no Brasil.

(IOC World Bird List 2017; Aves Brasil CBRO 2015).

Arapaçu-de-garganta-branca {field 5}
Comentários:

Ocorre na Mata Atlântica, mata mesófilas e matas de galeria até 2000 m de altitude, na mata ocorre em todos os estratos, geralmente a pouca altura. Segue regularmente bandos mistos e formigas-correição, forrageando em todos os estratos como espécie dominante sobre outros arapaçus.

Arapaçu-de-garganta-branca {field 5}
Referências & Bibliografia:

Arapaçu-de-bico-torto -(Campylorhamphus falcularius)

O arapaçu-de-bico-torto Campylorhamphus falcularius é uma espécie de ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre na Argentina, Brasil e Paraguai.

Arapaçu-de-bico-torto {field 18}
  • Nome popular: Arapaçu-de-bico-torto
  • Nome inglês: Black-billed Scythebill
  • Nome científico: Campylorhamphus falcularius
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil desde o sul da Bahia até o Rio Grande do Sul. Encontrado também na Argentina e Paraguai.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e pequenos anfíbios.
  • Reprodução: Constrói o ninho em ocos de árvores não sendo capazes de, por si próprios, escavarem tais abrigos. Põe geralmente dois ovos branco-puro com pouco brilho, preparando um colchão de pedaços de casca ou de folhas secas. O casal de reveza ( ou não ) na incubação e criação dos filhotes.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-de-bico-torto {field 18}

Características:

Mede em média 24 centímetros de comprimento, e tem uma cor mais amarronzada, que apresenta tons mais escuros na cauda, e mais claros na região da cabeça; sendo o peito mais esbranquiçado. Contudo, o que realmente chama a atenção nessa espécie é o seu bico, de cor preta, extremamente curvo e longo, com cerca de 6 centímetros; que é utilizado como uma pinça para coletar suas presas.

Arapaçu-de-bico-torto {field 20}

Comentários:

Frequenta florestas subtropicais ou tropicais úmidas de baixa altitude e regiões subtropicais ou tropicais úmidas de alta altitude. Esta espécie de Arapaçu distingue-se das outras por ter o bico preto e não avermelhado, que chega a medir 6 cm.

Arapaçu-de-bico-torto {field 20}

Referências & Bibliografia:

Arapaçu-de-cerrado – (Lepidocolaptes angustirostris)

O Arapaçu-de-cerrado Lepidocolaptes angustirostris é uma espécie de ave da Família Dendrocolaptidae. Pode ser encontrada na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai, Suriname e Uruguai. Habita florestas secas tropicais ou subtropicais e savanas áridas.

Arapaçu-de-cerrado Foto – Afonso de Bragança
  • Nome popular: Arapaçu-de-cerrado
  • Nome inglês: Narrow-billed Woodcreeper
  • Nome científico: Lepidocolaptes angustirostris
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Subfamília: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Podemos encontrá-lo nas savanas do Suriname, Uruguai, Argentina, Paraguai e Bolívia. No Brasil pode ser encontrado em quase todo o território com exceção da região Amazônica.
  • Alimentação: Encontra seu alimento com a ajuda do seu bico enquanto fuça nos troncos e galhos, em bromélias, em postes de madeira e em mourões de cerca. Come principalmente insetos, como formigas, besouros e lagartas de borboletas, além de aranhas, escorpiões, moscas, pererecas, girinos e lagartixas.
  • Reprodução: Nidifica em árvores velhas, usando em geral ocos abandonados por pica-paus. Reveste a cavidade com folhas e cascas de árvores, e aí põe em geral dois ovos. ESPÉCIE SEM DIMORFISMO SEXUAL
  • Estado de conservação: Pouco preocupante.
Arapaçu-de-cerrado Foto – Afonso de Bragança

Características:

Mede em média de 20 cm de comprimento. É inconfundível pelo branco muito vivo da faixa supra-ocular e das partes inferiores.

São reconhecidas oito subespécies:

  • Lepidocolaptes angustirostris griseiceps (Mees, 1974);
  • Lepidocolaptes angustirostris coronatus (Lesson, 1830);
  • Lepidocolaptes angustirostris bahiae (Hellmayr, 1903);
  • Lepidocolaptes angustirostris bivittatus (M. H. K. Lichtenstein, 1822);
  • Lepidocolaptes angustirostris hellmayri (Naumburg, 1925);
  • Lepidocolaptes angustirostris certhiolus (Todd, 1913);
  • Lepidocolaptes angustirostris angustirostris (Vieillot, 1818);
  • Lepidocolaptes angustirostris praedatus (Cherrie, 1916).

Fonte: Handbook of the Birds Of the World, 40

Arapaçu-de-cerrado Foto – Afonso de Bragança

Comentários:

Frequenta o cerrado, na caatinga e em lugares abertos, com árvores esparsas. Tem o hábito de subir pelos troncos das árvores, agarrado pelos pés, enquanto enfia o bico em fendas e por baixo das cascas; chegando numa certa altura, voa para baixo e pousa na base de outra árvore, recomeçando a escalar. Vive sozinho ou em casais. Arborícola, movimenta-se com frequência sob galhos horizontais. Do alto deixa-se cair, de asas e cauda abertas, para recomeçar a subida, ou dirige-se, da copa, em vôo rápido para árvore mais distante. Voa silenciosamente. Revela seu nervosismo sacudindo as asas, quando ameaçado esconde-se por detrás dos troncos com as asas entreabertas

Arapaçu-de-cerrado Foto – Afonso de Bragança

Referências & Bibliografia:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • Wikiaves – disponível em: https://www.wikiaves.com.br/wiki/arapacu-de-cerrado Acesso em 08 Setembro de 2010.
  • Wikipédia – disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Arapa%C3%A7u-de-cerrado Acesso em 14 de Outubro de 2010.

Arapaçu-escamoso – (Lepidocolaptes squamatus)

O arapaçu-escamado Lepidocolaptes squamatus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre nas regiões Nordeste e Sudeste do Brasil. Espécie Endêmica

Arapaçu-escamoso Foto – Afonso de Bragança
  • Nome popular: Arapaçu-escamado
  • Nome inglês: Scaled Woodcreeper
  • Nome científico: Lepidocolaptes squamatus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Subfamília: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre nas regiões Nordeste e Sudeste do Brasil. Espécie Endêmica.
  • Alimentação: Alimentam-se basicamente de insetos, larvas e besouros, caçados escalando arvores procurando embaixo da casca e em fissuras.
  • Reprodução: Constrói o ninho em buracos de arvores que podem ser naturais ou até mesmo escavados por pica-paus. ESPÉCIE SEM DIMORFISMO SEXUAL
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-escamoso Foto – Afonso de Bragança

Características:

Mede em torno de 19 cm de comprimento. Assemelha-se ao arapaçu-escamado-do-sul mas apresenta cabeça mais clara e menos rajada.

Arapaçu-escamoso Foto – Afonso de Bragança

Comentários:

Frequenta matas úmidas, caatingas arbóreas, matas secas e florestas de galeria. Solitário ou aos pares, acompanha bandos mistos e aparentemente não segue correições.

Arapaçu-escamoso Foto – Claudio Lopes

Referências & Bibliografia:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • Wikiaves – disponível em: https://www.wikiaves.com.br/wiki/arapacu-escamoso Acesso em 18 Março de 2010.
  • Wikipédia – disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Arapa%C3%A7u-escamado Acesso em 31 de Outubro de 2010.

Arapaçu-liso – (Dendrocincla turdina)

O arapaçu-liso Dendrocincla turdina é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Argentina e Paraguai.

Arapaçu-liso {field 18}
  • Nome popular: Arapaçu-liso
  • Nome inglês: Plain-winged Woodcreeper
  • Nome científico: Dendrocincla turdina
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Sittasominae
  • Habitat: Ocorre no Brasil da Bahia até ao Rio grande do Sul. Encontrado também na Argentina e Paraguai.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de artrópodes. Pode, eventualmente, capturar outros tipos de presas. A espécie é frequentemente encontrada seguindo formigas-correição, especialmente da espécie Eciton burchelli ou, com menos frequência, Labidus praedator. Nestas correições podem-se encontrar diversos indivíduos da mesma espécie, pousados a baixa ou meia altura, capturando as presas do sub-bosque afugentadas pelas formigas. São letárgicos e podem permanecer no mesmo local observando o solo em busca de uma presa, a qual captura com um voo rápido. Pode pousar no solo ou em galhos horizontais por alguns segundos. Também segue bandos mistos, em uma provável adaptação à relativa ausência de movimentação de formigas-correição em dias frios.
  • Reprodução: Constrói o ninho em ocos de árvore. Tem em média 2 ovos brancos por ninhada. Os filhotes são tratados por apenas um adulto, possivelmente a fêmea.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-liso {field 18}

Características:

Mede em média 20 cm de comprimrnto. Tem tamanho médio, com bico curto. Ao contrário de muitos arapaçus, a plumagem do corpo é basicamente uniforme, cor marrom-oliváceo, sem estrias claras ou pintinhas. A cauda possui tom ferrugem suave. As fêmeas costumam ser menores que os machos.

Arapaçu-liso {field 18}

Comentários:

Frequenta o interior de florestas úmidas primárias e secundárias altas. Quando segue formigas pode também se aventurar nas bordas e clareiras. Também é encontrado em matas de galeria em cerrado, desde que com alguma conexão com matas úmidas extensas. Mais comum em altitudes mais baixas, mas pode ser encontrado até 1 200 m.

Arapaçu-liso {field 20}

Referências & Bibliografia:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • Wikiaves – disponível em: https://www.wikiaves.com.br/wiki/arapacu-liso Acesso em 28 Março de 2010.
  • Wikipédia – disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Plain-winged_woodcreeper Acesso em 13 de Agosto de 2010.

Arapaçu-rajado – (Xiphorhynchus fuscus)

O arapaçu-rajado é uma ave da família Dendrocolaptidae. Podemos encontrá-los em parte do Brasil, Paraguai e Argentina, em matas muito degradadas ou secundárias novas.

Arapaçu-rajado Foto – Afonso de Bragança
  • Nome popular: Arapaçu-rajado
  • Nome inglês: Lesser Woodcreeper
  • Nome científico: Xiphorhynchus fuscus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Subfamília: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Podemos encontrá-los na região Leste do Brasil do Nordeste ao Sul, incluindo pequena parte do Centro-Oeste. Também ocorre no Paraguai e pequena área de Argentina.
  • Alimentação: Alimenta-se de artrópodes em geral: lacraias, centopéias, moscas, aranhas, e até escorpiões. Utiliza o bico como uma pinça, arrancando lascas de liquens e cascas das árvores buscando artrópodes escondidos. Essa técnica de alimentação é chamada “espaçar”.
  • Reprodução: Faz o ninho em troncos ocos de árvores em estado adiantado de decomposição, ou utiliza ocos de pica-paus. Põe em média 2 ovos brancos, O casal pode se revezar no cuidado dos filhotes.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante.
Arapaçu-rajado Foto – Afonso de Bragança

Características:

Mede 17 cm de comprimento.Possui a parte superior do corpo marrom, cauda marrom avermelhada, e a lateral da cabeça tem coloração creme. Nessa espécie de Arapaçu há manchas em forma de gota (pintalgadas) no peito e cabeça.

Possui três subespécies reconhecidas:

  • Xiphorhynchus fuscus fuscus (Vieillot, 1818) – ocorre do sudeste do Brasil, do sul do estado de Goiás, leste de Minas Gerais e no Espírito Santo (rio Doce) até o Rio Grande do Sul; Paraguai e no nordeste da Argentina, na província de Misiones.
  • Xiphorhynchus fuscus pintoi (Longmore & Silveira, 2005) – ocorre no Brasil, na região árida do oeste da Bahia.
  • Xiphorhynchus fuscus tenuirostris (M. H. C. Lichtenstein, 1820) – ocorre na região costeira do leste do Brasil, desde a região central da Bahia até o rio Doce no Espírito Santo.

(Aves Brasil CBRO 2015).

Arapaçu-rajado Foto – Afonso de Bragança

Comentários:

Uma característica marcante que diferencia esta espécie de outros arapaçus são as manchas em forma de gota no peito e cabeça. Já o que diferencia os arapaçus de outras aves é o hábito de alimentarem-se de insetos e outros artrópodes em troncos de árvores assumindo uma posição vertical, o que leva muitos leigos a confundi-los com os pica-paus. Está havendo um declínio populacional e extinção local em florestas alteradas devido à perda de locais adequados para construção de seus ninhos. Esta espécie não habita áreas abertas, nem matas muito degradadas ou secundárias novas e, apesar de não ser uma ave globalmente ameaçada, é considerada como possuindo sensibilidade média à alteração de habitat.

Arapaçu-rajado Foto – Flavio Pereira

Referências & Bibliografia:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • Wikiaves – disponível em: https://www.wikiaves.com.br/wiki/arapacu-rajado Acesso em 08 Setembro de 2010.
  • Wikipédia – disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Lesser_woodcreeper Acesso em 14 de Outubro de 2010.

Arapaçu-beija-flor – (Campylorhamphus trochilirostris)

O arapaçu-beija-flor Campylorhamphus trochilirostris é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai e Argentina.

Arapaçu-beija-flor {field 11}
  • Nome popular: Arapaçu-beija-flor
  • Nome inglês: Red-billed Scythebill
  • Nome científico: Campylorhamphus trochilirostris
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre nos estados de Roraima, Pará, Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Goiás, DF, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas, Pernambuco, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná. Também está presente na Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai e Argentina.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e outros artrópodes que captura sob a casca das árvores, no meio de bromélias e cavidades nos troncos, que perscruta com seu bico curvado e comprido.
  • Reprodução: Reproduz-se em buracos naturais de arvores mortas, e em buracos de pica paus, forra o ninho com lascas de casca de árvores e folhas secas. Põe em média dois ovos de cor branca, a incubação dura aproximadamente 15 dias. Os filhotes nascem com penugem de cor preta, que permanece até completar 2 semanas. Os olhos abrem entre a segunda e terceira semana, e nesta última o corpo já está recoberto por penas. Por volta de 22 a 24 dias os filhotes deixam o ninho.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-beija-flor {field 23}

Características:

Mede em média entre 22 e 28 cm de comprimento. Espécie de mais vasta distribuição em seu gênero, pode ser sintópico com o arapaçu-de-bico-curvo na Amazônia, da qual difere pelos tons mais claros da plumagem, porém de difícil separação em campo. Ocorrem inúmeras subespécies com distintos padrões de coloração.

Apresenta 7 subespécies com ocorrência no Brasil:

  • Campylorhamphus trochilirostris trochilirostris: – ocorre na região costeira do Brasil, entre Pernambuco e Bahia.
  • Campylorhamphus trochilirostris napensis – ocorre no extremo W da Amazônia brasileira, E do Peru e E do Equador.
  • Campylorhamphus trochilirostris notabilis – ocorre no W da Amazônia brasileira ao sul do rio Amazonas, entre os rios Purus e Madeira.
  • Campylorhamphus trochilirostris snethlageae – ocorre na Amazônia central entre os rios Madeira e Tapajós.
  • Campylorhamphus trochilirostris major – ocorre no interior do leste e centro oeste do Brasil, entre o Piauí e até o Paraná.
  • Campylorhamphus trochilirostris devius – ocorre no SW da Amazônia, no norte da Bolívia e região adjacente no Acre e Rondônia.
  • Campylorhamphus trochilirostris lafresnayanus – ocorre no SW do Brasil (MT) E da Bolívia e W do Paraguai.
Arapaçu-beija-flor {field 19}

Comentários:

Frequenta o estrato médio no alto de matas de galeria, no cerrado e no cerradão. Também são encontrados em caatingas arbóreas, buritizais e bacurizais no Pantanal. Na Amazônia, frequentam florestas de várzea e de igapó, principalmente as soqueiras densas de bambu, ao contrário do arapaçu-de-bico-curvo, que prefere matas de terra firme. Vive solitário ou raramente aos pares.

Arapaçu-beija-flor {field 19}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-de-listras-brancas-do-leste – (Lepidocolaptes layardi)

O arapaçu-de-listras-brancas-do-leste Lepidocolaptes layardi é uma ave da família Dendrocolaptidae Ocorre no Brasil, nos estados do Pará, Mato Grosso, Maranhão e Tocantins.

Arapaçu-de-listras-brancas-do-leste {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-de-listras-brancas-do-leste
  • Nome inglês: Layard’s Woodcreeper
  • Nome científico: Lepidocolaptes layardi
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre ao sul do rio Amazonas, no lado leste do rio Tapajós nos estados do Pará, Mato Grosso, Maranhão e Tocantins.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e outros artrópodes. Forrageia agarrando ao longo troncos de árvores e ramos procurando alimento.
  • Reprodução: Reproduz-se em buracos de arvores mortas.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-de-listras-brancas-do-leste {field 11}

Características:

Tem a cabeça com cor castanho escuro com estrias curtas e acastanhadas na testa e nos lores. A plumagem da nuca e parte superior das costas, cauda e asas são marrom acastanhado. Primárias, secundárias e coberteiras da asa de coloração castanho acinzentado. Manto inferior e uropígio castanhos claros. Retrizes castanhas da mesma coloração das asas. Garganta de coloração oliva escuro. Parte inferior da garganta e peito são marrons com estrias claras brilhantes em forma de seta com bordas pretas contrastantes. A parte superior do ventre é marrom com raias na cor bege pálido. Parte inferior do ventre mais pálido do que a parte superior e coberta com raias de cor bege claro que variam em comprimento. A íris é marrom escura. Maxila acinzentada com uma base marrom escuro; a mandíbula acinzentada.

Arapaçu-de-listras-brancas-do-leste {field 23}

Comentários:

Frequenta o dossel de florestas primárias de terra firme, muitas vezes ao longo da borda da floresta, quase exclusivamente em associação com bandos mistos de espécies do dossel, às vezes aventura-se em floresta de várzea inundada. Normalmente forrageia agarrando ao longo troncos de árvores e ramos, de onde eles capturam os artrópodes na superfície da casca, fendas, ou mesmo debaixo da casca dos troncos.

Arapaçu-de-listras-brancas-do-leste {field 19}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-de-listras-brancas – (Lepidocolaptes albolineatus)

O arapaçu-de-listras-brancas Lepidocolaptes albolineatus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Guianas e Venezuela.

Arapaçu-de-listras-brancas {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-de-listras-brancas
  • Nome inglês: Guianan Woodcreeper
  • Nome científico: Lepidocolaptes albolineatus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre ao norte do rio Amazonas e a leste dos rios Negro e Branco nos estados do Amazonas, Pará, Roraima e Amapá. Encontrado também nas Guianas e Venezuela.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e outros artrópodes, que captura nos troncos e nas cascas das árvores.
  • Reprodução: Reproduz-se em buracos de arvores mortas.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-de-listras-brancas {field 11}

Características:

Mede em média 19 cm de comprimento. A principal característica que o distingue de outros arapaçus é a cabeça pontilhada, mais acentuadamente em certas subespécies que em outras, em contraste com as partes inferiores estriadas de desenhos característicos brancos contornados de preto. Bico fino e comprido pouco curvado para baixo.

Arapaçu-de-listras-brancas {field 23}

Comentários:

Frequenta o estrato médio e as proximidades da copa de florestas úmidas de terra firme, onde é incomum. Vive afastado de membros de sua espécie, juntando-se com freqüência a outras espécies em bandos mistos de copa. Difícil de ser observado, pelo fato de permanecer bastante alto.

Arapaçu-de-listras-brancas {field 19}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-escamoso-do-sul – (Lepidocolaptes falcinellus)

O arapaçu-escamoso-do-sul Lepidocolaptes falcinellus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Argentina e Paraguai.

Arapaçu-escamoso-do-sul {field 23}
  • Nome popular: Arapaçu-escamoso-do-sul
  • Nome inglês: Scalloped Woodcreeper
  • Nome científico: Lepidocolaptes falcinellus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre na região Sul e Sudeste. Nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Encontrado também no na Argentina e Paraguai.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas, aracnídeos e pequenos anfíbios. Escala troncos e galhos á procura de alimento.
  • Reprodução: Reproduz-se em ocos de árvores. Macho e fêmea realizam cuidados e alimentação dos filhotes. ESPÉCIE SEM DIMORFISMO SEXUAL
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-escamoso-do-sul {field 20}

Características:

Mede em média entre 17 e 20 cm de comprimento e pesa entre 26 e 30 gramas. Tem coloração geral marrom ferrugíneo no dorso e asas, cabeça e ventre barrados de marrom com branco e garganta esbranquiçada. Ponta da cauda endurecida e envergada para dentro. Tem o alto da cabeça e nuca escuro a negro, com pintas branco sujo, que vão se transformando em listras até o alto das costas. As listras da cabeça e partes inferiores são de branco sujo a cor de couro.

Arapaçu-escamoso-do-sul {field 11}

Comentários:

Frequenta matas de araucária, matas mesófilas e na Mata Atlântica até 2 000 m de altitude.

Arapaçu-escamoso-do-sul {field 25}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-ferrugem – (Dendroplex kienerii)

O arapaçu-ferrugem Dendroplex kienerii é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Colômbia, Equador e Peru.

Arapaçu-ferrugem {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-ferrugem
  • Nome inglês: Zimmer’s Woodcreeper
  • Nome científico: Dendroplex kienerii
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil nos estados do Amazonas, Pará e Roraima. Encontrado também na Colômbia, Equador e Peru.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e outros artrópodes. Escala troncos e ramos em busca de alimento.
  • Reprodução: Reproduz-se em buracos de arvores mortas.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-ferrugem {field 11}

Características:

Mede em média de 21 cm de comprimento. Tem a coloração geral marrom ferrugem, os pés possuindo tom mais acinzentado. As asas são de cor cobre, assim como a sua cauda. Parte do peito é pintado de branco contornado de preto. A outra parte do peito junto com o ventre é castanho pálido, a cabeça é cinza acastanhada com muitos “pontos” brancos contornados de preto.

Arapaçu-ferrugem {field 25}

Comentários:

Frequenta as áreas alagadas da Amazônia, como várzeas e florestas de igapó, ocupando os níveis médios e inferiores da mata.

Arapaçu-ferrugem {field 19}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-de-bico-branco – (Dendroplex picus)

O arapaçu-de-bico-branco Dendroplex picus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Conhecido também como arapaçu-de-bico-reto.

Arapaçu-de-bico-branco {field 25}
  • Nome popular: Arapaçu-de-bico-branco
  • Nome inglês: Straight-billed Woodcreeper
  • Nome científico: Dendroplex picus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre em toda a Amazônia brasileira, na Região Nordeste, e ainda nos estados de Mato Grosso do Sul, Goiás e Espírito Santo. Encontrado também no Panamá, Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos e outros invertebrados pequenos. Acompanha regularmente bandos mistos de aves insetívoras, geralmente no sub-bosque e no estrato médio. Escala troncos e ramos horizontais em busca de alimento.
  • Reprodução: Reproduz-se em cavidades de árvores. Põe em média de 2 a 3 ovos brancos por ninhada, incubados por 16 dias, os filhotes permanecem no ninho por aproximadamente 15 dias até voarem.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-de-bico-branco {field 25}

Características:

Mede em média 21 cm de comprimento. Coloração geral marrom avermelhada, As suas asas são de cor cobre, assim como a sua cauda. Parte do peito é pintado de branco contornado de preto. A outra parte do peito junto com o ventre é castanho pálido, a cabeça é cinza acastanhada com muitos “pontos” brancos contornados de preto.

Arapaçu-de-bico-branco {field 25}

Comentários:

Frequenta florestas de várzea, manguezais, igapós (florestas inundadas), buritizais, bordas de florestas e capoeiras jovens. Vive na mata baixa, que fica de frente para rios e lagoas. Pode ser encontrado solitário ou aos pares.

Arapaçu-de-bico-branco {field 25}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-de-lafresnaye – (Xiphorhynchus guttatoides)

O arapaçu-de-lafresnaye Xiphorhynchus guttatoides é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.

Arapaçu-de-lafresnaye {field 23}
  • Nome popular: Arapaçu-de-lafresnaye
  • Nome inglês: Lafresnaye’s Woodcreeper
  • Nome científico: Xiphorhynchus guttatoides
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre em quase toda a Amazônia, chegando até o Centro Oeste e uma parte do Nordeste. Encontrado também nos países vizinhos da Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e outros artrópodes, eventualmente também come pequenos vertebrados.
  • Reprodução: Reproduz-se em ocos de arvores mortas. Período de reprodução ocorre em fevereiro no sul da Amazônia; no início de outubro no norte da Bolívia. A época de reprodução vai até o final de setembro e início novembro no sudeste do Peru.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-de-lafresnaye {field 23}

Características:

Mede em média entre 26 e 29 cm de comprimento e pesa entre 45 e 69 gramas. A cor geral da plumagem é acastanhada com o dorso marrom apresentando estrias esparsas. A cabeça é amplamente estriada e apresenta a garganta clara, sem estrias. Os olhos são grandes e escuros circundados por um anel periocular claro. A cauda é castanha. A porção inferior da ave é de coloração canela, sendo o peito amplamente estriado e o ventre com menos estrias. O bico é longo, estreito, claro e ligeiramente curvo. Tarsos e pés cinza azulados. Existe uma característica diferente nas subespécies do grupo guttatus e guttatoides que é uma área escura entre o olho e o bico. A maxila também possui uma área escura que vai até a metade do bico.

Possui quatro subespécies reconhecidas:

  • Xiphorhynchus guttatoides guttatoides (Lafresnaye, 1850) – ocorre no oeste da Amazônia tanto ao sul quanto ao norte do rio Amazonas, desde o sudeste da Colômbia, sul da Venezuela e leste do Equador, Peru e noroeste do Brasil a oeste do rio Negro e rio Madeira até o norte do estado de Mato Grosso.
  • Xiphorhynchus guttatoides dorbignyanus (Pucheran & Lafresnaye, 1850) – ocorre na América do Sul, ao sul da bacia do rio Amazonas, desde o norte da Bolívia até a região central do Brasil no estado de Goiás.
  • Xiphorhynchus guttatoides vicinalis (Todd, 1948) – ocorre na Amazônia brasileira ao sul do rio Amazonas, desde o rio Madeira até o rio Tapajós (onde possivelmente ocorre nas duas margens).
  • Xiphorhynchus guttatoides eytoni (P. L. Sclater, 1854) – ocorre no sudeste da Amazônia brasileira deste o rio Tapajós até o estado do Ceará na serra do Baturité.

(IOC World Bird List 2017; Aves Brasil CBRO 2015).

Arapaçu-de-lafresnaye {field 23}

Comentários:

Frequenta floresta de terra firme, floresta de várzea, igapós, orlas de mata, matas secundárias, matas de galeria, onde procura alimentos em vários níveis, desde o sub-dossel até próximo ao chão.

Arapaçu-de-lafresnaye {field 11}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.
  • Piacentini et al. (2015). Annotated checklist of the birds of Brazil by the Brazilian Ornithological Records Committee / Lista comentada das aves do Brasil pelo Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. Revista Brasileira de Ornitologia, 23(2): 91–298.

Referências

Arapaçu-do-campo – (Xiphocolaptes major)

O arapaçu-do-campo Xiphocolaptes major é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Bolívia, Paraguai e Argentina.

Arapaçu-do-campo {field 23}
  • Nome popular: Arapaçu-do-campo
  • Nome inglês: Great Rufous Woodcreeper
  • Nome científico: Xiphocolaptes major
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil, nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Encontrado também na Bolívia, Paraguai e Argentina.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e outros artrópodes, mas também come pequenos vertebrados como anfíbios e répteis, bem como ovos e filhotes de outras aves, há registros de morcegos em sua dieta.
  • Reprodução: Reproduz-se em buracos naturais de arvores mortas e palmeiras, faz um ninho rústico forrado com uma camada fina com poucas folhas secas. Põe em média 3 ovos brancos por ninhada.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-do-campo {field 23}

Características:

Mede em média entre 28 e 30 cm de comprimento e pesa entre 120 e 162 gramas. Tem coloração geral ferrugínea. O bico longo, pesado e um pouco curvo, cinzento ou cor de chifre. Ferrugem intenso por cima, cabeça mais clara e mais amarronzada, loros enegrecidos. Por baixo, ferrugíneo mais claro. Em alguns indivíduos, leve estriado no peito e barrado escuro na barriga. Destaca-se pelo grande porte

Possui quatro subespécies reconhecidas:

  • Xiphocolaptes major major (Vieillot, 1818) – ocorre no Paraguai e no norte da Argentina.
  • Xiphocolaptes major remoratus (Pinto, 1945) – ocorre no Brasil, no sudoeste do estado de Mato Grosso;
  • Xiphocolaptes major castaneus (Ridgway, 1890) – ocorre do sudoeste do Brasil (Mato Grosso do Sul) até a Bolívia e noroeste da Argentina, nas províncias de Jujuy e Salta.
  • Xiphocolaptes major estebani (Cardoso da Silva, Novaes & Oren, 1991) – ocorre no noroeste da Argentina, na província de Tucumán.

(IOC World Bird List 2018; Aves Brasil CBRO 2015).

Arapaçu-do-campo {field 23}

Comentários:

Frequenta cerradões e mata de galeria, às vezes sobre árvores em áreas abertas nos arredores. Ocorre no Pantanal. É chamativo, mas nunca é numeroso, e tem territórios muito extensos, de modo que não é encontrado com frequência. Em geral solitário ou aos pares.

Arapaçu-do-campo {field 12}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-assobiador – (Xiphorhynchus pardalotus)

O arapaçu-assobiador Xiphorhynchus pardalotus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Venezuela e Guianas.

Arapaçu-assobiador {field 25}
  • Nome popular: Arapaçu-assobiador
  • Nome inglês: Chestnut-rumped Woodcreeper
  • Nome científico: Xiphorhynchus pardalotus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil, ao norte do rio Amazonas e a leste do Rio Negro nos estados do Amazonas, Roraima, Pará e Amapá. Encontrado também na Venezuela e Guianas.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos larvas e outros artrópodes, caçados escalando arvores e removendo casca velha.
  • Reprodução: Reproduz-se em buracos naturais de arvores mortas, e em buracos de pica-paus. Põe em média 2 ou 3 ovos por ninhada.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-assobiador {field 25}

Características:

Tem o corpo com coloração geral marrom avermelhada, com o vermelho mais acentuado na cauda e asas, a garganta, o píleo e nuca acinzentados com estrias brancas. Patas e bico cinza escuro.

Arapaçu-assobiador {field 25}

Comentários:

Frequenta matas de terra firme, florestas primárias e secundárias, ambientes bem arborizados.

Arapaçu-assobiador {field 20}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-riscado – (Xiphorhynchus obsoletus)

O arapaçu-riscado Xiphorhynchus obsoletus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.

Arapaçu-riscado {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-riscado
  • Nome inglês: Striped Woodcreeper
  • Nome científico: Xiphorhynchus obsoletus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre em toda a Amazônia brasileira, nos estados do Amazonas, Pará, Acre, Rondônia, Roraima, Tocantins, Maranhão, Amapá e Mato Grosso. Encontrado também nas Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e outros artrópodes. Escala troncos e ramos horizontais em busca de insetos e outros invertebrados pequenos.
  • Reprodução: Reproduz-se em buracos naturais de arvoes, e até em buracos feitos pelos pica-paus.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-riscado {field 11}

Características:

Mede em média entre 18 e 20 cm de comprimento e pesa entre 24 e 37 gramas. Tem o bico fino, claro, pouco curvado, pontudo e quase do tamanho da sua cabeça. Os olhos são escuros. A coloração geral do corpo é castanha. Sua cabeça é de cor cinza e bastante estriada com manchas claras e sua garganta é branco amarelada. O peito e manto também são estriados, sendo que o dorso castanho apresenta finas e elegantes estrias brancas. Asas, uropígio e cauda são castanhos.

Possui quatro subespécies:

  • Xiphorhynchus obsoletus obsoletus (Lichtenstein, 1820) – ocorre no Leste da Amazônia, do Leste da Venezuela até as the Guianas e Norte do Brasil;
  • Xiphorhynchus obsoletus palliatus (Des Murs, 1856) – ocorre no Oeste da Amazônia, do Sudeste da Colômbia até o Nordeste da Bolívia e no Oeste da Amazônia brasileira;
  • Xiphorhynchus obsoletus notatus (Eyton, 1852) – ocorre no Leste da Colômbia até o Sul da Venezuela e na regiã adjacente do Noroeste do Brasil;
  • Xiphorhynchus obsoletus caicarae (Zimmer & W. H. Phelps, 1955) – ocorre na região central da Venezuela, na porção central do vale do Rio Orinoco.

(Clements checklist, 2014).

Arapaçu-riscado {field 23}

Comentários:

Frequenta os níveis baixo e médio das floretas de várzea de de igapó, tanto no interior como nas bordas, freqüentemente às margens de lagos e igarapés. Vive solitário ou aos pares, acompanhando regularmente bandos mistos.

Arapaçu-riscado {field 12}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-de-bico-vermelho – (Hylexetastes perrotii)

O arapaçu-de-bico-vermelho Hylexetastes perrotii é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Guianas e Venezuela.

Arapaçu-de-bico-vermelho {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-de-bico-vermelho
  • Nome inglês: Red-billed Woodcreeper
  • Nome científico: Hylexetastes perrotii
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre na região amazônica do Brasil, ao norte do Rio Amazonas, a leste dos rios Branco e Negro nos estados do Amazonas, Roraima, Pará e Amapá. Encontrado também nas Guianas e Venezuela.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas, e outros artrópodes. Segue formigas-de-correição, indo até o chão para capturar presas afugentadas.
  • Reprodução: Reproduz-se…
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-de-bico-vermelho {field 11}

Características:

Mede em média 29 cm de comprimento. Tem bico forte e vermelho no adulto, no jovem o bico é marrom escuro. Com o corpo marrom oliváceo sem marcas ou pintas, mais avermelhado nas asas e rabo. Possui uma estria malar escura separando a garganta branca da linha clara logo abaixo dos olhos que são vermelhos. É um Arapaçu grande.

Arapaçu-de-bico-vermelho {field 23}

Comentários:

Frequenta florestas úmidas de terra firme, ou mesmo campinaranas, onde é raro ou incomum. Vive solitário ou aos pares, buscando insetos desde os estratos mais baixos até a copa. Participa de bandos mistos, ocasião em que costuma permanecer bastante alto, sendo difícil observá-lo.

Arapaçu-de-bico-vermelho {field 25}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-de-bico-vermelho – (Hylexetastes perrotii)

O arapaçu-de-bico-vermelho Hylexetastes perrotii é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Guianas e Venezuela.

Arapaçu-de-bico-vermelho {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-de-bico-vermelho
  • Nome inglês: Red-billed Woodcreeper
  • Nome científico: Hylexetastes perrotii
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre na região amazônica do Brasil, ao norte do Rio Amazonas, a leste dos rios Branco e Negro nos estados do Amazonas, Roraima, Pará e Amapá. Encontrado também nas Guianas e Venezuela.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas, e outros artrópodes. Segue formigas-de-correição, indo até o chão para capturar presas afugentadas.
  • Reprodução: Reproduz-se…
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-de-bico-vermelho {field 11}

Características:

Mede em média 29 cm de comprimento. Tem bico forte e vermelho no adulto, no jovem o bico é marrom escuro. Com o corpo marrom oliváceo sem marcas ou pintas, mais avermelhado nas asas e rabo. Possui uma estria malar escura separando a garganta branca da linha clara logo abaixo dos olhos que são vermelhos. É um Arapaçu grande.

Arapaçu-de-bico-vermelho {field 23}

Comentários:

Frequenta florestas úmidas de terra firme, ou mesmo campinaranas, onde é raro ou incomum. Vive solitário ou aos pares, buscando insetos desde os estratos mais baixos até a copa. Participa de bandos mistos, ocasião em que costuma permanecer bastante alto, sendo difícil observá-lo.

Arapaçu-de-bico-vermelho {field 25}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-grande – (Dendrocolaptes platyrostris)

O arapaçu-grande Dendrocolaptes platyrostris é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Paraguai e Argentina.

Arapaçu-grande {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-grande
  • Nome inglês: Planalto Woodcreeper
  • Nome científico: Dendrocolaptes platyrostris
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil, do Piauí ao Rio Grande do Sul, Goiás e Mato Grosso. Encontrado também no Paraguai e norte da Argentina.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de aranhas, escorpiões, moscas, pererecas, girinos e lagartixas. Eventualmente apanha abelhas e formigas-de-correição. Com a ajuda do seu bico, explora fendas na madeira, cascas de árvores e bromélias á procura de alimento.
  • Reprodução: Reproduz-se usando árvores em adiantado estado de decomposição, troncos minados pelo fogo e até ocos de pica-paus. Põe em média 2 ou 3 ovos por ninhada.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-grande {field 20}

Características:

Mede em média entre 25 e 27 cm de comprimento. O macho da espécie pesa entre 55 e 66,5 gramas e a fêmea pesa entre 58 e 69 gramas. Possui faixas transversais na barriga, cauda avermelhada, garganta esbranquiçada, píleo e peito estriados, seu bico é negro de ponta marrom e quase reto.

Possui duas subespécies reconhecidas:

  • Dendrocolaptes platyrostris platyrostris (Spix, 1824) – ocorre no Leste e Sudeste do Brasil até o Leste do Paraguai e Nordeste da Argentina;
  • Dendrocolaptes platyrostris intermedius (Berlepsch, 1883) – ocorre do Nordeste do Brasil, até o Leste do Paraguai.

Aves Brasil CBRO – 2015 (Piacentini et al. 2015); (Clements checklist, 2014).

Arapaçu-grande {field 11}

Comentários:

Frequenta a mata, no cerrado e até em buritizais. Revela seu nervosismo sacudindo as asas, quando ameaçado esconde-se por detrás dos troncos com as asas entreabertas. Após a época reprodutiva, associa-se a bandos mistos de outros pássaros.

Arapaçu-grande {field 11}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-meio-barrado – (Dendrocolaptes picumnus)

O arapaçu-meio-barrado Dendrocolaptes picumnus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre desde a América Central até a Argentina.

Arapaçu-meio-barrado {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-meio-barrado
  • Nome inglês: Black-banded Woodcreeper
  • Nome científico: Dendrocolaptes picumnus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre na amazônia acima do rio Amazonas nos estados do Amazonas, Roraima, Pará e Amapá, ocorrendo ao sul do rio Amazonas apenas na região a oeste do rio Madeira no Amazonas, Acre, Rondônia e Mato Grosso do Sul. Encontrado também na Venezuela, Guianas, Colômbia, Peru, Equador e até o N da Argentina. Ocorre também na América Central.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas, artrópodes e pequenos vertebrados. Segue de formigas de correição.
  • Reprodução: Reproduz-se…
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-meio-barrado {field 23}

Características:

Mede em média entre 24 e 30 cm de comprimento e pesa entre 47 e 98 gramas. Tem o bico de tons mais escuros e com pontinha amarela, em contraste com a cabeça em tons anegrados e com estriações mais claras, apesar da grande variação polimórfica de inúmeras subespécies. A subespécie que ocorre no Pantanal do Mato Grosso, apresenta tons mais claros na plumagem. Tem espinhos na cauda para auxiliar nas escaladas das arvores

Possui nove subespécies:

  • Dendrocolaptes picumnus picumnus (Lichtenstein, 1820) – ocorre na região tropical do Leste da Venezuela até as Guianas e Brasil ao Norte do Rio Amazonas;
  • Dendrocolaptes picumnus costaricensis (Ridgway, 1909) – ocorre no planalto da Costa Rica e na costa do Pacífico do Oeste do Panamá;
  • Dendrocolaptes picumnus multistrigatus (Eyton, 1851) – ocorre na Cordilheira dos Andes da Colômbia e na região Norte e Oeste da Venezuela;
  • Dendrocolaptes picumnus validus (Tschudi, 1844) – ocorre nas planícies e sopés das montanhas do Oeste da Amazônia, ao sul do rio Amazonas (AM, AC, RO);
  • Dendrocolaptes picumnus puncticollis (P. L. Sclater & Salvin, 1868) – ocorre no planalto do Sul do México, do estado de Chiapas até a Guatemala e o Oeste de Honduras;
  • Dendrocolaptes picumnus seilerni (Hartert & Goodson, 1917) – ocorre no Nordeste da Colômbia, na região da Montanha de Santa Marta e nas montanhas costeiras do Norte da Venezuela;
  • Dendrocolaptes picumnus olivaceus (Zimmer, 1934) – ocorre no sopés da Cordilheira dos Andes na Bolívia, nas regiões de La Paz, Cochabamba e Santa Cruz;
  • Dendrocolaptes picumnus casaresi (Steullet & Deautier, 1950) – ocorre nos sopés da Cordilheira dos Andes do Nordeste da Argentina, nas províncias de Jujuy, Salta e Tucumán.
  • Dendrocolaptes picumnus pallescens (Pelzeln, 1868) – ocorre na região do Chaco do leste da Bolívia, no Oeste do Paraguai e no Oeste do Brasil, nos estados do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Esta subespécie apresenta tonalidades mais claras na plumagem.
Arapaçu-meio-barrado {field 19}

Comentários:

Frequenta matas de terra firme e raramente em matas de várzea.

Arapaçu-meio-barrado {field 19}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-barrado-do-xingu – (Dendrocolaptes retentus)

O arapaçu-barrado-do-Xingu Dendrocolaptes retentus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre nos estados do Pará e Tocantins.

Arapaçu-barrado-do-xingu {field 23}
  • Nome popular: Arapaçu-barrado-do-xingu
  • Nome inglês: Xingu Woodcreeper
  • Nome científico: Dendrocolaptes retentus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil, entre os rios Xingu e Tocantins nos estados do Pará e Tocantins.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos e larvas, caçados em troncos verticais, removendo cascas soltas.
  • Reprodução: Reproduz-se…
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-barrado-do-xingu {field 23}

Características:

É um arapaçu relativamente pequeno. Tem coloração geral marrom avermelhada, com o vermelho mais acentuado na cauda e nas asas. Garganta, píleo e nuca, estriados de branco, barriga levemente mais clara.

Arapaçu-barrado-do-xingu {field 11}

Comentários:

Frequenta florestas, matas abertas, compos de cerrado, sempre com presença de arvores.

Arapaçu-barrado-do-xingu {field 19}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-barrado – (Dendrocolaptes certhia)

O arapaçu-barrado Dendrocolaptes certhia é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Colômbia, Venezuela e Guianas.

Arapaçu-barrado {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-barrado
  • Nome inglês: Amazonian Barred Woodcreeper
  • Nome científico: Dendrocolaptes certhia
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre na Amazônia brasileira acima do rio Amazonas, nos estados do Amazonas. Roraima, Pará e Amapá. Encontrado também na Colômbia, Venezuela e Guianas.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e outros artrópodes. Consegue parte de seu alimento junto às formigas-de-correição, capturando insetos que tentam fugir voando, ou outras pequenas presas no chão.
  • Reprodução: Reproduz-se…
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-barrado {field 23}

Características:

Mede em média 28 cm. de comprimento. Tem o bico com cor avermelhada no indivíduo adulto e mais escura sem vermelho no jovem. As penas da cabeça dão uma aparência escamada quando estão deitadas mas frequentemente se apresentam eriçadas. Possui uma estria malar fina e escura e logo acima uma área mais clara, esbranquiçada. As costas possuem finas barras escuras, às vezes difíceis de ver em campo. Partes inferiores finamente barradas. Asas e cauda em tons mais avermelhados que o restante da plumagem.

Arapaçu-barrado {field 25}

Comentários:

Frequenta o sub-bosque e o estrato médio de florestas úmidas de terra firme e de várzea, capoeiras maduras e bordas de florestas.

Arapaçu-barrado {field 25}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-de-bico-comprido – (Nasica longirostris)

O arapaçu-de-bico-comprido Nasica longirostris é uma ave da família Dendrocolaptidae. Conhecido também como arapaçu-bicudo.

Arapaçu-de-bico-comprido {field 25}
  • Nome popular: Arapaçu-de-bico-comprido
  • Nome inglês: Long-billed Woodcreeper
  • Nome científico: Nasica longirostris
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil, nos estados do Amazonas, Pará, Roraima, Amapá, Maranhão, Tocantins, Mato Grosso, Acre e Rondônia. Encontrado também na Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Peru e Venezuela.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, larvas e outros artrópodes. Usa o bico como uma pinça para explorar fendas e cascas de árvores, atrás de alimento. Quando capturam presas maiores e mais perigosas, como escorpiões, costumam bater fortemente contra o tronco até matar a presa, antes de engoli-la. A dieta também podem incluir pequenas lagartixas e pererecas.
  • Reprodução: Reproduz-se construindo os ninhos em cavidades naturais de troncos ou em buracos abandonados de pica-paus.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-de-bico-comprido {field 25}

Características:

Mede em média 35 cm de comprimento. Tem o bico branco marfim, muito longo e quase reto e pescoço longo e fino. A coroa enegrecida com finas estrias ferrugíneo claras, faixa branca estreita atrás do olho castanho ferrugíneo intenso por cima. Garganta bem branca; marrom por baixo, com estrias lanceoladas brancas orladas de preto nos lados do pescoço e do peito.

Arapaçu-de-bico-comprido {field 25}

Comentários:

Frequentam matas de galeria e de várzea; raramente longe d’água. Sozinho ou em casal, com frequência forrageia na macega à beira de lagos, córregos e rios; costuma ser difícil de detectar, exceto pela voz. Em geral não se junta a bandos mistos. Enfia o bico em bromélias e outras epífitas e também em cavidades em árvores. Varia de comum a incomum, a meia altura, logo abaixo do dossel e em bordas da floresta.

Arapaçu-de-bico-comprido {field 20}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-galinha-da-guiana – (Dendrexetastes rufigula)

O arapaçu-galinha-da-guiana Dendrexetastes rufigula é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Venezuela, Guiana, Guiana Francesa e Suriname.

Arapaçu-galinha-da-guiana {field 25}
  • Nome popular: Arapaçu-galinha-da-guiana
  • Nome inglês: Cinnamon-throated Woodcreeper
  • Nome científico: Dendrexetastes rufigula
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre na região amazônica do Brasil, do leste do Rio Negro e Rio Branco e ao norte do Rio Amazonas até o Amapá, passando pelo Amazonas, Roraima e Pará. Encontrado também o leste da Venezuela, Guiana, Guiana Francesa e Suriname.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de besouros, baratas, gafanhotos e outros artrópodes, eventualmente, captura pequenos vertebrados como lagartixas.
  • Reprodução: Reproduz-se em ocos naturais ou telhados de palha durante a estação seca. Põe em média entre 2 e 3 ovos brancos.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-galinha-da-guiana {field 25}

Características:

Mede em média entre 24 e 25 cm de comprimento. Tem plumagem castanho avermelhada, com belo colar de pintas brancas em formato de gotas, ornadas de negro. Íris vermelha e bico grande e robusto de cor clara, no adulto. O jovem tem íris e bico mais escuros.

Arapaçu-galinha-da-guiana {field 25}

Comentários:

Frequenta florestas de terra-firme ou alagadas em vários estágios de sucessão, preferindo, florestas em estágio sucessional mediano, próximas à água. Ocorre também em florestas sobre solos arenosos como campinaranas. Forrageia em material seco, como folhas mortas de palmeiras, no estrato superior da floresta. Aparentemente, o arapaçu-galinha é sensível a alterações ambientais, como a retirada seletiva de madeira.

Arapaçu-galinha-da-guiana {field 20}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-bico-de-cunha – (Glyphorynchus spirurus)

O arapaçu-bico-de-cunha Glyphorynchus spirurus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no México, Panamá, Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e Brasil.

Arapaçu-bico-de-cunha {field 20}
  • Nome popular: Arapaçu-bico-de-cunha
  • Nome inglês: Wedge-billed Woodcreeper
  • Nome científico: Glyphorynchus spirurus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre em toda a Amazônia brasileira e numa região limitada da Mata Atlântica, a qual se estende do sudeste da Bahia ao norte do Espírito Santo. Encontrado também no México, Panamá, Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos e larvas. Caçados principalmente nos troncos das árvores, os quais escala com habilidade, raramente buscando-os em ramos laterais.
  • Reprodução: Reproduz-se construindo o ninho em cavidades de árvores ou tocos a pouca altura. Põe em média 2 ovos por ninhada.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-bico-de-cunha {field 11}

Características:

Mede em média 15cm de comprimento. A característica que o destaca é o bico curto e recurvado para cima. As pontas das penas da cauda são proporcionalmente mais longas que a de outros arapaçus.

Possui treze subespécies reconhecidas:

  • Glyphorynchus spirurus spirurus ((Vieillot, 1819) – ocorre no nordeste da Venezuela, nas Guianas e na região adjacente do norte do Brasil;
  • Glyphorynchus spirurus pectoralis (P. L. Sclater & Salvin, 1860) – ocorre no sul do México, do estado de Vera Cruz até a Costa Rica e oeste do Panamá;
  • Glyphorynchus spirurus pallidulus (Wetmore, 1970) – ocorre no leste do Panamá e na região adjacente do noroeste da Colômbia;
  • Glyphorynchus spirurus subrufescens (Todd, 1948) – ocorre na costa do Oceano Pacifico do sudeste do Panamá até o oeste da Colômbia e no oeste do Equador;
  • Glyphorynchus spirurus integratus (Zimmer, 1946) – ocorre no norte da Colômbia e oeste da Venezuela;
  • Glyphorynchus spirurus rufigularis (Zimmer, 1934) – ocorre da região tropical leste da Colômbia até o sul da Venezuela, nordeste do Equador e noroeste do Brasil;
  • Glyphorynchus spirurus amacurensis (Phelps & W. H. Phelps Jr, 1952) – ocorre no nordeste da Venezuela, na região do delta do rio Amacuro;
  • Glyphorynchus spirurus coronobscurus (Phelps & W. H. Phelps Jr, 1955) – ocorre no sul da Venezuela, na região do Monte da Neblina na fronteira com o norte do Brasil, no estado de Roraima;
  • Glyphorynchus spirurus castelnaudii (Des Murs, 1856) – ocorre na região tropical do leste do Peru e oeste da Amazônia brasileira;
  • Glyphorynchus spirurus albigularis (Chapman, 1923) – ocorre no sudeste do Peru, na região de Puno até o norte da Bolívia, nas regiões de La Paz e Cochabamba;
  • Glyphorynchus spirurus inornatus (Zimmer, 1934) – ocorre no sul da Amazônia brasileira, da região do rio Madeira até o rio Tapajós e sul do estado de Mato Grosso;
  • Glyphorynchus spirurus cuneatus (Lichtenstein, 1820) – ocorre na região costeira leste do Brasil nos estados da Bahia e do Espírito Santo;
  • Glyphorynchus spirurus paraensis (Pinto, 1974) – ocorre no sudeste da Amazônia brasileira, ao sul do rio Amazonas, do rio Tapajós até o norte do estado do Maranhão.
Arapaçu-bico-de-cunha {field 23}

Comentários:

Frequenta o sub-bosque de florestas úmidas de terra firme e de várzea, capoeiras, clareiras e campos com árvores adjacentes. Embora seja pouco observado, é uma das espécies mais frequentes em muitas regiões florestais da Amazônia. Vive solitário, podendo entretanto ser encontrado com frequência em bandos mistos. É bastante agitado, não tendo o hábito de permanecer parado em um mesmo local por períodos muito longos. Apesar de pequeno, costuma procurar comida em troncos grossos, desde os níveis mais baixos até a meia copa das árvores.

Arapaçu-bico-de-cunha {field 25}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-rabudo – (Deconychura longicauda)

O arapaçu-rabudo Deconychura longicauda é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Honduras, Panamá, Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.

Arapaçu-rabudo {field 25}
  • Nome popular: Arapaçu-rabudo
  • Nome inglês: Long-tailed Woodcreeper
  • Nome científico: Deconychura longicauda
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Sittasominae
  • Habitat: Ocorre em toda a Amazônia brasileira. Encontrado também em Honduras, Panamá, Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos e larvas, caçados vasculhando diretamente troncos e ramos horizontais. Não costuma seguir formigas-de-correição.
  • Reprodução: Reproduz-se construindo o ninho em cavidades de troncos, a cerca de 9 m de altura. Põe em média 3 ovos por ninhada.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Arapaçu-rabudo {field 25}

Características:

Mede em média entre 19 e 22 centímetros de comprimento. Tem a plumagem geral marrom avermelhada, a cauda e rêmiges com tom mais acentuado. A garganta píleo e nuca estriados de branco.

Arapaçu-rabudo {field 25}

Comentários:

Frequenta o sub-bosque e o estrato médio de florestas úmidas de terra firme. Vive normalmente sozinho ou em pares, sendo difícil de ser observado. Acompanha regularmente bandos mistos.

Arapaçu-rabudo {field 20}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Arapaçu-platino – (Drymornis bridgesii)

O arapaçu-platino Drymornis bridgesii é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Bolívia, Paraguai, Uruguai e Argentina.

Arapaçu-platino {field 32}
  • Nome popular: Arapaçu-platino
  • Nome inglês: Scimitar-billed Woodcreeper
  • Nome científico: Drymornis bridgesii
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil, no sul e oeste do RS, principalmente nas matas ciliares do município de Uruguaiana e no Parque Estadual do Espinilho. Também ocorre na Bolívia, Paraguai, Uruguai e Argentina.
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de aranhas, centopéias, insetos e larvas de formigas, tanto nas árvores como no solo. Com seu longo bico, vasculha bromélias, cactos e cavidades nas árvores.
  • Reprodução: Reproduz-se em ocos de árvores e às vezes ocupa ninhos abandonados de joão-de-barroFurnarius rufus, vizinho de habitat com frequência.
  • Estado de conservação:

    Ameaçado

Arapaçu-platino {field 32}

Características:

Mede em média entre 29 e 35 cm de comprimento. Esta espécie pode ser facilmente confundida com um pica-pau principalmente quando se apóia verticalmente em cima de um tronco, sobre as fendas das árvores. Mas existem muitas diferenças entre essas aves: com seu bico longo e curvo, não martela na madeira à procura de alimento: usa-o como uma pinça, por entre as frestas mais profundas e estreitas de vegetais. Espécie semiterrícola campestre. Sintópico com o arapaçu-de-cerradoLepidocolaptes angustirostris, apresenta certa analogia com o gênero Nasica na morfologia embora tenha bico curvo e não retilíneo. Quando perturbado, arrepia as penas do píleo e da garganta e em protesto, voa para as árvores buscando proteção aos gritos, como faz o pica-pau-do-campoColaptes campestris. ESPÉCIE SEM DIMORFISMO SEXUAL

Arapaçu-platino {field 32}

Comentários:

Frequentam matas secas e campos com árvores esparsas e arbustos espinhentos próximos a rios. Habita um tipo de campo muito específico, formado por algarrobos, inhanduvás e espinilhos, principalmente. A área de ocorrência desse arapaçu foi pouco a pouco suprimida, cedendo lugar ao cultivo de arroz e às pastagens. O que restou dessa vegetação está no Parque Estadual do Espinilho (oeste do Rio Grande do Sul), que não possui mais de 1650 hectares.

Arapaçu-platino {field 28}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências

Arapaçu-listrado – (Lepidocolaptes souleyetii)

O arapaçu-listrado Lepidocolaptes souleyetii é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, México, Panamá, Equador, Peru, Colômbia, Guiana e Venezuela.

Arapaçu-listrado {field 32}
  • Nome popular: Arapaçu-listrado
  • Nome inglês: Streak-headed Woodcreeper
  • Nome científico: Lepidocolaptes souleyetii
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil, apenas no estado de Roraima.
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de insetos, larvas e outros artrópodes. Forrageia principalmente nos níveis baixo e médio de florestas secundárias de terra firme, muitas vezes ao longo da borda da floresta. Normalmente forrageia agarrando ao longo de troncos de árvores e ramos, de onde eles capturam o alimento na superfície da casca, fendas, ou mesmo debaixo da casca dos troncos.
  • Reprodução: Reproduz-se em em cavidades de árvores, naturais ou escavadas por um pica-pau, e preenche o fundo com lascas de madeira e pedaços de casca de árvore. Os ninhos nas árvores ficam normalmente de 3 a 25 m acima do solo. O tamanho da ninhada é de dois ovos. O período de incubação é de cerca de 15 dias. Ambos os pais incubam a ninhada e cuidam dos filhotes.
  • Estado de conservação:

    Pouco preocupante

Arapaçu-listrado {field 28}

Características:

Mede em média 19 cm de comprimento. Tem bico fino, comprido e ligeiramente curvado para baixo, como outras espécies deste gênero. Partes superiores marrom avermelhadas, com a coroa riscada de bege. Destaca-se uma faixa superciliar branca. Partes inferiores riscadas de bege claro ou branco, contornadas de preto.

Possui sete subespécies reconhecidas:

  • Lepidocolaptes souleyetii souleyetii – ocorre no O do Equador e O do Peru;
  • Lepidocolaptes souleyetii guerrerensis – ocorre no México;
  • Lepidocolaptes souleyetii compressus – ocorre na América Central do S do México ao Panamá;
  • Lepidocolaptes souleyetii lineaticeps – ocorre no L do Panamá, N da Colômbia e O da Venezuela;
  • Lepidocolaptes souleyetii littoralis – ocorre no SE da Venezuela, Guiana e áreas adjacentes no N do Brasil (RR);
  • Lepidocolaptes souleyetii uaireni – ocorre no S da Venezuela ao longo do rio Uairén;
  • Lepidocolaptes souleyetii esmeraldae – ocorre no SO da Colômbia e O do Equador;
Arapaçu-listrado {field 33}

Comentários:

Frequentam matas de galeria ao norte de Boa Vista e nas serras ao norte e nordeste de Roraima, no sopé de florestas montanas. Possui hábitos semelhantes aos de seus congêneres.

Arapaçu-listrado {field 11}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências

Arapaçu-uniforme – (Hylexetastes uniformis)

O arapaçu-uniforme Hylexetastes uniformis é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, e também no norte da Bolívia.

Arapaçu-uniforme {field 32}
  • Nome popular: Arapaçu-uniforme
  • Nome inglês: Uniform Woodcreeper
  • Nome científico: Hylexetastes uniformis
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no centro-sul da Amazônia, abaixo do rio Amazonas e entre os rios Madeira e Xingu (AM, PA, RO, MT). Encontrado também no norte da Bolívia.
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de insetos e outros artrópodes. Segue formigas-de-correição, indo até o chão para capturar presas afugentadas..
  • Reprodução: Reproduz-se..
  • Estado de conservação:

    Pouco preocupante

Arapaçu-uniforme {field 28}

Características:

Mede em média 27 centímetros cde comprimento. Tem o bico forte de coloração vermelho escuro, um pouco mais curto que seu parente H. perroti. Cor predominante marrom algo mais claro em baixo. Asas e cauda mais avermelhados.

Arapaçu-uniforme {field 33}

Comentários:

Frequentam florestas úmidas de terra firme, ou mesmo campinaranas, onde é raro ou incomum. Vive solitário ou aos pares, buscando insetos desde os estratos mais baixos até a copa. Participa de bandos mistos, ocasião em que costuma permanecer bastante alto, sendo difícil observá-lo.

Arapaçu-uniforme {field 20}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências

Arapaçu-rajado-do-nordeste – (Xiphorhynchus atlanticus)

O arapaçu-rajado-do-nordeste Xiphorhynchus atlanticus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Espécie endêmica. Ocorre no Nordeste do Brasil, ao Norte do Ceará e na Paraíba até o Norte de Alagoas.

Arapaçu-rajado-do-nordeste {field 28}
  • Nome popular: Arapaçu-rajado-do-nordeste
  • Nome inglês: Ceara Woodcreeper
  • Nome científico: Xiphorhynchus atlanticus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no Nordeste do Brasil, ao Norte do Ceará e na Paraíba até o Norte de Alagoas.
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de artrópodes em geral: lacraias, centopeias, moscas, aranhas etc. Utiliza o bico como uma pinça, arrancando lascas de liquens e cascas das árvores buscando alimento.
  • Reprodução: Reproduz-se em ocos de árvores em estado adiantado de decomposição, ou utiliza ocos de pica-paus.
  • Estado de conservação:

    Vulnerável

Arapaçu-rajado-do-nordeste {field 28}

Características:

Mede em média entre 15 e 18,5 centímetros de comprimento. Tem cor predominante o marrom, asas e cauda marrom avermelhado, cabeça e pescoço rajados de branco, e papo branco.

Arapaçu-rajado-do-nordeste {field 33}

Comentários:

Frequentam as florestas úmidas, primárias e secundárias, incluindo brejos de altitude. Já foi registrado a pelo menos 600 m de altitude no Ceará.

Arapaçu-rajado-do-nordeste {field 32}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências

Arapaçu-de-garganta-amarela – (Xiphorhynchus guttatus)

O arapaçu-de-garganta-amarela Xiphorhynchus guttatus é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Guianas, Venezuela e Colômbia.

Arapaçu-de-garganta-amarela {field 32}
  • Nome popular: Arapaçu-de-garganta-amarela
  • Nome inglês: Buff-throated Woodcreeper
  • Nome científico: Xiphorhynchus guttatus
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre em duas regiões distintas:
    • 1 – Na região da Mata Atlântica compreendida entre o Rio Grande do Norte e o Espírito Santo.
    • 2 – Na amazônia brasileira ao norte do rio Amazonas (AM, RR, AP, PA), e nos demais países vizinhos Guianas, Venezuela e Colômbia.
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de presas obtidas nos troncos ou galhos de árvores, os quais escala com habilidade. Junta-se a bandos mistos de aves insetívoras com freqüência, porém apenas eventualmente segue formigas-de-correição.
  • Reprodução: Reproduz-se construindo o ninho em buracos de árvores, onde põe 2 ovos.
  • Estado de conservação:

    Pouco preocupante

Arapaçu-de-garganta-amarela {field 32}

Características:

Mede em média 27 centímetros de comprimento. Colorido parecido com o de outros arapaçus do mesmo gênero, destaca-se por apresentar a garganta bege sem riscas, e por ter uma área escura entre os olhos e o bico, que é forte, praticamente reto, de cor clara (no adulto), mas tendo a metade da maxila junto à face também escura, dando continuidade à parte escura da linha dos olhos.

Possui três subespécies reconhecidas:

  • Xiphorhynchus guttatus guttatus (M. H. C. Lichtenstein, 1820) – ocorre na região costeira do leste do Brasil desde o sudeste do estado do Rio Grande do Norte e Paraíba até o estado do Espírito Santo, raramente encontrado no norte do estado do Rio de Janeiro.
  • Xiphorhynchus guttatus connectens (Todd, 1948) – ocorre no nordeste da Amazônia brasileira ao longo da margem norte do rio Amazonas, desde Manaus até o estado do Amapá.
  • Xiphorhynchus guttatus polystictus (Salvin & Godman, 1883) – ocorre do leste da Colômbia, Venezuela até o extremo norte do Brasil no estado de Roraima, na Guiana e no Suriname.

(IOC World Bird List 2017; Aves Brasil CBRO 2015).

Arapaçu-de-garganta-amarela {field 28}

Comentários:

Frequentam o interior e as bordas de florestas úmidas de terra firme e de várzea, capoeiras arbóreas e florestas de galeria. Vive solitário ou aos pares.

Arapaçu-de-garganta-amarela {field 28}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências

Arapaçu-pardo – (Dendrocincla fuliginosa)

O arapaçu-pardo Dendrocincla fuliginosa é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, Honduras, Panamá, Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador e Peru.

Arapaçu-pardo {field 32}
  • Nome popular: Arapaçu-pardo
  • Nome inglês: Plain-brown Woodcreeper
  • Nome científico: Dendrocincla fuliginosa
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Sittasominae
  • Habitat: Ocorre em toda a Amazônia brasileira. Encontrado também de Honduras ao Panamá e nos demais países amazônicos: Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador e Peru.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos e utros artrópodes. Visto com frequência junto a formigas-de-correição, reunindo-se desde alguns indivíduos até grupos de uma dúzia, podendo ser encontrado também solitário ou participando de bandos mistos. Pousa geralmente em ramos verticais, capturando insetos afugentados pelas formigas, quando chega a pousar no chão por alguns instantes.
  • Reprodução: Reproduz-se construindo o ninho em cavidades de árvores ou troncos ocos, de 1 a 10 m de altura. Põe 2 ovos.
  • Estado de conservação:

    Pouco preocupante

Arapaçu-pardo {field 28}

Características:

Mede em geral entre 19 e22 cm. de comprimento. Tem cor predominante marrom, mais acinzentado entre o loro e a região auricular. Possui uma estria malar escura e outra após os olhos. A íris é acinzentada podendo ter tons castanhos. As penas das asas e cauda em tons mais avermelhados. A garganta é mais clara sem, no entanto, ser tão contrastante quanto D. merula, que pode dividir o mesmo habitat.

Possui dez subespécies reconhecidas:

  • Dendrocincla fuliginosa fuliginosa – ocorre na Venezuela, Guianas, e no extremo norte do Brasil (AM, RR, AP);
  • Dendrocincla fuliginosa rufoolivacea – ocorre no leste da Amazônia, à direita do rio Tapajós até o Maranhão (PA, TO, MT e MA);
  • Dendrocincla fuliginosa trumaii – ocorre no alto rio Xingu (MT);
  • Dendrocincla fuliginosa meruloides – ocorre na costa da Venezuela, Trinidad e Tobago;
  • Dendrocincla fuliginosa ridgwayi – ocorre no SE de Honduras, O da Colômbia, O do Equador e NO do Peru;
  • Dendrocincla fuliginosa lafresnayei – ocorre no N e L da Colômbia e NO da Venezuela;
  • Dendrocincla fuliginosa phaeochroa – ocorre no L da Colômbia, L do Peru e NO do Brasil (AM, RR);
  • Dendrocincla fuliginosa deltana – ocorre na região do rio Orinoco na Venezuela;
  • Dendrocincla fuliginosa barinensis – ocorre na região dos lhanos da Colômbia e Venezuela;
  • Dendrocincla fuliginosa neglecta – ocorre no L do Equador, L do Peru e O da Amazônia brasileira abaixo do rio Amazonas, e à esquerda do rio Madeira (AM, AC, RO);
Arapaçu-pardo {field 23}

Comentários:

Frequentam o sub-bosque de florestas úmidas de terra firme e de várzea, e nas capoeiras arbóreas adjacentes. Como todas as outras espécies de arapaçu, utiliza a cauda para se apoiar e escalar os troncos e galhos de árvores.

Arapaçu-pardo {field 29}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências