{{#image}}
{{/image}}
{{text}} {{subtext}}

A Família Picidae é composta por pica-paus, picapauzinhos, e beneditos, são aves relativamente fáceis de identificar na natureza pelo observador de aves, pois possuem uma característica muito especial: são hábeis “cavadores de buracos em troncos”, o que fazem com o forte bico, a procura de alimentos. Sua língua é vermiforme e muito longa, sendo um eficiente instrumento para a coleta de insetos que ficam no interior dos furos que faz na madeira. Normalmente os machos distinguem-se das fêmeas por possuírem “bigode” (estria malar) normalmente vermelho ou mancha desta cor na nuca. A cauda é utilizada como órgão de apoio para que fique verticalmente nos galhos. São aves que nidificam em ocos de árvores, os quais cavam com seus fortes bicos. Vocalizam de forma estridente, sendo por isto conhecidos por “gritadores”, utilizando o “tamborilar” como meio de comunicação. O “tamborilar” é quando a ave bate em um troco de arvore oco produzindo um som parecido com uma batida que chega a alcançar grandes distâncias na floresta. Parece que serve também para delimitar território. Os pica-paus maiores como dos gêneros Celeus, Dryocopus, Colaptes e Melanerpes possuem um voo característico ondulado, que os denuncia a distância, ficando fácil ao observador identificá-los. Já os pequenos Picumnus vivem praticamente no meio das folhagens e voam pequenas distâncias, praticamente pulando de galho em galho. Como nidificam em ocos de árvores, os grandes pica-paus encontram-se em declínio populacional devido a derrubada das florestas ou de arvores grandes em florestas remanescentes, por ficarem impossibilitados de procriar. Os pica-paus colhem seu alimento em constante movimento no tronco das árvores; nesta atividade mantêm a cabeça para cima e as unhas fortes e curvas agarradas no substrato. Os dedos II e III ficam voltados para a frente, os I e IV para trás; estes dois últimos podem se dispor em posição lateral. As rectrizes, com as raques rígidas, apoiam-se no tronco. Este conjunto de adaptações dá à ave um excelente equilíbrio enquanto procura alimento em troncos verticais e inclinados; primeiro eles exploram e alargam as cavidades onde se alojam larvas de insetos e depois introduzem nelas a língua longa, muito móvel e proctátil, umedecida com muco produzido pelas glândulas salivares. Ainda com o bico reto e forte, acionado por uma musculatura especializada, o macho e a fêmea escavam seus ninhos em troncos não muito duros; nesta cavidade, sem revestimento interno, são postos os ovos branco-brilhantes, que são incubados pelo casal durante 11 a 14 dias, atingindo-se mais de 20 dias nas espécies de maior porte. Quando nascem os filhotes, os pais, além de alimentá-los e protegê-los, retiram os restos fecais do ninho, promovendo assim a sua limpeza. Os filhotes abandonam o ninho após 18 a 35 dias, quando ainda são incapazes de voar, permanecendo algum tempo nos galhos próximos a ele.

Ocorrem no Brasil 56 espécies.

  • Picumnus aurifrons Pelzeln, 1870 picapauzinho-dourado
  • Picumnus pumilus Cabanis & Heine, 1863 picapauzinho-do-orinoco
  • Picumnus lafresnayi Malherbe, 1862 picapauzinho-do-amazonas
  • Picumnus exilis (Lichtenstein, 1823) picapauzinho-de-pintas-amarelas
  • Picumnus spilogaster Sundevall, 1866 picapauzinho-de-pescoço-branco
  • Picumnus pygmaeus (Lichtenstein, 1823) picapauzinho-pintado
  • Picumnus varzeae Snethlage, 1912 picapauzinho-da-várzea
  • Picumnus cirratus Temminck, 1825 picapauzinho-barrado
  • Picumnus temminckii Lafresnaye, 1845 picapauzinho-de-coleira
  • Picumnus albosquamatus d'Orbigny, 1840 picapauzinho-escamoso
  • Picumnus fuscus Pelzeln, 1870 picapauzinho-fusco
  • Picumnus rufiventris Bonaparte, 1838 picapauzinho-vermelho
  • Picumnus fulvescens Stager, 1961 picapauzinho-canela
  • Picumnus limae Snethlage, 1924 picapauzinho-da-caatinga
  • Picumnus nebulosus Sundevall, 1866 picapauzinho-carijó
  • Picumnus castelnau Malherbe, 1862 picapauzinho-creme
  • Picumnus subtilis Stager, 1968 picapauzinho-de-barras-finas
  • Melanerpes candidus (Otto, 1796) pica-pau-branco
  • Melanerpes cruentatus (Boddaert, 1783) benedito-de-testa-vermelha
  • Melanerpes flavifrons (Vieillot, 1818) benedito-de-testa-amarela
  • Melanerpes cactorum (d'Orbigny, 1839) pica-pau-de-testa-branca
  • Veniliornis kirkii (Malherbe, 1845) pica-pau-de-sobre-vermelho
  • Veniliornis cassini (Malherbe, 1862) pica-pau-de-colar-dourado
  • Veniliornis affinis (Swainson, 1821) picapauzinho-avermelhado
  • Veniliornis maculifrons (Spix, 1824) picapauzinho-de-testa-pintada
  • Veniliornis passerinus (Linnaeus, 1766) pica-pau-pequeno
  • Veniliornis spilogaster (Wagler, 1827) picapauzinho-verde-carijó
  • Veniliornis mixtus (Boddaert, 1783) pica-pau-chorão
  • Piculus leucolaemus (Natterer & Malherbe, 1845) pica-pau-de-garganta-branca
  • Piculus flavigula (Boddaert, 1783) pica-pau-bufador
  • Piculus capistratus (Malherbe, 1862) pica-pau-de-garganta-barrada
  • Piculus laemostictus Todd, 1937 pica-pau-de-garganta-pintada
  • Piculus paraensis (Snethlage, 1907) pica-pau-dourado-de-belém
  • Piculus chrysochloros (Vieillot, 1818) pica-pau-dourado-escuro
  • Piculus polyzonus (Valenciennes, 1826) pica-pau-dourado-grande
  • Piculus aurulentus (Temminck, 1821) pica-pau-dourado
  • Colaptes rubiginosus (Swainson, 1820) pica-pau-oliváceo
  • Colaptes punctigula (Boddaert, 1783) pica-pau-de-peito-pontilhado
  • Colaptes melanochloros (Gmelin, 1788) pica-pau-verde-barrado
  • Colaptes campestris (Vieillot, 1818) pica-pau-do-campo
  • Celeus torquatus (Boddaert, 1783) pica-pau-de-coleira
  • Celeus galeatus (Temminck, 1822) pica-pau-de-cara-canela
  • Celeus ochraceus (Spix, 1824) pica-pau-ocráceo
  • Celeus flavescens (Gmelin, 1788) pica-pau-de-cabeça-amarela
  • Celeus elegans (Statius Muller, 1776) pica-pau-chocolate
  • Celeus lugubris (Malherbe, 1851) pica-pau-louro
  • Celeus undatus (Linnaeus, 1766) pica-pau-barrado
  • Celeus grammicus (Natterer & Malherbe, 1845) picapauzinho-chocolate
  • Celeus flavus (Statius Muller, 1776) pica-pau-amarelo
  • Celeus spectabilis Sclater & Salvin, 1880 pica-pau-lindo
  • Celeus obrieni Short, 1973 pica-pau-do-parnaíba
  • Dryocopus lineatus (Linnaeus, 1766) pica-pau-de-banda-branca
  • Campephilus rubricollis (Boddaert, 1783) pica-pau-de-barriga-vermelha
  • Campephilus robustus (Lichtenstein, 1818) pica-pau-rei
  • Campephilus melanoleucos (Gmelin, 1788) pica-pau-de-topete-vermelho
  • Campephilus leucopogon (Valenciennes, 1826) pica-pau-de-barriga-preta

Famílias

Topo