Piolhinho-do-grotão – (Phyllomyias reiseri)

O piolhinho-do-grotão Phyllomyias reiseri é uma ave da família Tyrannidae. Ocorre no Brasil, e no nordeste do Paraguai.

Piolhinho-do-grotão {field 28}
  • Nome popular: Piolhinho-do-grotão
  • Nome inglês: Reiser’s Tyrannulet
  • Nome científico: Phyllomyias reiseri
  • Família: Tyrannidae
  • Sub-família: Elaeniinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil, no sul do Piauí, Goiás, Bahia, Minas Gerais, sudeste do Tocantins, Distrito Federal e no leste do Mato Grosso do Sul. Encontrado também no nordeste do Paraguai.
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de insetos e outros pequenos artrópodes.
  • Reprodução: Reproduz-se construindo um ninho em forma de taça, feito com musgos e liquens colocado em galhos de árvores e arbustos.
  • Estado de conservação:

    Pouco preocupante

Piolhinho-do-grotão {field 32}

Características:

Mede em média 10 cm de comprimento. Espécie pequena do Brasil Central, apresenta, em geral, uma plumagem clara. Distingue-se dos demais Phyllomyias pelo píleo levemente acinzentado e pela garganta branca.

Piolhinho-do-grotão {field 32}

Comentários:

Frequentam o dossel e sub-bosque de matas de galeria e matas secas de altura (onde frequentemente se junta a bandos mistos) na região do cerrado em altitudes de 700 a 1000 m (Ridgely e Tudor 1994, Stotz et al. 1996), além de matas tropicais secas (da Silva 1996) e grotões úmidos do Planalto Central (Sigrist). Incomum, é espécie pouco estudada em campo. Pode estar sofrendo com a destruição de habitats de cerrado para a conversão em áreas agrícolas (especialmente para pastagens e plantações de eucalipto), e pode ser afetada pela propagação de incêndios em campos e fazendas adjacentes. Os seus habitats de floresta seca também estão sob constante pressão do desmatamento, principalmente para a indústria de carvão vegetal, agricultura e plantações de

Piolhinho-do-grotão {field 32}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências