Choquinha-carijó – (Drymophila malura)

A choquinha-carijó Drymophila malura é uma ave da família Thamnophilidae. Conhecida também como formigueiro-de-cauda-escura. Ocorre na mata atlântica das regiões Sul e Sudeste do Brasil, também no Paraguai e nordeste da Argentina..

Choquinha-carijó {field 11}
  • Nome popular: Choquinha-carijó
  • Nome inglês:
  • Nome científico: Drymophila malura
  • Família: Thamnophilidae
  • Sub-família: Thamnophilinae
  • Habitat: Ocorre na mata atlântica das regiões Sul e Sudeste do Brasil, além do Paraguai e nordeste da Argentina..
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de artrópodes, também come insetos besouros e larvas.
  • Reprodução: Constrói o ninho com galhos, fibras e folhas secas. Geralmente as aves põem em média 2ou 3 ovos. Os pais revezam-se na construção do ninho e cuidado com os filhotes. O período de incubação varia de 14 a 16 dias.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Choquinha-carijó {field 11}

Características:

Mede em média 14 centímetros de comprimento e pesa entre 11 e 13 gramas. É uma espécie de plumagem muito distinta. Os machos possuem o dorso e crisso marrom-oliva, e com densas listras na cabeça e peito. As fêmeas são ferrugíneas nas costas, e com as costas e peito levemente listrados Tem cauda longa e marrom-oliva.

Choquinha-carijó {field 11}

Comentários:

Frequenta bordas de florestas entre 50 e 1300 metros, raramente chegando até 1900 metros de altitude. Vive no emaranhado denso de vegetação ou em bambuzais de matas secundárias nos domínios da Mata Atlântica.

Choquinha-carijó {field 11}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • CLEMENTS, J. F.; The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press, 2005.

Referências