Arapaçu-uniforme – (Hylexetastes uniformis)

Arapaçu-uniforme

O arapaçu-uniforme Hylexetastes uniformis é uma ave da família Dendrocolaptidae. Ocorre no Brasil, e também no norte da Bolívia.

Arapaçu-uniforme {field 32}
  • Nome popular: Arapaçu-uniforme
  • Nome inglês: Uniform Woodcreeper
  • Nome científico: Hylexetastes uniformis
  • Família: Dendrocolaptidae
  • Sub-família: Dendrocolaptinae
  • Habitat: Ocorre no centro-sul da Amazônia, abaixo do rio Amazonas e entre os rios Madeira e Xingu (AM, PA, RO, MT). Encontrado também no norte da Bolívia.
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de insetos e outros artrópodes. Segue formigas-de-correição, indo até o chão para capturar presas afugentadas..
  • Reprodução: Reproduz-se..
  • Estado de conservação:

    Pouco preocupante

Arapaçu-uniforme {field 28}

Características:

Mede em média 27 centímetros cde comprimento. Tem o bico forte de coloração vermelho escuro, um pouco mais curto que seu parente H. perroti. Cor predominante marrom algo mais claro em baixo. Asas e cauda mais avermelhados.

Arapaçu-uniforme {field 33}

Comentários:

Frequentam florestas úmidas de terra firme, ou mesmo campinaranas, onde é raro ou incomum. Vive solitário ou aos pares, buscando insetos desde os estratos mais baixos até a copa. Participa de bandos mistos, ocasião em que costuma permanecer bastante alto, sendo difícil observá-lo.

Arapaçu-uniforme {field 20}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *