Andorinhão-de-sobre-branco – (Chaetura spinicaudus)

Andorinhão-de-sobre-branco

O andorinhão-de-sobre-branco Chaetura spinicaudus é uma ave da família Apodidae. Ocorre no Brasil, Costa Rica, Colômbia, Venezuela e Guianas.

Andorinhão-de-sobre-branco {field 20}
  • Nome popular: Andorinhão-de-sobre-branco
  • Nome inglês: Band-rumped Swift
  • Nome científico: Chaetura spinicaudus
  • Família: Apodidae
  • Habitat: Ocorre na Amazônia brasileira e nos estados de Alagoas e Bahia. Encontrado também da Costa Rica à Colômbia, Venezuela e Guianas.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos capturados em voo.
  • Reprodução: Reproduz-se fazendo o ninho em cavidades de árvores, a cerca de 10 m de altura.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Andorinhão-de-sobre-branco {field 11}

Características:

Mede em média 12 cm. de comprimento, 23,5cm. de envergadura e pesa 15,5g. Tem asas estreitas, cauda relativamente longa com espinhos nas extremidades das retrizes e distinta mancha esbranquiçada em forma de faixa nas costas. Diferente de outros Chaetura, apresenta uropígio e supracaudais escuros.

Andorinhão-de-sobre-branco {field 28}

Comentários:

Frequenta bordas de florestas altas e clareiras. É comum, sendo observado, com frequência, sobrevoando em círculos. Vive aos pares ou em grupos espalhados. Normalmente mistura-se a outras espécies de andorinhões.

Andorinhão-de-sobre-branco {field 23}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *