Gaivotão – (Larus dominicanus)

O gaivotão Larus dominicanus é uma ave da família Laridae. Ocorre em toda a costa do Brasil.

Gaivotão Foto – Renato Costa Pinto
  • Nome popular: Gaivotão
  • Nome inglês: Kelp Gull
  • Nome científico: Larus dominicanus
  • Família: Laridae
  • Subfamília: Larinae
  • Habitat: Ocorre em toda a costa do Brasil, e tem uma ampla distribuição em outras partes do planeta.
  • Alimentação: As gaivotas apresentam uma dieta generalista e oportunista, sendo capaz de utilizar vários habitats, diferentes presas, bem como a exploração de fontes antrópicas (Giaccardi et al. 1997).
  • Reprodução: No período de março a junho ocorre o deslocamento das gaivotas adultas para as ilhas, a demarcação de território e construção dos ninhos no solo, utilizando-se gramíneas, penas e até ossos de outras aves. Os primeiros ninhos com ovos são observados em junho, incrementando gradativamente até setembro, seguido de redução em outubro e ausência das gaivotas a partir de dezembro, ocorrendo a ocupação dos estuários e das praias do litoral catarinense (BRANCO & EBERT 2002). Apresenta alto sucesso reprodutivo, cerca 70% dos ovos eclodiram e cerca de 50% dos filhotes sobreviveram até a fase de voo. Os filhotes apresentaram um rápido crescimento, em 30 dias já estão grande o suficiente para voarem, o que os tornam aptos a escaparem os predadores. Os principais predadores dessa espécie são os urubus, e as fases mais suscetíveis aos ataques foram a fase de ovo e os primeiros 15 dias de vida dos filhotes. ESPÉCIE SEM DIMORFISMO SEXUAL
  • Estado de conservação: Pouco preocupante.
Gaivotão Foto – Renato Costa Pinto

Características:

O adulto possui o dorso e as partes superiores das asas negras, enquanto a cabeça e as partes inferiores são brancas. O bico é amarelo, com uma mancha vermelha na ponta da maxila. As pernas são amarelo-esverdeadas. Os juvenis possuem plumagem das partes superiores castanho-acinzentada densamente salpicada de branco; as partes inferiores são brancas manchadas de castanho. O bico é preto e as patas são cinzento-rosadas.

Possui cinco subespécies:

  • Larus dominicanus dominicanus (Lichtenstein, 1823) – ocorre no Sul da região costeira da América do Sul, nas Ilhas Malvinas, na Ilha Georgia do Sul, na N. Zelândia e na Austrália;
  • Larus dominicanus austrinus (J. H. Fleming, 1924) – ocorre no Continente Antártico e nas Ilhas da Antárctica;
  • Larus dominicanus judithae (Jiguet, 2002) – ocorre nas ilhas da região subantártica do Oceano Índico;
  • Larus dominicanus melisandae (Jiguet, 2002) – ocorre na região costeira do Sul e Sudoeste de Madagascar.
  • Larus dominicanus vetula (Bruch, 1853) – ocorre na região Costeira da África do Sul e da Namíbia.
Gaivotão Foto – Renato Costa Pinto

Comentários:

O crescimento de sua população tem causado o deslocamento de diversas outras espécies de aves e mamíferos marinhos de seus sítios reprodutivos, devido ao constante impacto da predação e parasitismo. Todas essas características têm levado muitos pesquisadores a considerar esta espécie uma praga nos ambientes costeiros.

Gaivotão Foto – Renato Costa Pinto

Referências & Bibliografia:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • Wikiaves – disponível em: https://www.wikiaves.com.br/wiki/gaivotao Acesso em 18 Março de 2010.
  • Wikipédia – disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Larus_dominicanus Acesso em 31 de Outubro de 2010.