Coruja-orelhuda – (Asio clamator)

A coruja-orelhuda é uma ave da família Strigidae. Conhecida também como coruja-gato, coruja-listrada e mocho-orelhudo.

Coruja-orelhuda Foto – Edgard Thomas
  • Nome popular: Coruja-orelhuda
  • Nome inglês: Striped Owl
  • Nome científico: Asio clamator
  • Família: Strigidae
  • Habitat: Encontrada em todo o território brasileiro. Encontrada também da Venezuela à Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de ratos, morcegos, anfíbios, répteis, insetos grandes e aves.
  • Reprodução: Constrói o ninho no chão e em ocos de árvore. Põe em média 3 ovos que são chocados por 33 dias. A fêmea praticamente não sai do ninho durante a incubação, sendo alimentada pelo macho. Filhotes são capazes de voar por volta de um mês e meio de vida. Em torno dos 5 meses de vida os jovens são expulsos do território pelos pais. Período reprodutivo, de agosto a março (na América do Sul).
  • Estado de conservação: Pouco preocupante.
Coruja-orelhuda Foto – Edgard Thomas

Características:

Tem tamanho médio, medindo de 30 a 38 centímetros. O macho pesa de 335 a 385 gramas e a fêmea de 400 a 556 gramas. A asa mede de 228 a 294 milímetros e a cauda de 127 a 165 milímetros. As partes superiores são bege, marrom e canela apresentando estrias pretas. Na cabeça, a coroa e a nuca são marrons apresentando listras e manchas. No alto da cabeça, sobre os olhos apresentam penas proeminentes de coloração castanho escura e preta que se assemelham na aparência a orelhas. Os lores e uma listra sobre cada órbita ocular são brancas ou esbranquiçadas, com uma borda escura distinta. O disco facial é esbranquiçado, com borda preta bem visível. As penas de voo e da cauda apresentam barrado marrom escuro. As asas são curtas e a cauda é longa. Nas partes inferiores, a garganta é branca, o peito e a barriga são branco sujos ou bege, com estrias largas de coloração preta. As penas subcaudais são esbranquiçadas apresentando fino barrado escuro.

Possui quatro subespécies:

  • Asio clamator clamator (Vieillot, 1808) – ocorre da Colômbia até a Venezuela, Leste do Peru e região central do Brasil;
  • Asio clamator forbesi (Lowery & Dalquest, 1951) – ocorre da região tropical Sul do México até o Panamá.
  • Asio clamator oberi (E. H. Kelso, 1936) – ocorre nas Ilhas de Trinidad e Tobago no Caribe;
  • Asio clamator midas (Schlegel, 1862) – ocorre do Leste da Bolívia até o Paraguai, Sul do Brasil, Uruguai e Norte da Argentina.
Coruja-orelhuda Foto – Afonso de Bragança

Comentários:

É comum em áreas abertas, campos com árvores e arbustos, cerrados, caatingas e até cidades, como o Rio de Janeiro. Noturna. Se torna ativa após crepúsculo, as vezes ao entardecer

Coruja-orelhuda Foto – Afonso de Bragança

Referências bibliográficas:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • Wikiaves – disponível em https://www.wikiaves.com.br/wiki/coruja-orelhuda Acesso em 08 Setembro de 2010.
  • Aves de Rapina Brasil – disponível em http://www.avesderapinabrasil.com/rhinoptynx_clamator.htm Acesso em 28 Agosto de 2010.