Bacurau-de-rabo-maculado – (Hydropsalis maculicaudus)

O bacurau-de-rabo-maculado Hydropsalis maculicaudus é uma ave da família Caprimulgidae. Também chamada de bacurau-pituí. Ocorre do México à Bolívia, incluindo todo o Brasil.

Bacurau-de-rabo-maculado {field 21}
  • Nome popular: Bacurau-de-rabo-maculado
  • Nome inglês: Spot-tailed Nightjar
  • Nome científico: Hydropsalis maculicaudus
  • Família: Caprimulgidae
  • Habitat: Ocorre do México à Bolívia, incluindo todo o Brasil.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos e mariposas.
  • Reprodução: Reproduz-se diretamente no solo, sem fazer ninho, põe em média 2 ovos brancos com manchas amarronzadas.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Bacurau-de-rabo-maculado {field 21}

Características:

Mede em média 19 cm de comprimento. Macho e fêmea tem um colar ruivo atrás da nuca, lembrando um bacurau-tesoura, mas possuem a cauda curta e quadrada. O macho apresenta garganta e a cauda branca com uma faixa terminal, além de pintas mediais brancas, muito distintas em voo. As fêmeas não possuem nenhuma mancha branca nas retrizes, nem as pintas nem as barras terminais.

Bacurau-de-rabo-maculado {field 21}

Comentários:

Frequenta buritizais, matas de galeria, campos, varjões e áreas úmidas abertas. Muito encontrada nas plantações de cana-de-açúcar colhidas e já brotando, costuma pousar nas palhas secas da cana, dando pequenos sobrevoos pousando novamente em outro ponto, dificilmente pousa nas estradas como é comum dos outros bacuraus, canta tanto pousado como em voo.

Bacurau-de-rabo-maculado {field 21}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • CLEMENTS, J. F.; The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press, 2005.

Referências