Bate-pára – (Attila bolivianus)

O bate-pára Attila bolivianus é uma ave da família Tyrannidae. Ocorre no Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador e no Peru.

Bate-pára {field 20}
  • Nome popular: Bate-pára
  • Nome inglês: Dull-capped Attila
  • Nome científico: Attila bolivianus
  • Família: Tyrannidae
  • Sub-família: Tyranninae
  • Habitat: Ocorre ao sul dos rios Negro e Amazonas, e no Pantanal do Mato Grosso e Goiás. Também no Peru e na Bolívia.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos, capturando-os em voos curtos sobre a folhagem, eventualmente também come frutos. Ás vezes procuram alimento associados a bandos mistos.
  • Reprodução: Reproduz-se construindo um ninho feito com raízes a alturas entre 1 e 3 m do solo escondido entre as folhas velhas de palmeiras, ou até mesmo plantas epífitas. Põe em média 2 ovos por ninhada. A época de reprodução é em junho e setembro.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Bate-pára {field 25}

Características:

Mede em média 21 centímetros de comprimento e pesa entre 40 e 45 gramas. Tem a plumagem principal em tom marrom e íris amarelada no indivíduo adulto. O jovem possui a íris escura.

Possui duas subespécies reconhecidas:

  • Attila bolivianus bolivianus (Lafresnaye, 1848) – ocorre no leste do Peru, na Bolívia, no Brasil, do sudoeste do estado do Amazonas, sudoeste do estado do Mato Grosso até o leste e norte de Goiás.
  • Attila bolivianus nattereri (Hellmayr, 1902) – ocorre no extremo sudeste da Colômbia, leste do Peru e região central do Brasil, de ambos os lados do médio e baixo rio Amazonas, ao sul do rio Negro até a margem esquerda do rio Madeira. Também registrado duas vezes no Equador.

(IOC World Bird List 2017; Aves Brasil CBRO 2015).

Bate-pára {field 25}

Comentários:

Frequenta florestas e pântanos subtropicais ou tropicais, matas de várzea, igapós e formações ripárias ribeirinhas.

Bate-pára {field 19}

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • ITIS – Integrated Taxonomic Information System (2017); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • Piacentini et al. (2015). Annotated checklist of the birds of Brazil by the Brazilian Ornithological Records Committee / Lista comentada das aves do Brasil pelo Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. Revista Brasileira de Ornitologia, 23(2): 91–298.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2014.

Referências