Maxalalagá – (Micropygia schomburgkii)

Maxalalagá

O maxalalagá Micropygia schomburgkii é uma ave da família Rallidae. Ocorre na América Central e parte da América do Sul.

Maxalalagá Foto – Claudio Lopes
  • Nome popular: Maxalalagá
  • Nome inglês: Ocellated Crake
  • Nome científico: Micropygia schomburgkii
  • Família: Rallidae
  • Habitat: Ocorre nos estados da Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rondônia, Roraima, São Paulo, Tocantins e Distrito Federal. Em Goiás apresenta ocorrência no Parque das Emas e Parque Estadual dos Pireneus. No DF possui registros na FLONA de Brasília e no Altiplano Leste.
  • Alimentação: Insetívoro, consome grandes quantidades de formigas.
  • Reprodução: Constrói um ninho esférico de capim seco, com entrada lateral, a 50 cm do solo, às vezes próximo de buritizais, em soqueiras de capins altos. ESPÉCIE SEM DIMORFISMO SEXUAL
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Maxalalagá Foto – Claudio Lopes

Características:

Mede entre 14 e 15 centímetros de comprimento e pesa entre 24 gramas a fêmea e 40 gramas o macho.Pequena espécie de plumagem ocelada semelhante a certas codornas(família Tinamidae). De bico curto, plumagem das partes superiores parda pintada de branco e debruada de negro; partes inferiores amarelas ferrugíneas clara, abdômen branco, bico azul-esverdeado. A voz é como o estridular de um gafanhoto.

Possui duas subespécies reconhecidas:

  • Micropygia schomburgkii schomburgkii (Schomburgk, 1848) – ocorre na Costa Rica, Colômbia, Venezuela, sudeste do Peru, Bolívia e na região adjacente do norte do Brasil no nordeste do estado de Roraima. Esta subespécie é um pouco menor que a subespécie chapmani, mais escuro e mais pintado na parte posterior do pescoço subindo ate a metade da cabeça.
  • Micropygia schomburgkii chapmani (Naumburg, 1930) – ocorre na região leste e central do Brasil, do estado da Bahia até o estado do Mato Grosso, Paraguai e no norte da Bolívia. Esta subespécie possui asas mais longas, cor mais marrom-alaranjado, pintas dorsais em menor número. Na parte posterior do pescoço até a metade da cabeça é desprovida de pintas.

(IOC World Bird List 2017; Piacentini et al., 2015).

Maxalalagá Foto – Edgard Thomas

Comentários:

Habita campos limpos, campos sujos, cerrados em bordas de matas secas e savanas de cupim, podendo adentrar por áreas parcialmente alagadas. Difícil observação em campo, raramente alça voos curtos, preferindo se afastar correndo quando assustado e adentrar os túneis de rodovias campestres ou em buracos de tatus. Torna-se vítima frequente do lobo guará (Chrysocyon brachyurus) e de aves de rapina campestres como o falcão-de-coleira(Falco femoralis), que podem encurralar suas presas durante os incêndios esporádicos em seu habitat.

Maxalalagá Foto – Edgard Thomas

Referências bibliográficas:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec – Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • Wikiaves – disponível em: https://www.wikiaves.com.br/maxalalaga Acesso em 25 Agosto de 2013.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *