A lavadeira-mascarada Fluvicola nengeta, é uma ave da família Tyrannidae, também conhecida como lavadeira, noivinha, viuvinha, maria-branca, maria-lencinho. Ocorre em vários países da América do Sul.
Lavadeira-mascarada Foto: Afonso de Bragança
  • Nome popular: Lavadeira-mascarada
  • Nome inglês: Masked Water-Tyrant
  • Nome científico: Fluvicola nengeta
  • Família: Tyrannidae
  • Habitat: Pode ser encontrada em parques e jardins em centros urbanos, habita preferencialmente junto a rios ou lagoas, vem frequentemente ao chão, mesmo barrento, em busca de alimento. É ave de espaços abertos
  • Alimentação: A população brasileira, antigamente restrita a açudes e rios no Sertão e Agreste da região nordeste, está em expansão e atualmente chega até á Argentina
  • Reprodução: Faz o ninho de gravetos que geralmente são amontoados em árvores próximas a água. É comum ver estas aves em casais
  • Estado de conservação: Sem preocupações, já que a população desta espécie está expandindo seu território, consequentemente aumenta também o numero de indivíduos.
Lavadeira-mascarada Foto: Afonso de Bragança
Características:

Mede em média 15 centímetros de comprimento, a sua coloração é principalmente branca contrastando com uma estreita faixa transocular preta que termina em uma leve curvatura para baixo logo após região auricular. A testa, coroa e nuca são brancas. O manto apresenta coloração clara levemente castanho-acinzentado. As asas apresentam coloração escura com tons castanho-acinzentado mais escuros que o manto. O uropígio e as penas supra-caudais são brancas. A cauda é preta e apresenta as porção distal com manchas brancas. A garganta, peito, ventre, crisso e infra-caudais são brancos. O bico é curto fino e preto, tarsos e pés são pretos, a íris também é preta.

h6 Possui duas subespécies:
  • Fluvicola nengeta nengeta (Linnaeus, 1766) - ocorre no leste do Brasil, do estado do Maranhão até o estado de Minas Gerais e no nordeste do estado de São Paulo;
  • Fluvicola nengeta atripennis (P. L. Sclater, 1860) - ocorre do sudoeste do Equador até o noroeste do Peru na região de Tumbes. Esta subespécie apresenta a coloração das asas mais pretas que a subespécie nominal, com as penas de voo situadas no segmento basal da asa de cor branca com franjas (Ridgely, 1989).

(Clements checklist, 2014).

Lavadeira-mascarada Foto: Afonso de Bragança
Comentários:

Espécie bastante sociável é muito comum encontrá-los em grandes centros urbanos e em residências próximo de piscinas e pequenos lagos. A Mata Atlântica, que aparentemente representava uma barreira natural para esta espécie, foi perdendo espaço para pastagens e culturas que se assemelham ao semi-árido possibilitando assim a expansão desta espécie, outras explicações envolvem o aumento no número de rios represados no sudeste e mudanças climáticas, hoje em dia já são registradas aves se reproduzindo em Santa Catarina e até no Rio Grande do Sul.

Lavadeira-mascarada Foto: Afonso de Bragança
Referências & Bibliografia:
  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec - Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • Wikiaves - disponível em: https://www.wikiaves.com.br/wiki/lavadeira-mascarada Acesso em 08 Setembro de 2009.
  • Wikipédia - disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lavadeira-mascarada Acesso em 14 de Outubro de 2009