A gaúcha-de-cara-suja Muscisaxicola maclovianus é uma ave da família Tyrannidae. Ocorre no Brasil, eventualmente do estado do Rio Grande do Sul. Espécie migratória.

Gaúcha-de-cara-suja Foto: Ricardo Gentil
  • Nome popular: Gaúcha-de-cara-suja
  • Nome inglês: Dark-faced Ground-Tyrant
  • Nome científico: Muscisaxicola maclovianus
  • Família: Tyrannidae
  • Sub-família: Fluvicolinae
  • Habitat: Ocorre no Brasil, eventualmente do Rio Grande do Sul. Encontrado também no Chile, Uruguai, Paraguai e Argentina
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente de insetos e outros pequenos artrópodes que encontra no solo.
  • Reprodução: Reproduz-se nas Ilhas Malvinas e nos Andes do sul do Chile e da Argentina, ao sul até a Terra do Fogo (Ridgely e Tudor 1994, Jaramillo 2003).
  • Estado de conservação:

    Pouco preocupante

Gaúcha-de-cara-suja Foto: Jarbas Mattos

Características:

Mede em média 16 cm de comprimento. Um pouco parecida com o gaúcho-chocolate, porém, menor, sendo os machos um pouco maiores que as fêmeas. Não costuma vocalizar frequentemente, apenas soando baixos chamados enquanto forrageia pelo solo.

Gaúcha-de-cara-suja Foto: Mel Simas

Comentários:

Frequentam áreas abertas como pastagens, campos litorâneos e praias, desde o nível do mar até aproximadamente 1,500 m, excepcionalmente até 2,500m (Birdlife, 2014).

Gaúcha-de-cara-suja Foto: Luiz Bravo

Áreas de ocorrência no Brasil.

Consulta bibliográfica sobre a espécie:

  • FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec - Ecologia Técnica Ltda.
  • SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.
  • Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.
  • ITIS - Integrated Taxonomic Information System (2015); Smithsonian Institution; Washington, DC.
  • CLEMENTS, J. F., T. S. Schulenberg, M. J. Iliff, D. Roberson, T. A. Fredericks, B. L. Sullivan, and C. L.. The Clements checklist of Birds of the World: Version 6.9; Cornell: Cornell University Press, 2016.

Referências