Most viewed -
Most viewed
aracari-banana-1.jpg
Araçari banana - Pteroglossus bailloni550 viewsNome Inglês

Saffron Toucanet

Habitat: Vive em bandos pequenos, geralmente em torno de seis ou sete indivíduos,podemos encontra-los nos estados de Pernambuco do Espírito Santo e Minas Gerais ao Rio Grande do Sul. Encontrado também na Argentina e no leste do Paraguai.

Alimentação: Alimenta-se de frutos principalmente palmito e insetos, além de ovos e filhotes de outras aves.

Reprodução: Faz ninho em cavidades de árvores, pondo de 2 a 4 ovos brancos.

Estado de Conservação: População estável sem maiores preocupações.

Comentários

O Araçari-Banana é uma espécie de tucano facilmente reconhecido por seu enorme bico, espécie nativa da Mata Atlântica, foi introduzida em outras regiões e atualmente pode ser encontrado em vários lugares do litoral da América do Sul desde o nordeste do Brasil até á Argentina. Seu tamanho é mediano, com cerca de 36 cm de comprimento, as fêmeas e os machos são bem parecidos, exceto pelo diferença no comprimento do bico, que na fêmea é quase um terço menor do que no macho, os dois têm uma coloração amarelo inconfundível. Tem hábitos diurnos, vive em regiões de Mata Atlântica montanhosas, em zonas de floresta úmida, preferindo principalmente camadas médias e altas da vegetação, voa em bandos de sete a dez indivíduos, é social e bastante gregária, move-se através da selva em busca de alimento, que consiste de: frutos, insetos e eventualmente comem ovos e filhotes de outras aves, possuem um voar rápido e veloz a curtas distâncias, mas evitam vôos muito longos. Fazem seus ninhos em buracos de árvores e cupinzeiros, eventualmente aproveitam o ninho já feito anteriormente por outras aves como o pica-pau, onde põe de dois a quatro pequenos ovos. Quando estão com ovos ou filhotes são super cautelosos, o que dificulta a descoberta do ninho. Estão cada vez mais raros de se encontrar por causa da coleta, tráfico de animais silvestres e a destruição de seu habitat natural.
Foto feita em julho de 2009 no Parque Nacional do Itatiaia, Rio de Janeiro.

About this species

The Saffron-Toucanet is an easily recognized species of Toucan for its enormous peak. A native species of the Atlantic Forest, it was introduced in other regions, and can currently be found in several places of the coast of South America , from the northeast of Brazil to Argentina. It's average size , about 36 cm long, and both he-toucans and she-toucans are very similar, except for the difference in the length of the peak, which in the she-toucan is almost one third smaller than in the he-toucan, being both yellow-colored ,making it very difficult to be mistaken. It has daytime habits, living in mountainous regions of the Atlantic Forest, in humid zones of the forest, mainly favouring average and high layers of vegetation. It flies in flocks of seven to ten , is sociable and gregarious, moves throughout the forest in search of food, consisting of: fruits, insects and eventually eggs and baby birds of other species; it can fly very fast and very quickly small distances, avoiding very long flights. It makes its nests in holes of trees and termite trees, eventually using existing nests of other birds, such as the woodpeckers', where it may lay two to four small eggs. When they are with eggs or babies, they are extra careful, which makes it more difficult to find a nest. The toucans have become scarce to spot, mainly due to collection, traffic of wild animals and the destruction of their natural habitat.
Photo made in July 2009 in the National Park of Itatiaia, Rio de Janeiro.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
aracari-banana.jpg
Araçari banana - Pteroglossus bailloni489 viewsNome Inglês

Saffron Toucanet

Habitat: Vive em bandos pequenos, geralmente em torno de seis ou sete indiví­duos,podemos encontra-los nos estados de Pernambuco do Espí­rito Santo e Minas Gerais ao Rio Grande do Sul. Encontrado também na Argentina e no leste do Paraguai.

Alimentação: Alimenta-se de frutos principalmente palmito e insetos, também de ovos e filhotes de outras aves.

Reprodução: Faz ninho em cavidades de Árvores, pondo de 2 a 4 ovos brancos.

Estado de Conservação: População estável sem maiores preocupações.

Comentários

O Araçari-Banana é uma espécie de tucano facilmente reconhecido por seu enorme bico, espécie nativa da Mata Atlântica, foi introduzida em outras regiões e atualmente pode ser encontrado em vários lugares do litoral da América do Sul desde o nordeste do Brasil até á Argentina. Seu tamanho é mediano, com cerca de 36 cm de comprimento, as fêmeas e os machos são bem parecidos, exceto pelo diferença no comprimento do bico, que na fêmea é quase um terço menor do que no macho, os dois têm uma coloração amarelo inconfundível. Tem hábitos diurnos, vive em regiões de Mata Atlântica montanhosas, em zonas de floresta úmida, preferindo principalmente camadas médias e altas da vegetação, voa em bandos de sete a dez indivíduos, é social e bastante gregária, move-se através da selva em busca de alimento, que consiste de: frutos, insetos e eventualmente comem ovos e filhotes de outras aves, possuem um voar rápido e veloz a curtas distâncias, mas evitam vôos muito longos. Fazem seus ninhos em buracos de árvores e cupinzeiros, eventualmente aproveitam o ninho já feito anteriormente por outras aves como o pica-pau, onde põe de dois a quatro pequenos ovos. Quando estão com ovos ou filhotes são super cautelosos, o que dificulta a descoberta do ninho. Estão cada vez mais raros de se encontrar por causa da coleta, tráfico de animais silvestres e a destruição de seu habitat natural.
Foto feita em julho de 2009 no Parque Nacional do Itatiaia, Rio de Janeiro.

About this species

The Saffron-Toucanet is an easily recognized species of Toucan for its enormous peak. A native species of the Atlantic Forest, it was introduced in other regions, and can currently be found in several places of the coast of South America , from the northeast of Brazil to Argentina. It's average size , about 36 cm long, and both he-toucans and she-toucans are very similar, except for the difference in the length of the peak, which in the she-toucan is almost one third smaller than in the he-toucan, being both yellow-colored ,making it very difficult to be mistaken. It has daytime habits, living in mountainous regions of the Atlantic Forest, in humid zones of the forest, mainly favouring average and high layers of vegetation. It flies in flocks of seven to ten , is sociable and gregarious, moves throughout the forest in search of food, consisting of: fruits, insects and eventually eggs and baby birds of other species; it can fly very fast and very quickly small distances, avoiding very long flights. It makes its nests in holes of trees and termite trees, eventually using existing nests of other birds, such as the woodpeckers', where it may lay two to four small eggs. When they are with eggs or babies, they are extra careful, which makes it more difficult to find a nest. The toucans have become scarce to spot, mainly due to collection, traffic of wild animals and the destruction of their natural habitat.
Photo made in July 2009 in the National Park of Itatiaia, Rio de Janeiro.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
periqutao-maracana.jpg
Periquitão - Psittacara leucophthalma484 viewsFoto Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
periqutao-maracana-casal.jpg
Periquitão - Psittacara leucophthalma481 viewsFoto Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto-7.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus428 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto-10.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus426 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto-6.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus423 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto-8.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus421 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto-9.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus421 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto-5.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus420 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tie-sangue.jpg
Tiê-sangue - Ramphocelus bresilius419 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus415 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto-2.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus413 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto-3.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus411 viewsLeia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-preto-4~0.jpg
Tucano-de-bico-preto - Ramphastos vitellinus406 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
ft78-11a.jpg
Suiriri - Tyrannus melancholicus398 viewsNome em Inglês

Tropical Kingbird

Adapta-se até aos maiores conglomerados urbanos, desde que haja alguma arborização. Pode ser visto no meio de São Paulo ou Rio de Janeiro, por exemplo.
Costuma ficar pousado em poleiros expostos, seja na parte alta da mata, seja em arbustos. Usa também fios, cercas e estruturas criadas pela ação humana.
Ocorre em todo o Brasil e desde os Estados Unidos à quase toda a América do Sul (Sick,1997). É uma espécie muito observada no estado de Santa Catarina entre setembro e começo de abril, época em que ocorre sua nidificação (dezembro/janeiro). Algumas populações migratórias possuem asas mais pontudas, o que pode ser explicado como uma adaptação para vôos longos.
A população argentina, do Uruguai, grande parte do Paraguai, do extremo sudeste boliviano e do sul do Brasil é migratória, indo para a Amazônia a partir de março/abril. Retornam em outubro, passando pelo Pantanal em abril/maio e em setembro/outubro.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
ft78-06a.jpg
Bem-te-vi-rajado - Myiodynastes maculatus397 viewsNome em Inglês

Streaked Flycatcher

Espécie geralmente solitária e quieta, cantando com mais intensidade ao entardecer ou nas primeiras horas do dia.
Alimenta-se de insetos que apanha em vôo a partir do poleiro e também de pequenos frutos como o da canela-amarela, sendo um provável dispersor de sementes. Ainda, gostando muito das bananas maduras da embaúba. Habita a parte interna das matas ciliares, cerradões, cambarazais e matas secas.
assa a maior parte do tempo pousado em poleiros nas árvores das bordas de matas secundárias, florestas de galeria ou matas de várzea. Realiza migrações sazonais, indo para as latitudes mais baixas no inverno.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
gaturamo-verdadeiro.jpg
Gaturamo verdadeiro - Euphonia violacea393 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
ft75-09a.jpg
Suiriri-da-chapada - Suiriri islerorum393 viewsNome em Inglês

Chapada Flycatcher

Ocorre em bordas de capoeiras, cerrados, campos cerrados, chapadas e campos sujos.
Espécie recentemente descrita do Brasil Central entre 250 e 750 metros de altitude.
anu-preto.jpg
Anu-preto - Crotophaga ani384 viewsLeia mais sobre esta espécie


beija-flor-de--fronte-violeta.jpg
Beija flor de fronte violeta - Thalurania glaucopis378 views
tie-sangue-1.jpg
Tiê-sangue - Ramphocelus bresilius377 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-bico-preto-2.jpg
Tucano-de-bico-preto - (Ramphastos vitellinus)377 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
col08a.jpg
Suiriri - Tyrannus melancholicus375 viewsNome em Inglês

Tropical Kingbird

Adapta-se até aos maiores conglomerados urbanos, desde que haja alguma arborização. Pode ser visto no meio de São Paulo ou Rio de Janeiro, por exemplo.
Costuma ficar pousado em poleiros expostos, seja na parte alta da mata, seja em arbustos. Usa também fios, cercas e estruturas criadas pela ação humana.
Ocorre em todo o Brasil e desde os Estados Unidos à quase toda a América do Su. É uma espécie muito observada no estado de Santa Catarina entre setembro e começo de abril, época em que ocorre sua nidificação (dezembro/janeiro). Algumas populações migratórias possuem asas mais pontudas, o que pode ser explicado como uma adaptação para vôos longos.
A população argentina, do Uruguai, grande parte do Paraguai, do extremo sudeste boliviano e do sul do Brasil é migratória, indo para a Amazônia a partir de março/abril. Retornam em outubro, passando pelo Pantanal em abril/maio e em setembro/outubro.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
suiriri.jpg
Suiriri - Tyrannus melancholicus373 viewsNome em Inglês

Tropical Kingbird

Adapta-se até aos maiores conglomerados urbanos, desde que haja alguma arborização. Pode ser visto no meio de São Paulo ou Rio de Janeiro, por exemplo.
Costuma ficar pousado em poleiros expostos, seja na parte alta da mata, seja em arbustos. Usa também fios, cercas e estruturas criadas pela ação humana.

Ocorre em todo o Brasil e desde os Estados Unidos à quase toda a América do Sul. É uma espécie muito observada no estado de Santa Catarina entre setembro e começo de abril, época em que ocorre sua nidificação (dezembro/janeiro).
Algumas populações migratórias possuem asas mais pontudas, o que pode ser explicado como uma adaptação para vôos longos.

A população argentina, do Uruguai, grande parte do Paraguai, do extremo sudeste boliviano e do sul do Brasil é migratória, indo para a Amazônia a partir de março/abril. Retornam em outubro, passando pelo Pantanal em abril/maio e em setembro/outubro.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
gaturamo-verdadeiro-femea.jpg
Gaturamo verdadeiro - Euphonia violacea - (fêmea)372 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tesourao-femea.jpg
Tesourão - Fregata magnificens - (fêmea)361 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
sanhacu-do-coqueiro.jpg
Sanhaço-do-coqueiro - Thraupis palmarum360 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-toco.jpg
Tucanucu / Tucano toco - Ramphastos toco358 viewsNome em Inglês

Toco Toucan

Família: Ramphastidae

Hábitos

Vive aos pares ou em bandos de até 20 indivíduos que voam em fila indiana. Habitam as matas de galeria, cerrado, capões; única espécie da família Ramphastidae que não vive exclusivamente na floresta, sobrevoa freqüentemente os campos abertos e rios largos; gosta de pousar sobre árvores altaneiras. Menos sociável que os outros tucanos. Os ocos também são usados para dormir. Inicialmente, coloca o bico sobre as costas e, em seguida, cobre-se com a cauda. Essa posição de dormida também é usada quando dorme no meio das folhas da parte superior da copa das árvores.
De larga distribuição em regiões campestres do interior, da Amazônia ao Paraguai, Bolívia e Argentina.

Reprodução

Faz seu ninho em árvores ocas, buracos em barrancos ou em cupinzeiros. Costuma botar de dois a quatro ovos, que são incubados por período de 16 a 18 dias. O macho costuma alimentar a fêmea na época da reprodução. Seus predadores são: os macacos que saqueiam o ninho e os gaviões. Vivem em casais no período reprodutivo, formando bandos após a saída dos filhotes dos ninhos.

Alimentação

Sua dieta consiste basicamente de frutas, insetos e artrópodes, mas também costuma saquear ninhos de outras aves e devorar ovos e filhotes. Devido a essa característica, são prontamente perseguidos pelas aves em período reprodutivo.

REFERÊNCIAS: - Aves Pantanal / WikiAves
tucano-de-bico-preto-4.jpg
Tucano-de-bico-preto - (Ramphastos vitellinus)358 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
beija-flor-rubi-1.jpg
Beija flor rubi - Clytolaema rubricauda352 viewsNome em Inglês

Brazilian Ruby

Na época de reprodução o macho realiza semi-circulos em volta da fêmea abrindo e fechando as asas, causando contraste com as penas claras da cauda ao mesmo tempo em que exibe o a cor rubi brilhante da garganta.

Constrói o ninho em formato de tigela com de fiapos de material macio (xaxim) e externamente enfeitado com pedaços de liquens grudados com teia de aranha. Geralmente é colocado num ramo horizontal ou forquilha de galhos.

Como a maior parte das espécies de beija-flor, a fêmea põe 2 ovos brancos e é responsável pela nidificação e alimentação dos filhotes.


REFERÊNCIAS: - WikiAves
periquito-rico-1.jpg
Periquito rico - Brotogeris tirica352 viewsNome em Inglês

Plain Parakeet

Família: Psittacidae

Habita florestas, áreas abertas, parques e jardins. Imitam com perfeição a vocalização de outros pássaros.
Ocorrem no Brasil Oriental, de Alagoas e da Bahia ao Rio Grande do Sul, ave típica da Mata Atlântica.

Costuma procurar seu alimento nas copas das árvores mais altas. Utiliza o bico como um terceiro pé: usa as patas para segurar a comida, levando-a a boca.

Reprodução

Vive em casais, ao que se sabe permanecem unidos por toda a vida.
Constroem ninhos em cavidades de árvores ou nas bainhas foliares de palmeiras, junto ao tronco.

Alimentação

Gostam de frutas, coquinhos de todos os tipos e também do fruto da paineira, que perfuram e roubam as sementes nos meses de junho a agosto . Também não desprezam as flores adocicadas do suinã, flores, néctar, jerivá, mangueiras, jabuticabeiras, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros, e provavelmente insetos e suas larvas. Um dos belos freqüentadores dos comedouros com frutos disponíveis nas cidades.

REFERÊNCIAS: - WikiAves



maria-preta-de-garganta-vermelha~0.jpg
Maria-preta-de-garganta-vermelha - Knipolegus nigerrimus351 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
tucanucu-2.jpg
Tucanucu / Tucano toco - Ramphastos toco351 viewsNome em Inglês

Toco Toucan

Família: Ramphastidae

Hábitos

Vive aos pares ou em bandos de até 20 indivíduos que voam em fila indiana. Habitam as matas de galeria, cerrado, capões; única espécie da família Ramphastidae que não vive exclusivamente na floresta, sobrevoa freqüentemente os campos abertos e rios largos; gosta de pousar sobre árvores altaneiras. Menos sociável que os outros tucanos. Os ocos também são usados para dormir. Inicialmente, coloca o bico sobre as costas e, em seguida, cobre-se com a cauda. Essa posição de dormida também é usada quando dorme no meio das folhas da parte superior da copa das árvores.
De larga distribuição em regiões campestres do interior, da Amazônia ao Paraguai, Bolívia e Argentina.

Reprodução

Faz seu ninho em árvores ocas, buracos em barrancos ou em cupinzeiros. Costuma botar de dois a quatro ovos, que são incubados por período de 16 a 18 dias. O macho costuma alimentar a fêmea na época da reprodução. Seus predadores são: os macacos que saqueiam o ninho e os gaviões. Vivem em casais no período reprodutivo, formando bandos após a saída dos filhotes dos ninhos.

Alimentação

Sua dieta consiste basicamente de frutas, insetos e artrópodes, mas também costuma saquear ninhos de outras aves e devorar ovos e filhotes. Devido a essa característica, são prontamente perseguidos pelas aves em período reprodutivo.

REFERÊNCIAS: - Aves Pantanal / WikiAves
atoba-pardo.jpg
Atobá-pardo - Sula leucogaster346 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
saira-sete-cores~1.jpg
Saira-sete-cores345 views
periquito-rico.jpg
Periquito rico - Brotogeris tirica344 viewsNome em Inglês

Plain Parakeet

Família: Psittacidae

Habita florestas, áreas abertas, parques e jardins. Imitam com perfeição a vocalização de outros pássaros.
Ocorrem no Brasil Oriental, de Alagoas e da Bahia ao Rio Grande do Sul, ave típica da Mata Atlântica.

Costuma procurar seu alimento nas copas das árvores mais altas. Utiliza o bico como um terceiro pé: usa as patas para segurar a comida, levando-a a boca.

Reprodução

Vive em casais, ao que se sabe permanecem unidos por toda a vida.
Constroem ninhos em cavidades de árvores ou nas bainhas foliares de palmeiras, junto ao tronco.

Alimentação

Gostam de frutas, coquinhos de todos os tipos e também do fruto da paineira, que perfuram e roubam as sementes nos meses de junho a agosto . Também não desprezam as flores adocicadas do suinã, flores, néctar, jerivá, mangueiras, jabuticabeiras, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros, e provavelmente insetos e suas larvas. Um dos belos freqüentadores dos comedouros com frutos disponíveis nas cidades.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
barbudo-rajado.jpg
Barbudo-rajado - Malacoptila striata343 viewsFoto Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
ft75-01a.jpg
Caracará - Caracara plancus343 viewsNome em Inglês

Southern Caracara

Ocorre em campos abertos, cerrados, borda de matas e inclusive centros urbanos de grandes cidades.
Vive solitário, aos pares ou em grupos. Pousa em árvores ou cercas, sendo freqüentemente observado no chão, junto à queimadas e ao longo de estradas. Durante a noite ou nas horas mais quentes do dia, costuma ficar pousado nos galhos mais altos, sob a copa de árvores isoladas ou nas matas ribeirinhas.
Possui uma distribuição geográfica ampla, que vai da Argentina até o Sul dos Estados Unidos, ocupando toda uma variedade de ecossistemas, fora a cordilheira dos Andes sua maior população se encontra no sudeste e nordeste do Brasil.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
gaviao-caramujeiro-1.jpg
Gavião-caramujeiro343 viewsFoto - Afonso de Bragança
tie-sangue-1~0.jpg
Tiê-sangue343 views
beija-flor-rubi.jpg
Beija flor rubi - Clytolaema rubricauda342 viewsNome em Inglês

Brazilian Ruby

Na época de reprodução o macho realiza semi-circulos em volta da fêmea abrindo e fechando as asas, causando contraste com as penas claras da cauda ao mesmo tempo em que exibe o a cor rubi brilhante da garganta.

Constrói o ninho em formato de tigela com de fiapos de material macio (xaxim) e externamente enfeitado com pedaços de liquens grudados com teia de aranha. Geralmente é colocado num ramo horizontal ou forquilha de galhos.

Como a maior parte das espécies de beija-flor, a fêmea põe 2 ovos brancos e é responsável pela nidificação e alimentação dos filhotes.


REFERÊNCIAS: - WikiAves
arapacu-de-cerrado~0.jpg
Arapaçu-de-cerrado - Lepidocolaptes angustirostris342 viewsFoto Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
gaviao-carijo~0.jpg
Gavião-carijó - Rupornis magnirostris341 viewsFoto - Afonso de Bragança

O gavião-carijó (Rupornis magnirostris) é uma ave de rapina da família Accipitridae.
Encontrado em diferentes ambientes, ocorrendo do México à Argentina e em todo o Brasil. É a espécie predominante no Brasil. É o terror dos galinheiros. Também é conhecido pelos nomes de anajé, gavião-indaié, gavião-pinhel, gavião-pega-pinto, inajé, gavião-pinhé, indaié, pega-pinto e papa-pinto.
gaviao-pombo-pequeno-3.jpg
Gavião-pombo-pequeno - Amadonastur lacernulatus340 viewsFoto - Paulo Dias

Espécie endêmica do Brasil. O gavião-pombo-pequeno é uma ave da família Accipitridae.
Ocorre na Floresta Atlântica do Brasil Oriental do Rio Grande do Norte até Santa Catarina.
joao-bobo-1~0.jpg
João-bobo340 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
bigodinho-1~0.jpg
Bigodinho338 views
ft100-05a.JPG
Risadinha337 views
japu.jpg
Japu - Psarocolius decumanus337 views
viuvinha-1.jpg
Viuvinha336 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
tucano-de-bico-verde.jpg
Tucano-de-bico-verde - Ramphastos dicolorus336 views
Pica-pau-do-campo.JPG
Pica-pau-do-campo - Colaptes campestris333 viewsNome em Inglês

Campo Flicker

Podemos encontrá-los em campos e cerrados, vive em casais e, às vezes em pequenos grupos, desde o Suriname até á Argentina, ocorre em quse todo o Brasil com maior frequência nas regiões sul e sudeste.
Alimenta-se de insetos, principalmente formigas e cupins.
Tem duas subespécies que se distinguem pela cor da garganta.
A Colaptes campestris campestris tem garganta negra.
A Colaptes campestris campestroides tem garganta branca.

Fotos e Informações:Edgard Thomas
gaviao-caramujeiro~0.jpg
Gavião-caramujeiro333 viewsFoto - Afonso de Bragança
lavadeira~0.jpg
Lavadeira-mascarada333 views
gaviao-de-cauda-curta.jpg
Gavião-de-cauda-curta - Buteo brachyurus332 viewsFoto Flávio Pereira

O gavião-de-cauda-curta é uma ave da família Accipitridae.
Ocorre desde o sul dos Estados Unidos (Flórida) e México até a Argentina e Paraguai, e em todo o Brasil.
tiriba.jpg
Tiriba-de-testa-vermelha332 views
coleirinho~0.jpg
Coleirinho - Sporophila caerulescens331 viewsFoto Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
toco.jpg
Tucanuçu - (Ramphastos toco)331 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
gavio-carijo-1~0.jpg
Gavião-carijó - Rupornis magnirostris331 viewsFoto - Afonso de Bragança

O gavião-carijó (Rupornis magnirostris) é uma ave de rapina da família Accipitridae.
Encontrado em diferentes ambientes, ocorrendo do México à Argentina e em todo o Brasil. É a espécie predominante no Brasil. É o terror dos galinheiros. Também é conhecido pelos nomes de anajé, gavião-indaié, gavião-pinhel, gavião-pega-pinto, inajé, gavião-pinhé, indaié, pega-pinto e papa-pinto.
suiriri~1.jpg
Suiriri331 views
carijo.jpg
Gavião-carijó331 views
beija-flor-preto.jpg
Beija flor preto - Florisuga fusca330 views
Nome em Inglês

Black Jacobin

Encontrado à beira da mata, capoeira, jardins, bananais, freqüentemente em copas de árvores altas. Parece manter-se mais parado no ar do que os outros beija-flores, sempre exibindo suas cores contrastantes.

Ocorre da Paraíba ao Rio Grande do Sul. É a espécie mais freqüente de beija-flor em algumas regiões do estado do Rio de Janeiro durante o verão.

Utiliza teias de aranha e de sementes com paina para tecer seus ninhos, em forma de uma pequena tigela e fixado com fios na vegetação.

A base da alimentação é o açúcar, mas também alimenta-se de pequenos invertebrados, principalmente aracnídeos.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
tie-sangue-o.jpg
Tie-sangue - Ramphocelus bresilius330 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
gaviao-caboclo-o.jpg
Gavião-caboclo - Heterospizias meridionalis330 viewsFoto - Paulo Dias

O gavião-caboclo, também conhecido pelos nomes de gavião-casaca-de-couro, gavião-telha, gavião-fumaça e gavião-tinga , é um gavião campestre da família dos acipitrídeos, que ocorre do Panamá à Argentina e em todo o Brasil, porém na Amazônia apenas em alguns locais, como o leste do Pará e a região do Baixo Amazonas. Comum em campos, pastagens, borda de alagados, manguezais, pequenas florestas de eucaliptos em áreas campestres e no cerrado.
gaviao-pombo-grande.jpg
Gavião-pombo-grande - Pseudastur polionotus330 viewsFoto - Roberto Guimarães

O gavião-pombo-grande (Pseudastur polionotus) é um ave da família Accipitridae.
O gavião-pombo-grande mede entre 48 e 53 cm, com a região do dorso e asas cinza escuro, quase negro, e algumas coberteiras margeadas de branco. A cabeça, nuca e região do peito e ventre são de um branco imaculado, enquanto a cauda curta apresenta cor preta da base até a região mediana, branca no restante.
Ocorre na faixa litorânea do Brasil oriental, nordeste da Argentina e Paraguai.
gaviao-pato.jpg
Gavião-pato - Spizaetus melanoleucus329 viewsFoto - Paulo Dias

O gavião-pato é uma ave da família Accipitridae.
Ocorre na região neotropical, tem uma ampla, embora descontinua, distribuição, ocorrendo desde o México à Argentina; é considerado escasso na maioria dos locais de ocorrência. De acordo com a Birdlife International, das três espécies brasileiras do gênero Spizaetus, o gavião-pato tem a mais reduzida área de distribuição e é considerado o mais raro.
gaviao-pombo-pequeno.jpg
Gavião-pombo-pequeno - Amadonastur lacernulatus329 viewsFoto - Paulo Dias

Espécie endêmica do Brasil. O gavião-pombo-pequeno é uma ave da família Accipitridae.
Ocorre na Floresta Atlântica do Brasil Oriental do Rio Grande do Norte até Santa Catarina.
bigodinho.jpg
Bigodinho - Sporophila lineola328 viewsNome em Inglês

Lined Seedeater


Costuma formar bandos mistos com outros papa-capins no período de descanso. Sobe nos pendões de gramíneas para comer as sementes.

Presente no Brasil, como residente, nos estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo e Bahia. Durante o inverno da região sul migra para a Amazônia e para os estados do Nordeste. No Espírito Santo e Paraná aparece em dezembro para nidificar e desaparece em março e abril, começando a surgir no leste do Maranhão e Piauí a partir de maio. Encontrado também na Argentina, Paraguai e Bolívia, como residente, e nos demais países da Amazônia - Guianas, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia -, como migrante durante o inverno.

Vive em pares espalhados durante o período reprodutivo. Tem de 2 a 4 ninhadas por ano, com 2 a 3 ovos em cada uma.

Como nas demais espécies do grupo, o macho demarca o território, cabendo à fêmea toda a tarefa reprodutiva.

Alimenta-se basicamente de sementes.


REFERÊNCIAS: - Aves Pantanal
trinca-ferro-1.jpg
Trinca-ferro - Saltator similis328 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
tesourao.jpg
Tesourão - Fregata magnificens327 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
gaviao-pombo-pequeno-1.jpg
Gavião-pombo-pequeno - Amadonastur lacernulatus327 viewsFoto - Paulo Dias

Espécie endêmica do Brasil. O gavião-pombo-pequeno é uma ave da família Accipitridae.
Ocorre na Floresta Atlântica do Brasil Oriental do Rio Grande do Norte até Santa Catarina.
FtRAW108-10a.jpg
Tucanuçu - Tucano toco - Ramphastos toco326 viewsNome em Inglês

Toco Toucan

Família: Ramphastidae

Hábitos

Vive aos pares ou em bandos de até 20 indivíduos que voam em fila indiana. Habitam as matas de galeria, cerrado, capões; única espécie da família Ramphastidae que não vive exclusivamente na floresta, sobrevoa freqüentemente os campos abertos e rios largos; gosta de pousar sobre árvores altaneiras. Menos sociável que os outros tucanos. Os ocos também são usados para dormir. Inicialmente, coloca o bico sobre as costas e, em seguida, cobre-se com a cauda. Essa posição de dormida também é usada quando dorme no meio das folhas da parte superior da copa das árvores.
De larga distribuição em regiões campestres do interior, da Amazônia ao Paraguai, Bolívia e Argentina.

Reprodução

Faz seu ninho em árvores ocas, buracos em barrancos ou em cupinzeiros. Costuma botar de dois a quatro ovos, que são incubados por período de 16 a 18 dias. O macho costuma alimentar a fêmea na época da reprodução. Seus predadores são: os macacos que saqueiam o ninho e os gaviões. Vivem em casais no período reprodutivo, formando bandos após a saída dos filhotes dos ninhos.

Alimentação

Sua dieta consiste basicamente de frutas, insetos e artrópodes, mas também costuma saquear ninhos de outras aves e devorar ovos e filhotes. Devido a essa característica, são prontamente perseguidos pelas aves em período reprodutivo.

REFERÊNCIAS: - Aves Pantanal / WikiAves

sai-canario.jpg
Saí-canario326 views
beija-flor-de-fronte-violeta.jpg
Beija flor de fronte violeta - Thalurania glaucopis325 viewsNome em Inglês - Violet-capped Woodnymph

Habita florestas altas, capoeiras e jardins, é muito agressivo, toma banho na chuva, tem necessidade de limpeza devido ao constante contato com o líquido viscoso das flores.

om um bico de 1,8 centímetros e uma língua que quando esticada alcança 4 centímetros, alimenta-se de néctar. Ás vezes fura o tufo de flôr do lado de fora, atacando diretamente o seu precioso líquido.

Presente da Bahia e Minas Gerais ao Rio Grande do Sul, para oeste até o Mato Grosso. Encontrado também no Uruguai, Paraguai e Argentina.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
saracura-do-mato~0.jpg
Saracura-do-mato325 views
gaviao-bombachinha-2.jpg
Gavião-bombachinha - Harpagus diodon324 viewsFoto - Flávio Pereira

Ele se distribui em todo o Brasil, Guianas, Venezuela, Bolívia, Paraguai e norte da Argentina.
Alimenta-se principalmente de insetos e de pássaros pequenos. Persegue as formigas de correição para apanhar animais espantados por ela.
gaviao-pato-o.jpg
Gavião-pato - Spizaetus melanoleucus324 viewsFoto - Paulo Dias

O gavião-pato é uma ave da família Accipitridae.
Ocorre na região neotropical, tem uma ampla, embora descontinua, distribuição, ocorrendo desde o México à Argentina; é considerado escasso na maioria dos locais de ocorrência. De acordo com a Birdlife International, das três espécies brasileiras do gênero Spizaetus, o gavião-pato tem a mais reduzida área de distribuição e é considerado o mais raro.
trinca-ferro-3.jpg
Trinca-ferro-verdadeiro - Saltator similis323 viewsFoto Edgard Thomas

MAIS INFORMAÇÕES
arara-vermelha-grande.jpg
Arara-vermelha-grande -323 views
FtRAW188-31a.jpg
Bem-te-vi322 views
tiziu.jpg
Tiziu - Volatinia jacarina321 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
tiziu-femea.jpg
Tiziu - Volatinia jacarina321 viewsFoto Edgard Thomas

MAIS INFORMAÇÕES
FtRAW108-12a.jpg
Tucanuçu - Tucano toco - Ramphastos toco320 viewsNome em Inglês

Toco Toucan

Família: Ramphastidae

Hábitos

Vive aos pares ou em bandos de até 20 indivíduos que voam em fila indiana. Habitam as matas de galeria, cerrado, capões; única espécie da família Ramphastidae que não vive exclusivamente na floresta, sobrevoa freqüentemente os campos abertos e rios largos; gosta de pousar sobre árvores altaneiras. Menos sociável que os outros tucanos. Os ocos também são usados para dormir. Inicialmente, coloca o bico sobre as costas e, em seguida, cobre-se com a cauda. Essa posição de dormida também é usada quando dorme no meio das folhas da parte superior da copa das árvores.
De larga distribuição em regiões campestres do interior, da Amazônia ao Paraguai, Bolívia e Argentina.

Reprodução

Faz seu ninho em árvores ocas, buracos em barrancos ou em cupinzeiros. Costuma botar de dois a quatro ovos, que são incubados por período de 16 a 18 dias. O macho costuma alimentar a fêmea na época da reprodução. Seus predadores são: os macacos que saqueiam o ninho e os gaviões. Vivem em casais no período reprodutivo, formando bandos após a saída dos filhotes dos ninhos.

Alimentação

Sua dieta consiste basicamente de frutas, insetos e artrópodes, mas também costuma saquear ninhos de outras aves e devorar ovos e filhotes. Devido a essa característica, são prontamente perseguidos pelas aves em período reprodutivo.

REFERÊNCIAS: - Aves Pantanal / WikiAves

tietinga.jpg
Tietinga - Cissopis leverianus320 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
gaviao-tesoura-2.jpg
Gavião-tesoura320 views
arapacu-verde.jpg
Arapaçu verde - Sittasomus griseicapillus319 viewsNome em Inglês

Olivaceous Woodcreeper

O menor arapaçu do interior das matas, cerradões e matas secas. Vivem sós ou em casais. Possuem um chamado longo, pios agudos acelerados no início e descendente no final, muito característico.

Apanham insetos sobre a casca e em pequenos buracos no tronco. Associam-se a outras aves seguindo formigas de correição, apanhando insetos espantados pela caçada das formigas.
bandeirinha-1.jpg
Bandeirinha - Chlorophonia cyanea319 viewsNome em Inglês

Blue-naped Chlorophonia

Esta ave é conhecida por possuir as cores da bandeira brasileira, o que lhe valeu o apelido de bandeirinha.

Alimentação:

Frutinhas da mata, pequenas larvas, folhas e também néctar. Aprecia a erva-de-passarinho, planta frequente nas cidades.

Reprodução:

O ninho é redondo e bem escondido dentro de bromélias, no penacho dos coqueiros ou na barba-de-velho. Macho e fêmea trabalham juntos para construir o ninho. Põe de 2 a 3 ovos, sendo o período de incubação de 17 dias.

Ocorre da Bahia e Minas ao Rio Grande do Sul e Paraguai.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
pintor-verdadeiro~0.jpg
Pintor-verdadeiro - Tangara fastuosa319 viewsFoto Marcus Lameiras

MAIS INFORMAÇÕES
gaviaozinho~0.jpg
Gaviaozinho - Gampsonyx swainsonii319 viewsFoto - Edgard Thomas

O gaviãozinho é uma ave da família Accipitridae. É o menor gavião de ocorrência no Brasil.
Podemos encontrá-los em quase todo o Brasil, desde a Amazônia até os estados de Minas Gerais e São Paulo. Encontrado também da Nicarágua até o Paraguai e Argentina.
arara-vermelha-grande-3.jpg
Arara-vermelha-grande318 viewsFoto - Afonso de Bragança
urubu-de-cabeca-vermelha~2.jpg
Urubu-de-cabeça-vermelha318 views
Ft560R2AW16-05a.jpg
Bico-chato-de-orelha-preta317 views
FtRAW188-30a.jpg
Tesourinha317 views
tie-preto-o.jpg
Tie-preto - [í]Tachyphonus coronatus317 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
jandaia-de-testa-vermelha.jpg
Jandaia-de-testa-vermelha - 317 viewsFoto - Flávio Pereira
ft97-05a.jpg
João-de-Barro316 views
tie-galo-3.jpg
Tie-galo - Lanio cristatus316 viewsFoto Afonso de Bragança

Mais informações sobre esta ave.
tie-sangue~0.jpg
Tie-sangue - Ramphocelus bresilius316 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
trinca-ferro.jpg
Trinca-ferro - Saltator similis316 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
campainha-azul-2.jpg
Campainha-azul - Porphyrospiza caerulescens316 viewsFoto Edgard Thomas

MAIS INFORMAÇÕES
periquito-rei-2.jpg
Periquito-rei -316 views
FtRAW190-03a.jpg
Urutau - Nyctibius griseus314 views
Foto - Edgard Thomas


Leia mais sobre esta espécie.
sanhacu-do-coqueiro-2.jpg
Sanhaço-do-coqueiro - Tangara palmarum314 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
tie-galo.jpg
Tie-galo - Lanio cristatus314 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
tie-galo-femea.jpg
Tie-galo - Lanio cristatus314 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
arara-vermelha-grande-2.jpg
Arara-vermelha-grande - 314 views
quero-quero~0.jpg
Quero-quero314 views
cardeal-3.jpg
Cardeal-do-nordeste - Paroaria dominicana313 viewsFoto - Edgard Thomas

MAIS INFORMAÇÕES
sanhacu-frade-1~0.jpg
Sanhaçu-frade - Stephanophorus diadematus313 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
coleirinho-1~0.jpg
Coleirinho - Sporophila caerulescens313 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
ararajuba-1.jpg
Ararajuba - 313 viewsFoto - Marcus Ávila
periquitao-maracana~2.jpg
Periquitão - 313 views
gaviao-caboclo.jpg
Gavião-caboclo - Heterospizias meridionalis313 viewsFoto - Afonso de Bragança

O gavião-caboclo, também conhecido pelos nomes de gavião-casaca-de-couro, gavião-telha, gavião-fumaça e gavião-tinga , é um gavião campestre da família dos acipitrídeos, que ocorre do Panamá à Argentina e em todo o Brasil, porém na Amazônia apenas em alguns locais, como o leste do Pará e a região do Baixo Amazonas. Comum em campos, pastagens, borda de alagados, manguezais, pequenas florestas de eucaliptos em áreas campestres e no cerrado.
Ft560R2AW16-04a.jpg
Bico-chato-de-orelha-preta312 views
sanhacu-frade-2~0.jpg
Sanhaçu-frade - Stephanophorus diadematus312 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
sanhacu-cinzento-2.jpg
Sanhaço-cinzento - [í]Tangara sayaca311 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
tucano-bico-verde.jpg
Tucano-de-bico-verde - (Ramphastos dicolorus)311 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
arara-vermelha-grande-1.jpg
Arara-vermelha-grande -311 views
FtRAW190-01a.jpg
Urutau - Nyctibius griseus310 views
Foto - Edgard Thomas


Leia mais sobre esta espécie.
tie-de-topete~1.jpg
Tie-de-topete - Lanio melanops310 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
maracana-verdadeira-1.jpg
Periquitão -310 views
gaviao-bombachinha-1.jpg
Gavião-bombachinha - Harpagus diodon310 viewsFoto - Flávio Pereira

Ele se distribui em todo o Brasil, Guianas, Venezuela, Bolívia, Paraguai e norte da Argentina.
Alimenta-se principalmente de insetos e de pássaros pequenos. Persegue as formigas de correição para apanhar animais espantados por ela.
sanhacu-frade-2.jpg
Sanhaçu frade - Stephanophorus diadematus309 viewsNome Inglês

Diademed Tanager

Podemos encontrá-los em casais ou em bandos, nos estados Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Paraná,Santa Catarina e Rio Grande do Sul, principalmente em regiões serranas mais altas. Faz ninho tipo taça, atingindo a maturidade sexual por volta de um ano de idade, cada ninhada geralmente tem entre 3 e 4 ovos, tendo de 2 a 3 ninhadas por temporada, o período de incubação dura 13 dias.
Alimenta-se de frutos, geralmente no solo ou em pequenos arbustos.
ft69-06a.jpg
Peitica-de-chapéu-preto - Griseotyrannus aurantioatrocristatus309 viewsNome em Inglês

Crowned Slaty Flycatcher

Hábitos

Nunca forma bandos, estando solitário ou com outra ave próxima, no máximo. Pousa em galhos visíveis, fios de eletricidade ou de cerca, moirões e outros locais expostos, de onde voa para caçar insetos e retorna ao ponto de saída.

Ocorre em todo o centro-oeste. A população passando pelo Pantanal deve reproduzir-se no Paraguai e Argentina, com suas áreas de invernada na Amazônia Ocidental.
Migratório, passa de agosto a outubro para o sul, retornando em março/abril. Nessas ocasiões, pode ser observado em qualquer ambiente.

Alimentação

Geralmente calado, além dos insetos come pequenos frutos, pegos em vôos até a árvore e retornando ao poleiro escolhido.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
FtRAW190-02a.jpg
Urutau - Nyctibius griseus309 views
Foto - Edgard Thomas


Leia mais sobre esta espécie.
tie-de-topete-1.jpg
Tie-de-topete - Lanio melanops309 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
tie-preto~0.jpg
Tie-preto - Tachyphonus coronatus309 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
arara-azul-grande.jpg
Arara-azul - Anodorhynchus hyacinthinus309 views
pica-pau-de-banda-branca.jpg
Pica-pau-de-banda-branca309 views
beija-flor-preto-1.jpg
Beija flor preto - Florisuga fusca308 viewsNome em Inglês

Black Jacobin

Encontrado à beira da mata, capoeira, jardins, bananais, freqüentemente em copas de árvores altas. Parece manter-se mais parado no ar do que os outros beija-flores, sempre exibindo suas cores contrastantes.

Ocorre da Paraíba ao Rio Grande do Sul. É a espécie mais freqüente de beija-flor em algumas regiões do estado do Rio de Janeiro durante o verão.

Utiliza teias de aranha e de sementes com paina para tecer seus ninhos, em forma de uma pequena tigela e fixado com fios na vegetação.

A base da alimentação é o açúcar, mas também alimenta-se de pequenos invertebrados, principalmente aracnídeos.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
FtRAW143-15a.jpg
Guaracava-de-barriga-amarela308 views
periquito-rei~0.jpg
Periquito-rei -308 views
ft75-06a.jpg
Suiriri-cinzento - Suiriri suiriri307 viewsNome em Inglês

Suiriri Flycatcher


Alimenta-se predominantemente de artrópodes. O ninho é em forma de cesto raso, sendo construído com fibras vegetais e forrado por painas, sendo todas essas camadas firmemente unidas por grande quantidade de teia de aranha. O seu exterior é ornamentado com liquens e fragmentos de folhas secas. O ninho é apoiado pela base e laterais entre dois ou mais ramos divergentes.
Há um estudo que cita uma redução na população de suiriris-cinzentos após queimadas numa região de cerrado. Este estudo associa este resultado à perda das árvores que esta ave usa como poleiro após as queimadas. É encontrada na Argentina, Uruguai e em algumas partes do Brasil como, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
ft83-01a.jpg
Bem-te-vi - Pitangus sulphuratus307 views
Nome em Inglês

Great Kiskadee

Hábitos

São agressivos, ameaçam até gaviões e urubús quando esses se aproximam de seu “território”. Costumam pousar em lugares salientes como postes e topos de árvores. Pode-se vê-lo facilmente cantando em fios de telefone, em telhados ou banhando-se nos tanques ou chafarizes das praças públicas. Como podemos ver, possui grande capacidade de adaptação. É um dos primeiros a cantar ao amanhecer. Anda geralmente sozinho, mas pode ser visto em grupos de três ou quatro que se reúnem habitualmente em antenas de televisão.É ave típica da América Latina, com uma distribuição geográfica que se estende predominantemente do sul do México à Argentina, em uma área estimada em 16.000.000 km².

Entretanto, pode também ser encontrada no sul do Texas e na ilha de Trinidad. Foi introduzida nas Bermudas em 1957, importadas de Trinidad,e na década de 1970 em Tobago. Nas Bermudas, são a terceira espécie de ave mais comum, podendo atingir densidades populacionais de 8 a 10 pares por hectare.

Reprodução

Faz ninho grande e esférico, com capim e pequenas ramas de vegetais em galhos de árvores geralmente bem cerradas, com entrada lateral; porém, já foram encontrados ninhos em formato de xícara aberta. Pode utilizar para construir o seu ninho, sobretudo em zonas urbanas, material de origem humana, como papel, plástico e fios. Põe de 2 a 4 ovos de cor creme com poucas marcas marrom-avermelhadas. Existem muitos registros de nidificação em cavidades em arvores, rochas e estruturas artificiais, em vários países; é, portanto, ave cavinidícola (que nidifica em cavidades).

Alimentação

Possui uma variada alimentação. É insetívoro, podendo devorar centenas de insetos diariamente. Mas também come frutas (como bananas, mamões, maçãs, laranjas, pitangas e muitas outras), ovos de outros pássaros, flores de jardins, minhocas, pequenas cobras, lagartos, crustáceos, além de peixes e girinos de rios e lagos de pouca profundidade. Costuma comer parasitas (carrapatos) de bovinos e eqüinos. Apesar de ser mais comum vê-lo capturar insetos pousados em ramos, também é comum atacá-los durante o vôo.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
ararajuba.jpg
Ararajuba - 307 viewsFoto - Marcus Ávila
ft99-03a.jpg
Anu-branco306 views
Ft560R2AW16-07a.jpg
Guaracava-de-barriga-amarela - Elaenia flavogaster306 views
Foto - Edgard Thomas


Leia mais sobre esta espécie.
tucano-bico-preto-ninho.jpg
Tucano-de-bico-preto - (Ramphastos vitellinus)306 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
periquitao-maracana-1.jpg
Periqutão - 306 viewsFoto - Afonso de Bragança
tucanucu.jpg
Tucanuçu306 views
Ft560RAW48-26a.jpg
Pato-do-mato305 views
periquito-rei-casal.jpg
Periquito-rei - 305 viewsFoto - Afonso de Bragança
Ft560R2AW07-08a.jpg
João-de-barro304 views
FtRAW188-26a.jpg
Peitica-de-chapéu-preto304 views
FtRAW188-28a.jpg
Pica-pau-verde-barrado304 views
tucano-toco-0.jpg
Tucanuçu - (Ramphastos toco)304 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
jandaia-de-testa-amarela.jpg
Jandaia-de-testa-amarela304 viewsFoto - Flávio Pereira
tiziu~0.jpg
Tiziu304 views
saira-de-chapeu-preto-10.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata304 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
FtRAW101-10a.jpg
Saí-azul303 views
gaviao-belo-2~0.jpg
Gavião-belo - Busarellus nigricollis303 viewsFoto - Afonso de Bragança

O gavião-belo é uma ave da família Accipitridae.
Conhecido também como gavião-lavadeira, gavião-velho, gavião-padre, gavião-panema e gavião-balaio.
O gavião-belo mede entre 46 e 53 centímetros, com uma envergadura total que varia entre 1,10 e 1,30 metros.
Nos adultos, a cabeça é de coloração branco encardido, com uma coroa ligeiramente manchada de marrom escuro. O manto, asas e cauda é completamente laranja-marrom com listras pretas finas restritas a raque das penas. O peito e a garganta são claros. Apresenta uma mancha negra crescente no pescoço. O ventre é vermelho-alaranjado. O crisso é castanho claro. As primárias são completamente negras. As terciárias são vermelho-alaranjado com grandes margens escuras
Ocorre em quase todo o Brasil e também do México à Argentina.
gaviao-belo-4~0.jpg
Gavião-belo - Busarellus nigricollis303 viewsFoto - Afonso de Bragança

O gavião-belo é uma ave da família Accipitridae.
Conhecido também como gavião-lavadeira, gavião-velho, gavião-padre, gavião-panema e gavião-balaio.
O gavião-belo mede entre 46 e 53 centímetros, com uma envergadura total que varia entre 1,10 e 1,30 metros.
Nos adultos, a cabeça é de coloração branco encardido, com uma coroa ligeiramente manchada de marrom escuro. O manto, asas e cauda é completamente laranja-marrom com listras pretas finas restritas a raque das penas. O peito e a garganta são claros. Apresenta uma mancha negra crescente no pescoço. O ventre é vermelho-alaranjado. O crisso é castanho claro. As primárias são completamente negras. As terciárias são vermelho-alaranjado com grandes margens escuras
Ocorre em quase todo o Brasil e também do México à Argentina.
suiriri-cavaleiro.jpg
Suiriri-cavaleiro303 views
ft99-06a.jpg
Pica-pau-do-campo301 views
ft99-02a.jpg
Baiano300 views
FtRAW143-08a.jpg
Sanhaçu-cinzento300 views
Ft560RAW48-29a.jpg
Garça-vaqueira300 views
aracari-poca-1.jpg
Araçari-castanho - (Pteroglossus castanotis)300 views
periqutao-maracana-casal~0.jpg
Periquitão -300 views
pica-pau-do-campo-1.jpg
Pica-pau-do-campo300 views
FtRAW143-02a.jpg
Saí-azul (fêmea)299 views
FtRAW143-05a.jpg
Saíra-amarela (macho)299 views
FtRAW143-06a.jpg
Saíra-amarela (macho)299 views
gar06a.jpg
Suiriri - Tyrannus melancholicus298 viewsNome em Inglês

Tropical Kingbird

Adapta-se até aos maiores conglomerados urbanos, desde que haja alguma arborização. Pode ser visto no meio de São Paulo ou Rio de Janeiro, por exemplo.
Costuma ficar pousado em poleiros expostos, seja na parte alta da mata, seja em arbustos. Usa também fios, cercas e estruturas criadas pela ação humana.
Ocorre em todo o Brasil e desde os Estados Unidos à quase toda a América do Sul (Sick,1997). É uma espécie muito observada no estado de Santa Catarina entre setembro e começo de abril, época em que ocorre sua nidificação (dezembro/janeiro). Algumas populações migratórias possuem asas mais pontudas, o que pode ser explicado como uma adaptação para vôos longos.
A população argentina, do Uruguai, grande parte do Paraguai, do extremo sudeste boliviano e do sul do Brasil é migratória, indo para a Amazônia a partir de março/abril. Retornam em outubro, passando pelo Pantanal em abril/maio e em setembro/outubro.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
saira-de-chapeu-preto-7.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata298 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
ft73-05a.jpg
Suiriri-cavaleiro - Machetornis rixosa297 viewsNome em Inglês

Cattle Tyrant

Hábitos

O suiriri-cavaleiro é fácil de ser identificado pelos seus hábitos, especialmente por passar a maior parte do tempo no solo, andando de uma forma que lembra muito o joão-de-barro, vive em paisagens abertas, campos de cultura e parques nas cidades.

Ocorre na região centro-leste do Brasil, distribuindo-se desde a Venezuela até a Bolívia, Argentina e Uruguai. É migratório no sul do Brasil.

Reprodução

Constrói um ninho de gravetos a cerca de 4 m do solo, mas eventualmente pode ocupar o ninho abandonado do joão-de-barro. Os ovos, brancos ou cor de creme, são incubados pelo casal.

Alimentação

Como o próprio nome diz, o comportamento mais conhecido do suiriri-cavaleiro é o seu hábito de seguir bois, antas, capivaras e outros mamíferos grandes para capturar carrapatos e outros parasitas sobre estes animais ou para apanhar os insetos espantados por eles enquanto caminham.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
FtRAW188-27a.jpg
Peitica-de-chapéu-preto297 views
tie-sangue~1.jpg
Tiê-sangue297 views
lavadeira-mascarada.jpg
Lavadeira mascarada - Fluvicola nengeta296 viewsNome em Inglês

Masked Water-Tyrant

Família: Tyrannidae

Hábitos

O seu habitat é, preferencialmente, junto a rios ou lagoas. Vem frequentemente ao chão, mesmo barrento, em busca de alimento. É ave de espaços abertos.
Originária do Sertão e Agreste da região nordeste, hoje podemos encontrá-la em quase todo o território brasileiro.

Reprodução

Seu ninho é feito de gravetos que são geralmente amontoados em árvores próximas a água. É comum ver estas aves em casais.

Alimentação

Alimenta-se de pequenos artrópodes que captura na lama das margens de rios, açudes, brejos e pocilgas, de onde raramente se afasta.
FtRAW102-10a.jpg
Guaracava-modesta296 views
FtRAW143-11a.jpg
Cambacica296 views
FtRAW143-14a.jpg
Saí-andorinha (macho)296 views
tico-tico-rei-cinza~1.jpg
Tico-tico-rei-cinza - Lanio pileatus296 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
gaviao-belo~0.jpg
Gavião-belo - Busarellus nigricollis296 viewsFoto - Afonso de Bragança

O gavião-belo é uma ave da família Accipitridae.
Conhecido também como gavião-lavadeira, gavião-velho, gavião-padre, gavião-panema e gavião-balaio.
O gavião-belo mede entre 46 e 53 centímetros, com uma envergadura total que varia entre 1,10 e 1,30 metros.
Nos adultos, a cabeça é de coloração branco encardido, com uma coroa ligeiramente manchada de marrom escuro. O manto, asas e cauda é completamente laranja-marrom com listras pretas finas restritas a raque das penas. O peito e a garganta são claros. Apresenta uma mancha negra crescente no pescoço. O ventre é vermelho-alaranjado. O crisso é castanho claro. As primárias são completamente negras. As terciárias são vermelho-alaranjado com grandes margens escuras
Ocorre em quase todo o Brasil e também do México à Argentina.
beija-flor-de-papo-branco.jpg
Beija flor de papo branco - Leucochloris albicollis295 viewsNome em Inglês

White-throated Hummingbird


Habita capoeiras, pomares, borda de matas e jardins, é uma espécie migratória, que parece descer a serra do Mar com a chegada do frio, subindo de novo para o planalto na primavera. No entanto, essas migrações altitudinais ainda não foram devidamente estudadas.

Reprodução

Faz seu ninho, uma tigelinha de paina revestida por fora com musgos e liquens, em cima de um ramo horizontal ou uma forquilha. Põe dois ovos brancos, que são incubados apenas pela fêmea.

Alimentação:

Alimenta-se do néctar de flores, por exemplo de bananeira, brinco-de-princesa, esponjinha, eucalipto, flor-de-são-joão, limoeiro, laranjeira, mulungu e paineira. Come também insetos, que captura em vôo.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
FtRAW143-07a.jpg
Saí-azul (fêmea)295 views
Ft560R2AW07-06a.jpg
Bentevizinho-de-asa-ferrugínea295 views
aracari-banana-3.jpg
Araçari-banana - (Pteroglossus bailloni)295 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
tietinga~0.jpg
Tietinga295 views
bandeirinha.jpg
Bandeirinha - Chlorophonia cyanea294 views
Nome em Inglês

Blue-naped Chlorophonia

Esta ave é conhecida por possuir as cores da bandeira brasileira, o que lhe valeu o apelido de bandeirinha.

Alimentação:

Frutinhas da mata, pequenas larvas, folhas e também néctar. Aprecia a erva-de-passarinho, planta frequente nas cidades.

Reprodução:

O ninho é redondo e bem escondido dentro de bromélias, no penacho dos coqueiros ou na barba-de-velho. Macho e fêmea trabalham juntos para construir o ninho. Põe de 2 a 3 ovos, sendo o período de incubação de 17 dias.

Ocorre da Bahia e Minas ao Rio Grande do Sul e Paraguai.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
ft75-02a.jpg
Coruja-buraqueira - Athene cunicularia294 viewsNome em Inglês

Burrowing Owl

Ocorre do Canadá à Terra do Fogo, bem como em quase todo o Brasil com exceção da bacia Amazônica.
Alimenta-se principalmente de insetos, mas pode caçar pequenos roedores, répteis, anfíbios e até pássaros pequenos. Costuma viver em campos, cerrados, pastos, restingas, planícies, praias, aeroportos e terrenos baldios em cidades. Coruja terrícola, tem hábitos diurnos e noturnos, mas é ativa, principalmente durante o crepúsculo, quando faz uso de sua ótima audição. Tem o campo visual limitado, mas essa deficiência é superada pela capacidade de girar a cabeça até 270 graus, o que ajuda na focalização.
Ocupa ambientes alterados pela ação humana, inclusive cidades e pistas de pouso ou aeroportos.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
lavadeira.jpg
Lavadeira-mascarada - Fluvicola nengeta294 views
Ft560R2AW07-03a.jpg
Bentevizinho-de-asa-ferrugínea294 views
Ft560R2AW07-04a.jpg
Bentevizinho-de-asa-ferrugínea294 views
aracari-banana-1~0.jpg
Araçari-banana - (Pteroglossus bailloni)294 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
tucanucu-2~0.jpg
Tucanuçu - (Ramphastos toco)294 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
arara-azul-grande-2.jpg
Arara-azul - Anodorhynchus hyacinthinus294 views
aguia-cinzenta-1.jpg
Águia-cinzenta - Urubitinga coronata294 viewsFoto - Afonso de Bragança

A águia-cinzenta é uma ave da família Accipitridae. Também conhecido como águia-coroada.
Ocorre no Brasil central e leste-meridional, de São Paulo, Minas Gerais até o Rio Grande do Sul.
noivinha.jpg
Noivinha branca - Xolmis velatus293 views
Foto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
ft97-04a.jpg
Suiriri292 views
FtRAW143-04a.jpg
Saí-azul (fêmea)292 views
aracari-castanho.jpg
Araçari-castanho - (Pteroglossus castanotis)292 views
gavio-carijo-1.jpg
Gavião carijó - Rupornis magnirostris291 views
Foto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
dgo04a.jpg
Guaracava-de-barriga-amarela - Elaenia flavogaster291 viewsNome em Inglês:

Yellow-bellied Elaenia

Hábitos

Raramente descem ao solo. Passam a maior parte do tempo subindo às copas das árvores. Costumam empoleirar-se em locais expostos, vivendo em casais ou pequenos grupos familiares. Durante o dia, possuem um canto característico, diferente das outras espécies desse gênero.

Ocorre do México à Bolívia e Argentina, e em todas as regiões do Brasil.

Reprodução

Nas madrugadas do período reprodutivo possui um chamado baixo e grave, repetido continuamente, a primeira parte ascendente, um intervalo e a continuação descendente, no mesmo tom. Seu período de reprodução acontece de julho a novembro. Seu ninho é em forma de tigela funda de fibras vegetais e raízes finas, presa com firmeza sobre um galho horizontal e revestida por fora com uma camuflagem perfeita de líquens e cascas de árvores e a fêmea bota em média 2 ovos de cor creme com manchas vermelhas. A incubação leva cerca de 16 dias e os filhotes desenvolvem a plumagem dentro dos 16 dias após a eclosão.

Alimentação

Muito ativas, movimentam-se por áreas abertas e copas das matas, buscando invertebrados e pequenos frutos. Alimenta-se principalmente de pequenos frutos como amora, erva-de-passarinho, magnólia-amarela e figos-benjamim, mas também come insetos como formigas, besouros, cigarrinhas e cupins voadores.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
arara-azul-grande-1.jpg
Arara-azul - Anodorhynchus hyacinthinus291 views
saira-de-chapeu-preto-9.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata291 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
teque-teque-1.jpg
Teque teque - Todirostrum poliocephalum290 viewsNome em Inglês

Yellow-lored Tody-Flycatcher

Família: Tyrannidae

Hábitos

De movimentos ligeiros, quase nunca fica imóvel. Típico da encosta Atlântica do Brasil Oriental.

Ocorre na Mata Atlântica litorânea, Mata Atlântica de encosta, Mata Atlântica de altitude, na restinga arbórea e em matas mesófilas.

limentação

Caça invertebrados no meio das folhagens da copa e desce até 2 metros do solo. Assim como seus congêneres, alimenta-se de pequenos frutos e captura insetos em pleno ar.

Reprodução

Constrói o ninho pendurado num trançado de cerca de 30 cm nas pontas dos galhos(pendular).
tico-tico-1.jpg
Tico-tico290 views
maria-faceira.jpg
Maria faceira - Syrigma sibilatrix289 views
Foto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
exp04a.jpg
Pipira-preta - Tachyphonus rufus289 viewsNome em Inglês

White-lined Tanager

É comum em clareiras, bordas arbustivas de florestas e outros locais com vegetação arbórea, principalmente em áreas úmidas e próximas à água, longe das cidades. Vive quase sempre aos pares, nos estratos baixo e médio da vegetação, raramente juntando-se a bandos mistos.

Ocorre no Estado do Amapá e do Rio Tapajós ao Maranhão, em todo o Nordeste e, em direção sul, até o Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo. Encontrada também na Costa Rica, Panamá, Colômbia, Venezuela, Guianas e Peru.

Na época da reprodução, o macho exibe para a fêmea as manchas brancas que ele tem embaixo das asas, abrindo-as e fechando-as diante de um rival. Faz um ninho grosseiro, em formato de xícara, localizado em arbustos baixos. Põe de 2 a 3 ovos cor-de-ferrugem-clara com pintas marrons chocados por 13 dias. Tem em média 2 ninhadas por estação.

Alimenta-se de frutinhas, folhas, botões de flor e néctar, às vezes vai também ao solo, em busca de insetos. Acompanha bandos mistos de outros pássaros em busca de comida.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
FtRAW102-02a.jpg
Fim-fim - Euphonia chlorotica289 viewsNome em Inglês
Purple-throated Euphonia
Ft560RAW48-23a.jpg
Guaracavuçu289 views
aracari-banana~0.jpg
Araçari-banana - (Pteroglossus bailloni)289 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
ft73-06a.jpg
Elaenia sp.288 viewsHabitat/hábitos

As espécies de Elaenia não são pássaros do interior da mata, preferem antes o aberto, com bastante luz, sendo encontradas nas árvores e arbustos dos campos, capoeiras, cerrados, banhados, beira de matas, às vezes pousados no topo da vegetação, em galhos secos.

Reprodução

O ninho é do tipo aberto, em forma de tigela ou taça rasas.

Hábitos Alimentares

Helmuth Sick, ao esclarecer que essas aves procuram os trópicos e subtrópicos , fugindo do inverno frio de seus países de origem, não tanto pela temperatura mais elevada, mas principalmente pela maior quantidade de alimento nas regiões quentes. As espécies de Elaenia alimentam-se largamente de frutos durante boa parte do ano. Esse alimento, juntamente com os insetos, irá formar a reserva de gordura, tão importante para as aves em diferentes fases da vida, inclusive durante os movimentos de migração.

Distribuição geográfica, ocorre em quase todo o Brasil.

ft100-06a.JPG
Pica-pau-do-campo288 views
maracana-verdadeira.jpg
Maracanã - 288 views
tuim-o.jpg
Periquito-rico - 288 views
gaviao-belo-3~0.jpg
Gavião-belo - Busarellus nigricollis288 viewsFoto - Afonso de Bragança

O gavião-belo é uma ave da família Accipitridae.
Conhecido também como gavião-lavadeira, gavião-velho, gavião-padre, gavião-panema e gavião-balaio.
O gavião-belo mede entre 46 e 53 centímetros, com uma envergadura total que varia entre 1,10 e 1,30 metros.
Nos adultos, a cabeça é de coloração branco encardido, com uma coroa ligeiramente manchada de marrom escuro. O manto, asas e cauda é completamente laranja-marrom com listras pretas finas restritas a raque das penas. O peito e a garganta são claros. Apresenta uma mancha negra crescente no pescoço. O ventre é vermelho-alaranjado. O crisso é castanho claro. As primárias são completamente negras. As terciárias são vermelho-alaranjado com grandes margens escuras
Ocorre em quase todo o Brasil e também do México à Argentina.
ft97-07a.jpg
Suiriri-cinzento287 views
FtRAW188-18a.jpg
Cambacica287 views
FtRAW188-22a.jpg
Saíra-de-papo-preto287 views
FtRAW143-10a.jpg
Saíra-amarela (macho)286 views
Ft560RAW48-25a.jpg
Maitaca-verde286 views
Ft560RAW48-27a.jpg
Alegrinho286 views
FtRAW101-01a.jpg
Tico-tico-do-campo285 views
sanhacu-cinzento-1.jpg
Sanhaço-cinzento - Tangara sayaca285 viewsFoto Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
sabia-do-campo.jpg
Sabiá do campo - Mimus saturninus284 views
Foto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
periquito-de-encontro-amarelo.jpg
Periquito-de-encontro-amarelo - Brotogeris chiriri284 viewsLeia mais sobre esta espécie
saira-amarela.jpg
Saíra-amarela - Tangara cayana284 viewsNome em Inglês

Burnished-buff Tanager

Habita matas abertas e ciliares, áreas cultivadas, parques e jardins. Vive aos pares ou em pequenos grupos.

Alimenta-se de frutos e insetos como cupins e vespas. Costuma freqüentar comedouros e árvores com frutos maduros, como a aroeira-vermelha.

O ninho, em forma de taça aberta, é feito com folhas, raízes e capins e envolto por finas raízes. Ele é colocado em ramos com folhas a cerca de 2 m do solo, em árvores baixas e isoladas. A postura consta normalmente de 2 ou 3 ovos.

É encontrado nas regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste. Também ocorre no Paraguai e no norte da Argentina.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
FtRAW101-05a.jpg
Gaturamo-verdadeiro284 views
caneleiro.jpg
Caneleiro284 views
Ft560R2AW25-06a.jpg
Garça-azul283 views
FtRAW188-21a.jpg
Saíra-de-papo-preto283 views
Ft560R2AW07-02a.jpg
Bentevizinho-de-asa-ferrugínea281 views
Ft560R2AW25-04a.jpg
Maçarico-branco281 views
FtRAW188-19a.jpg
Cambacica281 views
sai-verde.jpg
Saí-verde - Chlorophanes spiza281 viewsFoto - Cláudio Lopes

MAIS INFORMAÇÕES
carcara~0.jpg
Caracará - Caracara plancus281 viewsFoto - Afonso de Bragança

Também conhecido como carcará, carancho, ,gavião-de-queimada e gavião-calçudo, o caracará não é, taxonomicamente uma águia, e sim um parente distante dos falcões. É tanto visto sozinho como em pequenos bandos em redor de mamíferos e carcaças. Ocorre em campos abertos, cerrados, borda de matas e inclusive centros urbanos de grandes cidades.
Possui uma distribuição geográfica ampla, que vai da Argentina até o sul dos Estados Unidos, ocupando toda uma variedade de ecossistemas, fora a cordilheira dos Andes. Sua maior população se encontra no sudeste e nordeste do Brasil.
ft60-02a.jpg
Ariramba-de-cauda-ruiva - Galbula ruficauda280 viewsNome em Inglês

Rufous-tailed Jacamar

Nos machos adultos, a garganta é branca, enquanto na fêmea e nos machos juvenis ela é ferrugínea.
À primeira vista, parece um grande beija-flor, devido tanto ao seu bico longo e fino, quanto à coloração verde-amarelada iridescente de grande parte da plumagem.

Pousa em galhos e cipós expostos, desde 1 metro do chão até 4 metros de altura. Esses poleiros são usados seguidamente como pontos de espreita das presas e locais de alimentação. Uma vez localizados, facilitam o encontro dessa ave espetacular, representante de uma família exclusiva das Américas.

Além das cores e hábitos, outra característica especial dessa espécie é o canto. O chamado mais freqüente é como uma risada aguda, iniciando-se espaçada e acelerando no final, ficando cada vez mais aguda. Um membro do casal responde ao outro seguidamente. Pelo timbre, imagina-se que seja uma ave menor produzindo-o. Ativo durante todo o dia, mesmo nas horas mais quentes, é sempre inesquecível vê-la sob a luz forte do sol.

Vivem em casais o ano inteiro, com os filhotes sendo alimentados pelos pais por algumas semanas após sairem dos ninhos. Cavam galerias estreitas e compridas nas barrancas de rios, em cupinzeiros nas árvores ou nos torrões de terra presos nas raízes de grandes árvores tombadas (o nome fura-barreira nasceu dessa característica). Na base da entrada da galeria, é possível ver as pequenas depressões laterais feitas pelos pés das aves chegando e partindo. Macho e fêmea chocam até 4 ovos por ninhada.

Ocorre em boa parte do Brasil, nas áreas florestadas e secas, nos ambientes mais adensados, especialmente em suas bordas e clareiras.

Caçam exclusivamente insetos em vôo, com grande destreza e velocidade para apanhar presas desde o tamanho de uma pequena abelha sem ferrão (meliponídeos) até libélulas e mariposas. Após capturarem o inseto, voltam ao ponto de partida e batem-no repetidamente contra o poleiro, retirando asas e quebrando a carapaça externa, o que irá facilitar a ingestão. Logo após processarem uma presa, voltam a prestar atenção aos movimentos no entorno, com rápidos movimentos de cabeça sublinhados pelo longo bico.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
ave07a.jpg
Tucão - Elaenia obscura280 viewsNome em Inglês

Highland Elaenia

Alimentação

Sua dieta é essencialmente frugívora. Compete em fruteiras com outros tiranídeos e também com os sabiás.

Reprodução

Constrói ninhos bem elaborados em forma de taça externamente decorados com liquens, para efeito de camuflagem, nas forquilhas de árvores e arbustos, chocando ovos pintalgados.

Encontrado nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, além de Bolívia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai e Argentina.
Frequenta florestas úmidas da Mata Atlântica, desde o nível do mar até 2000m de altitude e também matas de galeria, matas mesófilas e matas de araucária.
ft103-03a.jpg
Coleirinho280 views
Ft560R2AW25-03a.jpg
Maçarico-galego280 views
Ft560RAW48-22a.jpg
Garça-vaqueira280 views
saira-lagarta-3.jpg
Saíra-lagarta - Tangara desmaresti280 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
saira-sete-cores-1~0.jpg
Saíra-sete-cores - Tangara seledon280 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
bem-te-vi.jpg
Bem-te-vi - Pitangus sulphuratus279 views
Nome em Inglês

Great Kiskadee

Hábitos

São agressivos, ameaçam até gaviões e urubús quando esses se aproximam de seu “território”. Costumam pousar em lugares salientes como postes e topos de árvores. Pode-se vê-lo facilmente cantando em fios de telefone, em telhados ou banhando-se nos tanques ou chafarizes das praças públicas. Como podemos ver, possui grande capacidade de adaptação. É um dos primeiros a cantar ao amanhecer. Anda geralmente sozinho, mas pode ser visto em grupos de três ou quatro que se reúnem habitualmente em antenas de televisão.É ave típica da América Latina, com uma distribuição geográfica que se estende predominantemente do sul do México à Argentina, em uma área estimada em 16.000.000 km².

Entretanto, pode também ser encontrada no sul do Texas e na ilha de Trinidad. Foi introduzida nas Bermudas em 1957, importadas de Trinidad,e na década de 1970 em Tobago. Nas Bermudas, são a terceira espécie de ave mais comum, podendo atingir densidades populacionais de 8 a 10 pares por hectare.

Reprodução

Faz ninho grande e esférico, com capim e pequenas ramas de vegetais em galhos de árvores geralmente bem cerradas, com entrada lateral; porém, já foram encontrados ninhos em formato de xícara aberta. Pode utilizar para construir o seu ninho, sobretudo em zonas urbanas, material de origem humana, como papel, plástico e fios. Põe de 2 a 4 ovos de cor creme com poucas marcas marrom-avermelhadas. Existem muitos registros de nidificação em cavidades em arvores, rochas e estruturas artificiais, em vários países; é, portanto, ave cavinidícola (que nidifica em cavidades).

Alimentação

Possui uma variada alimentação. É insetívoro, podendo devorar centenas de insetos diariamente. Mas também come frutas (como bananas, mamões, maçãs, laranjas, pitangas e muitas outras), ovos de outros pássaros, flores de jardins, minhocas, pequenas cobras, lagartos, crustáceos, além de peixes e girinos de rios e lagos de pouca profundidade. Costuma comer parasitas (carrapatos) de bovinos e eqüinos. Apesar de ser mais comum vê-lo capturar insetos pousados em ramos, também é comum atacá-los durante o vôo.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
periquitao.jpg
Periquitão279 views
saira-de-chapeu-preto-6.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata279 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
Ft560R2AW25-02a.jpg
Maçarico-galego278 views
Ft560RAW48-18a.jpg
Rabo-branco-acanelado278 views
tico-tico.jpg
Tico tico - Zonotrichia capensis277 viewsNome em Inglês

Rufous-collared Sparrow

Caracterização: Tem cerca de 15 centímetros. É um dos pássaros mais populares e estimados no Brasil este-meridional. O pequeno topete, o desenho estriado da cabeça e o colar ferrugíneo são característicos da espécie, sendo, geralmente, menos pronunciados no sexo feminino. Quando jovem não tem as faixas na cabeça, nem a nódoa preta ao lado do pescoço e nem o colar vermelho, mas possui manchinhas negras no peito.

Distribuição: Pode ser encontrado do México e da América Central, através da maior parte da América do Sul, até a Terra do Fogo, com muitas lacunas que, geralmente, correspondem a regiões de clima tropical, que não agradam ao Tico-tico. É encontrado em todas as regiões do Brasil, excetuando a Amazônia onde há florestas, mas ocorre em certas áreas campestres e regiões serranas na Hiléia, de clima mais ameno.

Habitat: Vive em paisagens abertas, campos de cultura, fazendas, jardins, próximo aos ambientes aquáticos (brejos, lagoas, rios), nos pomares e em áreas abertas, até em pátios e coberturas ajardinados. É abundante em regiões de clima temperado, como nas montanhas do Sudeste, até nos seus cumes mais altos, expostos a ventos fortes e frios. O habitat apropriado do tico aumenta constantemente pelo desmatamento e drenagem. Penetra até nas cidades quando há jardins suficientes. Pode ser encontrado em qualquer época do ano.

Hábitos: Locomove-se no solo pulando. Cata sementes no próprio colmo ou no solo. Remove folhas ou terra solta que cobrem o alimento pulando até 4 vezes consecutivas. Usa às vezes formigas para "formicar-se".

Alimentação: É uma ave granívora, alimentando-se de sementes.

Reprodução: Constrói o ninho em moitas de capim, em pequenos arbustos, em ciprestes e tuias, ou no chão. Os ninhos são encontrados com facilidade pelos Vira-bostas (Molothrus bonariensis), que parasitam, colocando seus ovos junto com os do Tico-tico. Também podemos ver com freqüência, os Tico-ticos adultos alimentando os enormes e desajeitados filhotes adotivos. Os ovos dos hospedeiros, que são menores, apresentam coloração clara, pintados de marrom-arroxeado.

REFERÊNCIAS: - NATIVE
FtRAW102-06a.jpg
Fim-fim277 views
Ft560RAW48-13a.jpg
Tucão277 views
FtRAW188-06a.jpg
Periquitão-maracanã277 views
FtRAW188-20a.jpg
Ariramba-de-cauda-ruiva277 views
saira-de-chapeu-preto-8.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata277 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
ft74-13a.jpg
Tico-tico - Zonotrichia capensis276 viewsNome em Inglês

Rufous-collared Sparrow

Caracterização: Tem cerca de 15 centímetros. É um dos pássaros mais populares e estimados no Brasil este-meridional. O pequeno topete, o desenho estriado da cabeça e o colar ferrugíneo são característicos da espécie, sendo, geralmente, menos pronunciados no sexo feminino. Quando jovem não tem as faixas na cabeça, nem a nódoa preta ao lado do pescoço e nem o colar vermelho, mas possui manchinhas negras no peito.

Distribuição: Pode ser encontrado do México e da América Central, através da maior parte da América do Sul, até a Terra do Fogo, com muitas lacunas que, geralmente, correspondem a regiões de clima tropical, que não agradam ao Tico-tico. É encontrado em todas as regiões do Brasil, excetuando a Amazônia onde há florestas, mas ocorre em certas áreas campestres e regiões serranas na Hiléia, de clima mais ameno.

Habitat: Vive em paisagens abertas, campos de cultura, fazendas, jardins, próximo aos ambientes aquáticos (brejos, lagoas, rios), nos pomares e em áreas abertas, até em pátios e coberturas ajardinados. É abundante em regiões de clima temperado, como nas montanhas do Sudeste, até nos seus cumes mais altos, expostos a ventos fortes e frios. O habitat apropriado do tico aumenta constantemente pelo desmatamento e drenagem. Penetra até nas cidades quando há jardins suficientes. Pode ser encontrado em qualquer época do ano.

Hábitos: Locomove-se no solo pulando. Cata sementes no próprio colmo ou no solo. Remove folhas ou terra solta que cobrem o alimento pulando até 4 vezes consecutivas. Usa às vezes formigas para "formicar-se".

Alimentação: É uma ave granívora, alimentando-se de sementes.

Reprodução: Constrói o ninho em moitas de capim, em pequenos arbustos, em ciprestes e tuias, ou no chão. Os ninhos são encontrados com facilidade pelos Vira-bostas (Molothrus bonariensis), que parasitam, colocando seus ovos junto com os do Tico-tico. Também podemos ver com freqüência, os Tico-ticos adultos alimentando os enormes e desajeitados filhotes adotivos. Os ovos dos hospedeiros, que são menores, apresentam coloração clara, pintados de marrom-arroxeado.

REFERÊNCIAS: - NATIVE
FtRAW33-08a.jpg
Sanhaçu-cinzento276 views
Ft560R2AW25-05a.jpg
Garça-azul276 views
FtRAW188-24a.jpg
Topetinho-vermelho276 views
exp14a.jpg
Saí-andorinha - Tersina viridis275 viewsNome em Inglês

Swallow Tanage

Tem como hábito característico o gregarismo na maior parte do ano. Voa em bandos a procura de alimentos, pousando geralmente nos galhos mais expostos de árvores e arbustos de frutas da época. No meio do bando costumam ser vistas outras espécies de saís.

Alimenta-se de frutos e insetos, apanhando esses últimos em vôos a partir de galhos expostos. Somente aproxima-se do chão para alimentar-se de frutos maduros caídos, apanhar insetos em vôo ou para nidificar. Devido ao formato do bico e cabeça, é capaz de apanhar vários frutos, carregando-os para um poleiro mais escondido. Os frutos com caroço muito grande para ser engolido tem a polpa retirada no esôfago e são cuspidos. É um excelente dispersor de sementes.

Surge e desaparece sem que ainda tenha tido o comportamento migratório bem determinado. Parece frequentar certas regiões somente nas épocas do amadurecimento de frutos dos quais se alimenta.

Escava barrancos e faz o ninho no final do túnel. As fêmeas fazem o ninho, chocam e cuidam dos filhotes praticamente sozinhas. Os machos ficam de sentinela a maior parte do tempo, sem envolver-se muito na criação dos filhotes. Após a reprodução retornam aos bandos, os quais podem chegar a algumas dezenas ao redor de árvores frutificando.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
Ft560R2AW25-01a.jpg
Maçarico-pintado275 views
FtRAW188-25a.jpg
Topetinho-vermelho275 views
sai-verde-2.jpg
Saí-verde - Chlorophanes spiza275 viewsFoto - Cláudio Lopes

MAIS INFORMAÇÕES
gaviao-de-rabo-branco-3.jpg
Gavião-de-rabo-branco275 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie.
FtRAW143-01a.jpg
Saí-azul (fêmea)274 views
Ft560RAW48-24a.jpg
Choca-da-mata274 views
saira-de-chapeu-preto-1.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata274 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
Ft560R2AW07-07a.jpg
Saíra-amarela (fêmea)273 views
Ft560RAW48-06a.jpg
Lavadeira-mascarada273 views
Ft560RAW48-08a.jpg
Bico-de-lacre273 views
Ft560RAW48-09a.jpg
Bico-de-lacre273 views
Ft560RAW48-21a.jpg
Canário-da-terra-verdadeiro273 views
gralha-do-campo~0.jpg
Gralha-do-campo273 views
lavadeira-mascarada-1.jpg
Lavadeira-mascarada273 views
maria-preta-de-penacho.jpg
Maria-preta-de-penacho273 views
saira-de-chapeu-preto-4.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata273 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
teque-teque~0.jpg
Teque teque - Todirostrum poliocephalum272 viewsNome em Inglês

Yellow-lored Tody-Flycatcher

Família: Tyrannidae

Hábitos

De movimentos ligeiros, quase nunca fica imóvel. Típico da encosta Atlântica do Brasil Oriental.

Ocorre na Mata Atlântica litorânea, Mata Atlântica de encosta, Mata Atlântica de altitude, na restinga arbórea e em matas mesófilas.

limentação

Caça invertebrados no meio das folhagens da copa e desce até 2 metros do solo. Assim como seus congêneres, alimenta-se de pequenos frutos e captura insetos em pleno ar.

Reprodução

Constrói o ninho pendurado num trançado de cerca de 30 cm nas pontas dos galhos(pendular).
ft74-09a.jpg
Peitica - Empidonomus varius272 viewsNome em Inglês

Variegated Flycatcher

De hábitos migratórios, vive em bordas de matas, capoeiras, clareiras em florestas primárias, cerradões e outras formações com árvores de tamanho médio, mas não muito fechadas.

Ocorre a leste dos Andes da Argentina até os E.U.A, realizando migrações sazonais ao longo de sua distribuição, deslocando-se para latitudes mais baixas no inverno. Suas migrações são extensas e ainda pouco conhecidas.

Alimenta-se basicamente de insetos alados que apanha em vôos curtos a par tir de um poleiro e também de pequenas frutinhas como as do tapiá, que apanha tentando pairar no ar como um beija-flor, sem pousar nos galhos.

Reproduz-se de outubro a fevereiro. O ninho é geralmente construído sobre um galho horizontal, feito de grama, gravetos e fibras dispostas em forma de uma tigela rasa. São postos 3 ou 4 ovos de cor creme. A incubação é feita pela fêmea e demora de 14 a 16 dias. O casal se reveza para alimentar os filhotes.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
sabia-poca-1.jpg
Sabiá-poca - Turdus amaurochalinus272 viewsNome em Inglês

Creamy-bellied Thrush

Pousado ou no chão, possuem o característico hábito de balançar a cauda rapidamente na vertical. O piado de contato é traduzido por póca, nome tupim para barulho.
Há ocorrência dessa espécie em quase todos os estados do Brasil e na Argentina. Seu período migratório vai dos meses de maio a agosto.
Alimentam-se de invertebrados e pequenos frutos, principalmente no solo. Como outros sabiás, gostam de ciscar com o bico as folhas secas e escavar o chão.
Em agosto inicia-se a reprodução. Nessa época, aparecem as aves com o bico amarelo vivo, uma característica ligada à reprodução.
O ninho apresenta formato de tijela, é feito com raízes e fibras com acabamento de barro nas paredes laterais dando solidez, Coloca 3 a 4 ovos, bojudos e com a ponta alongada, azul-esverdeado com manchas e pintas ferrugíneas. O casal fica junto no período de incubação.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
gaviaozinho.jpg
Gaviãozinho - Gampsonyx swainsonii272 viewsLeia mais sobre esta espécie
Ft560RAW48-11a.jpg
Bentevizinho-de-penacho-vermelho272 views
risadinha.jpg
Risadinha - Camptostoma obsoletum271 viewsNome em Inglês

Southern Beardless-Tyrannulet

Pequeno, confiado, está sempre movimentando-se bastante, desde a copa das árvores mais destacadas até próximo ao chão.
Canta desde o amanhecer até o escurecer, além do tamanho e comportamento, característica marcante é o canto.
Caça invertebrados e alimenta-se de frutos.
Apresenta um período reprodutivo, que vai de julho a dezembro. O ninho esférico, construído com matéria vegetal, possui uma entrada lateral e prende-se firmemente à ramagem.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
FtRAW102-04a.jpg
Corruíra271 views
Ft560RAW48-07a.jpg
Viuvinha271 views
Ft560RAW48-12a.jpg
Suiriri-de-garganta-branca271 views
FtRAW188-02a.jpg
Gavião-carijó271 views
saira-de-chapeu-preto-5.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata271 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
Anu-branco01a.jpg
Anu-branco - Guira guira270 viewsNome em Inglês

Guira Cuckoo

Caracterização: Tem corpo franzino, apenas 38 centímetros. Sua cauda é comprida, graduada e com uma fita preta. Sua cor é "branco-amarelado", com bico cor de laranja, forte e curvo. O cheiro do corpo é forte e característico, perceptível para nós a vários metros, e capaz de atrair morcegos hematófogos e animais carnívoros. Quando empoleira arrebita a cauda e joga-a até as costas. Anda sempre em bandos. São aves extremamente sociáveis.

Distribuição: Ocorre do sudeste do Amapá e do Estuário Amazônico à Bolívia, Argentina e Uruguai.

Habitat: São até certo ponto beneficiados pelo desaparecimento da mata alta, pois vivem em campos e lavouras. Imigraram de regiões onde eram desconhecidos e tornaram-se as aves mais comuns ao longo das estradas. Devido ao seu vôo lerdo e fraco, são freqüentemente atropelados nas estradas, arrastados ao mar por fortes ventos. São ainda, atingidos pela ação funesta dos inseticidas, fato tanto mais lamentável por serem muito úteis à lavoura.

Hábitos: Gostam de apanhar sol e banhar-se na poeira, deixando a plumagem fortemente tingida com a cor da terra do local ou de cinza e carvão, sobretudo se eles correrem antes pelo capim melado, as suas penas tornam-se pegajosas. Pela manhã e após as chuvas pousam de asas abertas para enxugar-se. À noite se esquentarem juntam-se em filas apertadas ou aglomeram-se em montões desordenados, acontece de um correr sobre as costas dos outros, que formam a fila, para forçar a sua penetração entre os companheiros. Procuram moitas de taquara para pernoitar. Esta espécie morre de frio no inverno.

Alimentação: São essencialmente carnívoros, comendo gafanhotos, percevejos, aranhas, miriápodes etc. Predam também lagartas peludas e urticantes, lagartixas e camundongos. Pescam na água rasa, periodicamente comem frutas, bagas, coquinhos e sementes, sobretudo na época seca quando há escassez de artrópodes.

Reprodução: Os seus ovos são relativamente grandes, tem de 17 a 25% o peso da fêmea. A cor dos ovos é de campo verde-marinho, uma rede branca calcária em alto relevo se espalha sobre toda a superfície. Tanto há ninhos individuais, como ninhos coletivos. A fêmea que construiu um ninho e ainda não começou a pôr os seus ovos, joga fora os ovos postos ali por outras fêmeas. Joga também os ovos, quando a fêmea poedeira encontra o ninho onde quer pôr, ocupado por outra ave. Os adultos nem sempre zelam bem pelos ninhos com ovos, abandonando-os. Os filhotes deixam o ninho antes de poder voar, com a cauda curta, e são alimentados ainda durante algumas semanas. Quando os seus ninhos são abandonados, às vezes são aproveitados por outros pássaros, por pequenos mamíferos, sobretudo marsupiais e cobras.

Predadores Naturais: Esta espécie é atacada por outras aves por exemplo: o suiriri, mas é reconhecida como possível inimiga da coruja. As rolas se assustam com o aparecimento de anus-brancos, que também enxotam gaviões como o Gavião-carijó (Buteo magnirostis) quando estes pousam nas imediações do seu ninho.

REFERÊNCIAS: - NATIVE
saira-douradinha~0.jpg
Saíra-douradinha - Tangara cyanoventris270 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
ft75-07a.jpg
Tesourinha - Tyrannus savana269 viewsNome em Inglês

Fork-tailed Flycatcher

Migrante inconfundível, onde passa em grupos de até centenas de indivíduos
Consome grande quantidade de frutos no período de migração. Dispersa os frutos da erva-de-passarinho no cerrado, com sua característica semente onde um pé adesivo ressalta-se. A polpa envolvente é uma das fontes principais de abastecimento na migração para o norte, mas como não ingere a semente, limpa o bico nos galhos, deixando presa a semente da próxima erva-de-passarinho. Frutos podem ser vistos em fios e arames, resultado dessa limpeza do bico.Em vôo, consegue uma enorme destreza, alterando direção com facilidade, em perseguições mútuas ou à presa (insetos). Vivem no sul (Argentina, Paraguai e extremo sul do Brasil), em várias outras partes do Brasil, no Caribe e no sul do México. Depois do verão, as tesourinhas migram aos milhares para a região da Amazônia, onde permanecem até o inverno acabar. No início da primavera, cada uma volta para a sua região de origem.


REFERÊNCIAS: - WikiAves
tesourinha-1.jpg
Tesourinha - Tyrannus savana269 viewsLeia mais sobre esta espécie
saira-militar-1.jpg
Saíra-militar - Tangara cyanocephala269 viewsFoto - Flávio Pereira

MAIS INFORMAÇÕES
gaviao-pernilongo-1.jpg
Gavião-pernilongo269 views
gibao-de-couro-1~0.jpg
Gibão-de-couro269 views
garrincha-chorona.jpg
Garrincha chorona - Asthenes moreirae268 viewsNome em Inglês

Itatiaia Thistletail

Endêmica, encontrada exclusivamente numa pequena região localizada na divisa dos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
Ft560RAW48-03a.jpg
Bico-de-veludo268 views
maitaca-verde.jpg
Maitaca-verde268 views
FtRAW102-05a.jpg
Alma-de-gato267 views
saira-ferrugem~1.jpg
Saira-ferrugem - Hemithraupis ruficapilla267 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
saira-lagarta~0.jpg
Saíra-lagarta - Tangara desmaresti267 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
FtRAW143-03a.jpg
Sanhaçu-do-coqueiro266 views
Ft560R2AW14-08a.jpg
Cigarra-do-campo266 views
FtRAW188-01a.jpg
Pica-pau-anão-escamado266 views
saira-de-papo-preto-2.jpg
Saíra-de-papo-preto - Hemithraupis guira266 viewsFoto - Edgard Thomas

gaviao-pernilongo.jpg
Gavião-pernilongo266 views
saira-de-chapeu-preto-2.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata266 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
Ft560R2AW25-10a.jpg
Maçarico-branco265 views
Ft560RAW48-02a.jpg
Bico-de-veludo265 views
FtRAW188-04a.jpg
João-de-barro265 views
sai-andorinha_28femea29.jpg
Saí-andorinha - Tersina viridis (fêmea)264 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
sai-azul-femea.jpg
Saí-azul - Dacnis cayana (fêmea)264 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
arapacu-de-cerrado~3.jpg
Arapaçu-de-cerrado264 views
canario-da-terra-verdadeiro.jpg
Canário-da-terra264 views
corruira~1.jpg
Corruira264 views
sabia-do-banhado-1.jpg
Sabiá do banhado - Embernagra platensis263 viewsNome Inglês

Great Pampa-Finch

Podemos encontra-lo na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. Seus habitats naturais são: matagal tropical ou subtropical de alta altitude, campos de gramíneas de clima temperado, campos de gramíneas de baixa altitude subtropicais ou tropicais sazonalmente húmidos ou inundados e pântanos.
Faz o ninho no chão bem escondido em moitas, utilizando gramíneas incuba uns 3 ou 4 ovos por ninhada.
Alimenta-se basicamente de insetos, minhocas e sementes, geralmente procura o alimento no solo.
btv10a.jpg
Sanhaçu-cinzento - Tangara sayaca263 viewsNome em Inglês

Sayaca Tanager

Quando um macho apronta-se para agredir outro, seu canto torna-se rouco e monótono. Anda quase sempre em casais ou pequenos bandos. Também é visto junto com outra espécie de sua família, como o sanhaçu-do-coqueiro, cujo canto é bem parecido.
Ocorre nas regiões tropicais e subtropicais ao sul da Amazônia e a leste dos Andes.

Vive normalmente na copa das árvores em busca dos frutos maduros, mas é intrépido o suficiente para apanhar também os caídos: preferindo até os que já estejam infestados de larvas, eventualmente também caça insetos em pleno voo.

O ninho, construído pelo casal é compacto, feito de pequenas raízes, musgos e pecíolos foliares, com um diâmetro externo de cerca de 11 cm. Fica escondido na vegetação densa, numa forquilha de árvore, em alturas variáveis. A fêmea põe de 2 a 3 ovos de cor branca pintados de marrom são semelhantes ao dos sabiás só que menores, e é responsável pela incubação que dura de 12 a 14 dias. O casal alimenta os filhotes, que deixam o ninho após 20 dias de idade.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
FtRAW33-06a.jpg
Suiriri-cinzento263 views
coleirinho-1.jpg
Coleirinho - Sporophila caerulescens263 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
saira-de-papo-preto.jpg
Saíra-de-papo-preto - Hemithraupis guira263 viewsFoto - Edgard Thomas
saira-ferrugem-3.jpg
Saira-ferrugem - Hemithraupis ruficapilla263 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
gaviao-de-rabo-branco.jpg
Gavião-de-rabo-branco263 views
joao-de-pau.jpg
João-de-pau263 views
balanca-rabo-de-mascara.jpg
Balança-rabo-de-máscara - Polioptila dumicola262 viewsNome em Inglês

Masked Gnatcatcher

Seu lado superior é cinzento e a parte inferior é branca (cinzento-azulado na região sul). O macho tem uma máscara negra no rosto.
Vive nos campos abertos, entre árvores espinhentas. Ocorre no cerrado e em áreas urbanas. Vive abertamente na copa das árvores, exposto ao vento e à forte insolação. Aprecia regiões áridas.
Seu ninho é delicado, parecendo com o ninho dos beija-flores. Ele é dissimulado, por fora, por liquens presos por teias de aranha.
Ocorre na Bolívia, Paraguai, Argentina, Uruguai e Brasil (sudeste do Pará, Goiás, Minas Gerais a São Paulo, Rio Grande do Sul e Mato Grosso).

REFERÊNCIAS: - WikiAves
ft72-01a.jpg
Tico-tico-do-campo - Ammodramus humeralis262 viewsNome em Inglês

Grassland Sparrow

Vive em campos secos com gramíneas, cerrados, terrenos cultivados e locais com moitas de capim alto. É uma espécie muito mais ouvida do que vista. Seu canto é um trinado muito agudo que revela sua presença, mas mesmo que a vegetação seja rala e rasteira é difícil enxergar a ave. Corre e pula silenciosamente por entre as gramíneas, o que justifica seu outro nome popular ticotico-rato. Só empoleira para cantar e mesmo quando o faz busca um poleiro baixo. Na época de reprodução forma casais que estabelecem um território muito bem defendido. Devido aos seus hábitos campestres esta espécie vem aumentando sua distribuição espacial com o avanço do desmatamento, especialmente na região amazônica.

Ocorre em alguns locais da Amazônia brasileira (Roraima, Amapá e em áreas campestres isoladas, do leste do Rio Tapajós até o Maranhão) e em todo o restante do país, assim como nos demais países da América do Sul, exceto Equador e Chile.

O ninho tem a forma de uma tigela rasa e é construído diretamente no chão. Os ovos são azulados. No período reprodutivo fica mais visível, pousando em locais expostos para cantar.

Alimenta-se basicamente de sementes mas também apanha pequenos insetos.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
Ft560R2AW14-11a.jpg
Canário-do-campo262 views
Ft560RAW48-19a.jpg
Suiriri-pequeno262 views
canario-da-terra-verdadeiro-femea.jpg
Canário-da-terra-verdadeiro - Sicalis flaveola262 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
bem-te-vi-1~0.jpg
Bem-te-vi262 views
coruja-orelhuda.jpg
Coruja-orelhuda262 views
joao-de-barro~1.jpg
João-de-barro262 views
maracana-verdadeira-1~0.jpg
Maracanã262 views
saira-douradinha.jpg
Saíra-douradinha - Tangara cyanoventris261 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
saira-amarela-o.jpg
Saíra-amarela - Tangara cayana261 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
bem-te-vi-0.jpg
Bem-te-vi - Pitangus sulphuratus261 viewsMAIS INFORMAÇÕES
canarios-da-terra-verdadeiros-2.jpg
Canário-da-terra261 views
maria-cavaleira-pequena-1.jpg
Maria-cavaleira-pequena261 views
Ft560R2AW24-17a.jpg
Maçarico-galego260 views
neinei.jpg
260 views
carcara~1.jpg
Caracará260 views
saira-de-chapeu-preto-3.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata260 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
sanhacu-frade-1.jpg
Sanhaçu frade - Stephanophorus diadematus259 viewsNome Inglês

Diademed Tanager

Podemos encontrá-los em casais ou em bandos, nos estados Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Paraná,Santa Catarina e Rio Grande do Sul, principalmente em regiões serranas mais altas. Faz ninho tipo taça, atingindo a maturidade sexual por volta de um ano de idade, cada ninhada geralmente tem entre 3 e 4 ovos, tendo de 2 a 3 ninhadas por temporada, o período de incubação dura 13 dias.
Alimenta-se de frutos, geralmente no solo ou em pequenos arbustos.
ft60-08a.jpg
Piolhinho - Phyllomyias fasciatus259 viewsNome em Inglês

Planalto Tyrannulet

É muito comum em bordas de florestas úmidas, matas secas, matas mesófilas, matas de galeria, áreas abertas com arborização esparsa, parques, jardins urbanos e também na zona rural.

Acompanha bandos mistos em copas ou à média altura. É parcialmente migratória entre 0 e 800 metros e raramente chega a 1800 metros.

Possui uma ampla distribuição, nas cinco regiões brasileiras.

Constrói ninho em forma de taça aberta, nas árvores.

Alimentação básica artrópodes.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
suiriri-o.jpg
Suiriri - Tyrannus melancholicus259 viewsQuase tão conhecido como o bem-te-vi e siriri, É encontrado em todo o Brasil. Adapta-se até aos maiores conglomerados urbanos, desde que haja alguma arborização. Pode ser visto no meio de São Paulo ou Rio de Janeiro, por exemplo. A populaçao do sul do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai (parte) É completa ou parcialmente migratória.
beija-flor-cinza.jpg
Beija-flor-de-banda-brenca259 views
gaviao-carijo~1.jpg
Gavião-carijó258 views
sai-azul-1~2.jpg
Saí-azul - Dacnis cayana257 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
Ft560R2AW25-09a.jpg
Vira-pedras256 views
tachyphonus-coronatus.jpg
Tiê-preto - Tachyphonus coronatus255 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
Ft560R2AW25-07a.jpg
Vira-pedras255 views
coleirinho-2.jpg
Coleirinho - Sporophila caerulescens255 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
bem-te-vi~3.jpg
Bem-te-vi - Pitangus sulphuratus255 views
sanhacu-frade.jpg
Sanhaçu frade - Stephanophorus diadematus254 viewsNome Inglês

Diademed Tanager

Podemos encontrá-los em casais ou em bandos, nos estados Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Paraná,Santa Catarina e Rio Grande do Sul, principalmente em regiões serranas mais altas. Faz ninho tipo taça, atingindo a maturidade sexual por volta de um ano de idade, cada ninhada geralmente tem entre 3 e 4 ovos, tendo de 2 a 3 ninhadas por temporada, o período de incubação dura 13 dias.
Alimenta-se de frutos, geralmente no solo ou em pequenos arbustos.
cardeal-1.jpg
Cardeal-do-nordeste - Paroaria dominicana254 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
sabia-do-banhado.jpg
Sabiá do banhado - Embernagra platensis253 viewsNome Inglês

Great Pampa-Finch

Podemos encontra-lo na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. Seus habitats naturais são: matagal tropical ou subtropical de alta altitude, campos de gramíneas de clima temperado, campos de gramíneas de baixa altitude subtropicais ou tropicais sazonalmente húmidos ou inundados e pântanos.
Faz o ninho no chão bem escondido em moitas, utilizando gramíneas incuba uns 3 ou 4 ovos por ninhada.
Alimenta-se basicamente de insetos, minhocas e sementes, geralmente procura o alimento no solo.
tucano-bico-preto-0.jpg
Tucano bico preto - Ramphastos vitellinus253 viewsNome em Inglês

Channel-billed Toucan

Família: Ramphastidae

Hábitos

Comum na copa de florestas úmidas, tanto em seu interior quanto nas bordas, e em capoeiras altas. Vive em bandos de tamanhos variáveis, porém nunca muito grandes. Como os demais tucanos, vários indivíduos dormem juntos.

Presente desde a Amazônia até Santa Catarina, e em direção oeste até Goiás e Mato Grosso. No Nordeste é restrito aos estados de Pernambuco e Alagoas. Encontrado também nas Guianas, Venezuela e Bolívia.

Reprodução

Faz ninho em cavidades de árvores, a cerca de 10 m do chão. Põe de 2 a 4 ovos e o período de incubação é de 18 dias. A fêmea incuba os ovos sozinha, sendo alimentada pelo macho durante o período.

Alimentação

Além de frutos, alimenta-se também de insetos (inclusive cupins, no cupinzeiro e em revoada), aranhas e ovos e filhotes de outras aves.

O Tucano-de-bico-preto tem três subespécies:

Ramphastos vitellinus ariel
Esta sub-espécie tem como característica morfológica a cor amarelo no bico e vermelho no contorno dos olhos.
Ramphastos vitellinus culminatus
Esta sub-espécie tem como característica morfológica a cor azul no bico e no contorno dos olhos.
Ramphastos vitellinus pintoi
Esta sub-espécie habita o Brasil central(Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás). Apresenta o papo branco e a base da mandíbula amarela.


REFERÊNCIAS: - Brasil 500 Pássaros / WikiAves

irre~0.jpg
253 views
saira-lagarta.jpg
Saíra-lagarta - Tangara desmaresti252 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
FtRAW33-05a.jpg
Ariramba-de-cauda-ruiva252 views
bico-grosso-1.jpg
Bico-grosso - Saltator maxillosus252 views
saira-de-chapeu-preto~0.jpg
Saíra-de-chapéu-preto - Nemosia pileata252 viewsFoto Afonso de Bragança


Leia mais sobre esta espécie.
figuinha-de-rabo-castanho-o.jpg
Figuinha-de-rabo-castanho - Conirostrum speciosum251 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
sabia-do-banhado~0.jpg
Sabiá-do-banhado - Embernagra platensis251 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
maria-preta-de-garganta-vermelha-1.jpg
Maria-preta-de-garganta-vermelha251 views
saira-_lagarta.jpg
Saíra-lagarta - Tangara desmaresti250 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
sanhacu-de-encontro-amarelo~0.jpg
Sanhaço-de-encontro-amarelo - Tangara ornata250 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
exp10a.jpg
Bico-chato-de-orelha-preta - Tolmomyias sulphurescens249 viewsNome em Inglês

Yellow-olive Flycatcher

Comum nos ambientes típicos, difícil de ser observado pela camuflagem da cor olivácea do corpo com a folhagem. Insetívoro da parte média da mata seca e cerradão, ocasionalmente em manchas mais largas de mata ciliar em área sem inundação. Territorial, vive solitário ou em casais. É residente o ano todo no mesmo local.

Constrói um dos ninhos mais interessantes, juntando fibras negra de um fungo, Marasmius, encontrado entre as raízes das árvores (as fibras não são trançadas, apesar da aparência). Faz uma bola dependurada, com uma entrada lateral em forma de túnel virado para baixo, mais comprido do que o ninho propriamente dito. Está sempre na ponta de galhos finos e na parte baixa ou média da árvore, normalmente no interior da mata.


Canta o ano inteiro, sendo que de julho a dezembro emite o chamado durante todo o dia. Fica ativo até nas horas mais quentes do dia, com seu assobio alto, composto de duas ou três notas agudas. Em geral, o primeiro é mais curto, com os seguintes um pouco mais demorados, sempre espaçados entre si.


Constrói um dos ninhos mais interessantes, juntando fibras negra de um fungo, Marasmius, encontrado entre as raízes das árvores (as fibras não são trançadas, apesar da aparência). Faz uma bola dependurada, com uma entrada lateral em forma de túnel virado para baixo, mais comprido do que o ninho propriamente dito

REFERÊNCIAS: - WikiAves
pombao~1.jpg
Pombão - Patagioenas picazuro249 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
Ft560R2AW25-08a.jpg
Vira-pedras249 views
patativa-1.jpg
Patativa - Sporophila plumbea249 viewsFoto - Edgard Thomas
cambacica-3.jpg
Cambacica - Coereba flaveola248 viewsFoto - Afonso de Bragança

MAIS INFORMAÇÕES
tesoura-cinzenta.jpg
Tesoura-cinzenta248 views
andorinha-pequena-de-casa.jpg
Andorinha-pequena-de-casa248 views
gaviao-carijo.jpg
Gavião-carijó - Rupornis magnirostris247 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
joao-bobo-1.jpg
João bobo - Nystalus chacuru247 views
pica-pau-verde-barrado.jpg
Pica-pau-verde-barrado - Colaptes melanochloros247 views
viuvinha-3.jpg
Viuvinha247 views
ft79-03a.jpg
Jacupemba246 views
Ft560R2AW24-08a.jpg
Trinta-réis-grande246 views
gibao-de-couro~0.jpg
245 views
gralha-do-campo-o.jpg
Gralha-do-campo - Cyanocorax cristatellus244 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
Ft560R2AW24-09a.jpg
Trinta-réis-grande244 views
Ft560R2AW24-12a.jpg
Garça-azul244 views
Pintassilgo.jpg
Pintassilgo- Sporagra magellanica244 views
Ft560RAW48-04a.jpg
Maria-preta-de-garganta-vermelha244 views
lavadeira-mascarada~1.jpg
Lavadeira-mascarada244 views
bem-te-vi-rajado~3.jpg
Bem-te-vi-rajado - 244 views
ft105-07a.jpg
Sanhaçu-do-coqueiro243 viewsSONY DSC
1001.jpg
Tesoura-cinzenta - Muscipipra vetula242 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
FtRAW33-04a~0.jpg
Sanhaçu-cinzento242 views
Ft560R2AW24-15a.jpg
Guará242 views
alma03a.jpg
Alma-de-gato - Piaya cayana241 viewsNome em Inglês

Squirrel Cuckoo

Hábitos

Habita os estratos médio e superior dessas matas, deslocando-se através da copa das árvores e arbustos, quase nunca descendo ao solo. Anda sozinho ou aos pares. Ocorre em matas ciliares, matas secundárias, capoeiras, parques e bairros arborizados até mesmo das maiores cidades brasileiras.
Podemos encontrá-lo em todo o Brasil e tem também uma vasta distribuição na América Latina.

Reprodução

Na primavera, início do período reprodutivo, canta incansavelmente durante todo o dia. O ninho é em forma de panela rasa, feito de galhos frouxamente entrelaçados. A fêmea bota cerca de 6 ovos, que possuem uma casca com aspecto peculiar devido à aparência mineral. Os pais se revezam tanto na incubação, que leva cerca de 14 dias.

Alimentação

Alimenta-se basicamente de insetos, principalmente lagartas, que captura ao examinar as folhas, inclusive em suas partes inferiores. É curioso notar que come até mesmo lagartas com espinhos aparentemente venenosos.

REFERÊNCIAS: - WikiAves
peitica-de-chapeu-preto-1.jpg
Peitica-de-chapéu-preto - Griseotyrannus aurantioatrocristatus241 viewsA peitica-de-chapéu-preto é uma ave passeriforme da família Tyrannidae. Também conhecido por bem-te-vi-cinza e mosquiteiro-cinzento.
suiriri~0.jpg
Suiriri - Tyrannus melancholicus241 viewsQuase tão conhecido como o bem-te-vi e siriri, é encontrado em todo o Brasil. Adapta-se até aos maiores conglomerados urbanos, desde que haja alguma arborização. Pode ser visto no meio de São Paulo ou Rio de Janeiro, por exemplo. A população do sul do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai (parte) é completa ou parcialmente migratória.
Ft560R2AW24-14a.jpg
Guará240 views
urubu-de-cabeca-vermelha.jpg
Urubu-de-cabeça-vermelha - Cathartes aura239 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
FtRAW141-10a.jpg
Beija-flor-tesoura238 views
Ft560R2AW24-10a.jpg
Gaivota-de-cabeça-cinza238 views
FtRAW33-03a~0.jpg
Peitica-de-chapéu-preto237 views
Ft560R2AW24-11a.jpg
Garça-branca-pequena237 views
maria-cavaleira~0.jpg
Maria-cavaleira-pequena - 237 views
Ft560R2AW24-28a.jpg
Maçarico-rasteirinho236 views
guara.jpg
Guará - Eudocimus ruber235 viewsNome em Inglês

Scarlet Ibis

Os guarás forrageam em pequenos grupos, ou até mesmo indivíduos isolados, durante a maré baixa; os imaturos e sub-adultos costumam formar grupos separados para forragear.
Reunem-se ao pôr-do-sol e voam em filas para os locais onde passam a noite.
O guará está presente em Trinidad e Tobago (onde é a ave nacional), na Colômbia, na Venezuela, nas Guianas e no litoral norte do Brasil (havendo grupos isolados já relatados em mangues de São Paulo, do Paraná e da Bahia).
A reprodução é feita em colônias. Os ninhos são feitos no alto das árvores à beira dos mangues e lamaçais litorâneos. A fêmea põe 2 ou 3 ovos.


REFERÊNCIAS: - WikiAves
FtRAW141-05a.jpg
Beija-flor-preto235 views
Ft560R2AW24-25a.jpg
Batuíra-de-bando235 views
gralha-do-campo.jpg
Gralha-do-campo - Cyanocorax cristatellus234 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
FtRAW33-02a.jpg
Peitica-de-chapéu-preto234 views
FtRAW116-09a.jpg
Soldadinho - Antilophia galeata234 viewsNome Português: Soldadinho

Nome Inglês: Helmeted Manakin

Nome científico: Antilophia galeata

Família: Pipridae

Habitat: Ocorre do Maranhão, Piauí e Bahia a Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Tocantins, oeste de Minas Gerais, oeste de São Paulo, Paraná, Paraguai e Bolívia.

Alimentação: Alimenta-se basicamente de frutos, mas em época de escassez também come insetos e larvas.

Reprodução: A incubação executada exclusivamente pela mãe, gira em torno de 17 a 19 dias. Os filhotes recebem da mãe bagas e insetos, em parte regurgitados, em parte amassados em bolas; abandonam o ninho com 13 a 15 dias.

Estado de Conservação: Pouco preocupante

Comentários

Ocorre nas matas ciliares do Brasil central e nas matas da baixada pantaneira. Ocorre também em buritizais ou em matas brejosas entre 500 e 1000m de altitude, por vezes, acompanhando bandos mistos. Vivem solitários, no máximo em casais no mesmo território, pouco associados. Canta o ano todo, ocasionalmente durante o período de muda, entre janeiro e maio. É um canto alegre, assobiado e chamativo, composto por cinco partes separadas. A primeira é uma nota separada das demais, curta e mais lenta. As outras vêm em sequência rápida. Na época reprodutiva, responde a imitações ou gravações de seu canto.
FtRAW141-16a.jpg
Gaturamo-verdadeiro (fêmea)234 views
bico-torto-carijo.JPG
Bico-virado-carijó - Xenops rutilans233 viewsFoto - Afonso de Bragança

Leia mais sobre esta espécie
897 files on 3 page(s) 1

Opções do Usuário
Quem somos
Bem vindo ao PhotoAves, aqui você encontra fotos de aves, dicas e muita informação.