Login

Contato

Por favor digite seu nome
Por favor insira seu email. Email inválido.
Por favor escreva sua mensagem
Busca - Categorias
Pesquisar - Contatos
Pesquisar - Conteúdo
Busca - Fonte de Notícias
Pesquisa - Marcadores

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
O guará Eudocimus ruber é uma ave da família Threskiornithidae. Conhecida como íbis-escarlate, guará-vermelho, guará-rubro e guará-piranga. Ocorre desde a América Central até ao sul do Brasil em vários grupos isolados.
  • Nome popular: Guará
  • Nome inglês: Scarlet Ibis
  • Nome científico: Eudocimus ruber
  • Família: Threskiornithidae
  • Habitat: Ocorre em Trinidad e Tobago, na Colômbia, na Venezuela, nas Guianas e no litoral norte do Brasil (havendo grupos isolados já relatados em mangues de São Paulo, do Paraná, de Santa Catarina e da Bahia).
  • Alimentação: Alimenta-se principalmente de pequenos caranguejos. Sua coloração tem forte relação com sua dieta, sendo responsável pela sua plumagem vermelha intensa. A espécie realiza o metabolismo e incorporação seletiva de carotenoides, nesse caso principalmente a Cantaxantina, distribuído para as penas.
  • Reprodução: Reproduz-se em colônias. Confecciona os ninhos no alto das árvores à beira dos mangues e lamaçais litorâneos. A fêmea põe 2 ou 3 ovos de cor bege, ou marrom-claro com manchas marrons.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Foto – Edgard Thomas
Guará
Foto – Edgard Thomas
Guará

Características:

Mede em torno de 60 cm. Possui bico fino, longo e levemente curvado para baixo. A plumagem é de um colorido vermelho muito forte, por causa de sua alimentação à base do caranguejo chama-maré (Uca maracoani) que possui um pigmento (carotenos) que tinge as plumas. No cativeiro, com a mudança da alimentação, as plumas perdem a cor e ficam com um tom cor-de-rosa apagado.

Comentários:

Procuram alimento em pequenos grupos, ou até mesmo indivíduos isolados, durante a maré baixa; os imaturos e subadultos costumam formar grupos separados para forragear. Na maré montante, repousam em grupos nas árvores do manguezal, onde não são facilmente vistos entre a folhagem. Reúnem-se ao pôr do sol e voam em filas para os locais onde passam a noite.
Foto – Edgard Thomas
Guará
Foto – Edgard Thomas
Guará
Referências Bibliográficas: FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec - Ecologia Técnica Ltda. │SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997 │ Wikipédia
Topo