Login

Busca - Categorias
Pesquisar - Contatos
Pesquisar - Conteúdo
Busca - Fonte de Notícias
Pesquisa - Marcadores

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

O beija-flor-de-orelha-violeta Colibri serrirostris é uma ave da família Trochilidae. Conhecido também como beija-flor-do-canto e colibri-de-canto.

Foto – Claudio Lopes
Beija-flor-de-orelha-violeta

  • Nome popular: Beija-flor-de-orelha-violeta
  • Nome inglês: White-vented Violetear
  • Nome científico: Colibri serrirostris
  • Família: Trochilidae
  • Habitat: Ocorre no Piauí, Bahia e Espírito Santo para oeste até Goiás e Mato Grosso, estendendo-se em direção sul até o Rio Grande do Sul. Encontrado também na Bolívia e Argentina.
  • Alimentação: Alimenta-se basicamente do néctar das flores e complementa a sua dieta com pequenos artrópodes.
  • Reprodução: Constrói o ninho em galhos finos de arbustos, confeccionado com pequenos gravetos, papéis encontrados no chão e teias de aranha. Enrola tudo em uma cestinha perfeitamente redonda e bota 1 ou 2 ovos totalmente brancos. A partir daí, a fêmea fica no ninho quase o tempo todo, só saindo raramente nos horários quentes do dia para se alimentar, pois o macho já lhe traz a comida e, se ela sair numa hora do dia extremamente fria, os embriões podem morrer. Quando a casca do ovo está para rachar, a fêmea percebe e se recusa a sair do ninho, e mesmo sendo forçada a sair continua nele. Ela só sai quando o perigo é grande demais, mas só depois de ter certeza de que não há mais jeito de ficar no ninho. Na época do acasalamento o macho para librando diante da fêmea pousada, eriçando os tufos arroxeados para a frente e para cima.
  • Estado de conservação: Pouco preocupante
Foto – Claudio Lopes
Beija-flor-de-orelha-violeta

Características:

Mede cerca de 15 cm. O macho é esverdeado com tons de roxo no peito e na ponta das asas, obviamente com as orelhas violeta. Na cabeça pode-se ver atrás do olho uma mancha azulada, dando o encontro com a orelha violeta. Bem abaixo do peito, perto da cauda, o verde se torna esbranquiçado e vai clareando até se tornar branco puro, então liga-se com a cauda, que é longa, de um tom preto esverdeado, a mesma tonalidade das asas. A fêmea não tem a orelha violeta e é verde esbranquiçada, com as asas e a cauda iguais às do macho de uma cor preta esverdeada

Foto – Claudio Lopes
Beija-flor-de-orelha-violeta

Comentários:

É um dos beija-flores mais comuns do Brasil centro-oriental. Vive em áreas semiabertas, bordas de floresta, capoeiras, cerrados, campos, cidades, parques e jardins. Habita os cerrados no período de chuvas e com a chegada da seca passa a frequentar a borda das matas ciliares. Nesse período destaca-se pelo canto contínuo, durante virtualmente todo o dia. É um chamado alto, curto e agudo, composto por quatro notas, repetidas de forma contínua do clarear ao escurecer. No outono migra localmente das regiões mais altas para os vales. É bastante territorial, defendendo agressivamente suas flores.

Foto – Claudio Lopes
Beija-flor-de-orelha-violeta

Referências bibliográficas:

- FRISCH, Johan Dalgas; FRISCH, Chistian Dalgas. Aves Brasileiras e Plantas que as Atraem 3ª edição. Ed. Dalgas Ecoltec - Ecologia Técnica Ltda.

- SICK, H. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1997.

- Sigrist, Tomas Sigrist; Guia de Campo Avifauna Brasileira 1ª edição 2009 Avis Brasilis Editora.

- Beija-flor-de-orelha-violeta Colibri serrirostris - Wikiaves. Disponível em: http://www.wikiaves.com.br/beija-flor-de-orelha-violeta - Acesso em: 13 de Maio de 2013

Topo